Representatividade feminina no contexto da coordenação de ações de extensão

estudo de caso em uma universidade pública

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-v21n12022-63975

Palavras-chave:

Representatividade feminina, Universidade Pública, Extensão

Resumo

The presence of women in the educational sphere and in the labor market, in addition to being a struggle with historical roots, has contemporary characteristics rooted in society, requiring knowledge and diagnosis of the most diverse forms of female performance, here dealing with the public environment. Therefore, the objective of this article was to carry out a temporal survey on the representation of women in the teaching position within the coordination of extension activities in a public university, with study object being the Viçosa Federal University, Rio Paranaíba Campus, State of Minas Gerais, Brazil. Data collection was carried out on websites that provide reports on servers and on the institution's internal system for recording outreach activities.  Among the surveys with greater evidence and theoretical proof, it could be diagnosed that women, although they do not represent the majority of university professors, are predominantly more present in the coordination of different types of extension activities (programs, projects, courses and events) than men, with emphasis on actions related to the Institute of Biological and Health Sciences, which have greater representation.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidiane Alves de Deus, Universidade Federal de Viçosa

Mestranda em Administração Pública em Rede Nacional  na Universidade Federal de Viçosa, Campus Rio Paranaíba, Minas Gerais, Brasil; administradora na mesma instituição.

Marco Antonio Moreira de Oliveira, Universidade Federal de Viçosa

Mestrando em Administração Pública na Universidade Federal de Viçosa, Campus Rio Paranaíba, Minas Gerais, Brasil; administrador na mesma instituição.

Rodrigo Moreira Braz, Universidade Federal de Viçosa

Mestrando em Administração Pública na Universidade Federal de Viçosa, Campus Rio Paranaíba, Minas Gerais, Brasil; professor no Centro de Ensino Superior de São Gotardo, Minas Gerais, Brasil.

Leonardo Pinheiro Deboçã, Universidade Federal de Viçosa

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil; professor associado na Universidade Federal de Viçosa, Campus Rio Paranaíba, Minas Gerais, Brasil.

Referências

ALMEIDA S. M. V.; BARBOSA, L. M. V. Curricularização da extensão universitária no ensino médico: o encontro das gerações para humanização da formação. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 43, p. 672-680, 2019. Doi: 10.1590/1981-5271v43suplemento1-20190013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/DfkjtF6SgYzNFZKKXYLp85g/?lang=pt. Acesso em: 7 out. 2021.

ALVES, R. A. R. et al. Extensão universitária e educação em doenças sexualmente transmissíveis e temas relacionados. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 14, n. 2, p. 1.079-1.083, ago./dez. 2016. Doi: 10.5892/ruvrd.v14i2.2958. Disponível em: http://periodicos.unincor.br/index.php/revistaunincor/article/view/2958. Acesso em: 7 out. 2021.

BARROS, S. C. V.; MOURÃO, L. Panorama da participação feminina na educação superior, no mercado de trabalho e na sociedade. Psicologia & Sociedade, Recife, v. 30, 2018. Doi: 10.1590/1807-0310/2018v30174090. Disponível em: https://www.scielo.br/j/psoc/a/v6X4NdsLGPx7fmpJBCWxsdB/?lang=pt. Acesso em: 25 set. 2021.

BARROSO, C. L. M.; MELLO, G. N. O acesso da mulher ao ensino superior brasileiro. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 15, p. 47-77, dez. 1975. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br//index.php/cp/article/view/1813. Acesso em: 25 set. 2021.

BORGES, E. P.; OLINTO, G.; LETA, J. Gênero, ciência e contexto regional: reflexões sobre resultados acadêmicos da pós-graduação no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 15., 2014, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: ANCIB, 2014, p. 3.557-3.576. Disponível em: https://ridi.ibict.br/handle/123456789/825. Acesso em: 25 set. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 1º out. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 7, de 18 de dezembro de 2018. Estabelece as Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira e regimenta o disposto na Meta 12.7 da Lei nº 13.005/2014, que aprova o Plano Nacional de Educação PNE-2014-2024 e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=104251-rces007-18&category_slug=dezembro-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 1º out. 2021.

CARVALHO, C. C. B. Equidade de gênero na ciência? : um estudo sobre as pesquisadoras bolsistas de produtividade da Universidade Federal de São Carlos. 2015. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão de Organizações e Sistemas Públicos) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/7148. Acesso em: 8 set. 2021.

CNPQ. Plataforma Lattes. 2021. Disponível em: http://portal.cnpq.br/. Acesso em: 9 out. 2021.

FERREIRA, D. C. A extensão na Universidade Federal de Uberlândia: uma proposta avaliativa. 2021. Dissertação (Mestrado em Gestão Organizacional) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/31556. Acesso em: 8 out. 2021.

FOLHA DE SÃO PAULO. Ruf 2019. Ranking universitário. São Paulo, 2019. Disponível em: https://ruf.folha.uol.com.br/2019/ranking-de-universidades/principal/. Acesso em: 9 out. 2021.

FORPROEX. Política Nacional de Extensão Universitária. 2012. Disponível em: http://www.pec.ufv.br/wp-content/uploads/2016/05/2012-07-13-Politica-Nacional-de-Extensao.pdf. Acesso em: 8 out. 2021.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUEDES, M. C. A presença feminina nos cursos universitários e nas pós-graduações: desconstruindo a ideia da universidade como espaço masculino. História, Ciências, Saúde: Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, p. 117-132, jun. 2008. Doi: 10.1590/S0104-59702008000500006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/hcsm/a/tPvR4dWz5GzGCgn4c6GCZHp/abstract/?lang=pt. Acesso em: 25 set. 2021.

HRYNIEWICZ, L. G. C.; VIANNA, M. A. Mulheres em posição de liderança: obstáculos e expectativas de gênero em cargos gerenciais. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 331-344, jul./set. 2018. Doi: 10.1590/1679-395174876. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cebape/a/Wwqj4gNdm8k8jcGRjCFxvqm/abstract/?lang=pt. Acesso em: 1º set. 2021.

HULTIN, M. Some take the glass escalator, some hit the glass ceiling? Career consequences of occupational sex segregation. Sage Publications, New York, v. 30, n. 1, p. 30-61, 2003. Doi: 10.1177/0730888402239326. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0730888402239326. Acesso em: 25 set. 2021.

INEP. Sinopses estatísticas da educação superior: graduação. 2021. Disponível em: http://inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 30 set. 2021.

MARTINS, M. A expansão da educação superior brasileira: diferentes oportunidades, segundo a origem social e diferentes percursos, segundo o gênero. 2014. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-Graduação em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/130960?show=full. Acesso em: 8 set. 2021.

MOITA, F. M. G. S. C.; ANDRADE, F. C. B. Ensino-pesquisa-extensão: um exercício de indissociabilidade na pós-graduação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 41, p. 269-393, maio/ago. 2009. Doi: 10.1590/S1413-24782009000200006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/gmGjD689HxfJhy5bgykz6qr/abstract/?lang=pt. Acesso em: 1º out. 2021.

OLINTO, G. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, Brasília, v. 5, n. 1, p. 68-77, jul./dez. 2011. Disponível em: http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/1667. Acesso em: 8 set. 2021.

OLIVEIRA, C. V. N. C.; TOSTA, M. C. R.; FREITAS, R. R. Curricularização da extensão universitária: uma análise bibliométrica. Brazilian Journal of Production Engineering, São Mateus, v. 6, n. 2, p. 114-127, jul. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/bjpe/article/view/30835. Acesso em: 8 set. 2021.

PAINEL LATTES. Estatísticas da Base de Currículos da Plataforma Lattes. 2016. Disponível em: http://estatico.cnpq.br/painelLattes/. Acesso em: 9 out. 2021.

PAULA, J. A. A extensão universitária: história, conceito e propostas. Interfaces, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 5-23, jul./nov. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/18930. Acesso em: 2 set. 2020.

RAEX. Sistema de Registro de Atividades da Extensão. Viçosa, 2021. Disponível em: https://www2.dti.ufv.br/raex/scripts/. Acesso em: 8 set. 2021.

RODRIGUES, A. L. L. et al. Contribuições da extensão universitária na sociedade. Cadernos de Graduação: Ciências Humanas e Sociais, Aracaju, v. 1, n. 2, p. 141-148, mar. 2013. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/cadernohumanas/article/view/494. Acesso em: 1º out. 2021.

SANTOS, J. H. S.; ROCHA, B. F.; PASSAGLIO, K. T. Extensão universitária e formação no ensino superior. Revista Brasileira de Extensão Universitária, Chapecó, v. 7, n. 1, p. 23-28, jan./jun. 2016. Doi: 10.36661/2358-0399.2016v7i1.3087. Disponível em: https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/RBEU/article/view/3087. Acesso em: 1º out. 2021.

SILVA, J. S. S.; GONZÁLEZ-GIL, F. Acessibilidade, gênero e educação superior: indicativos procedentes das investigações científicas. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 23, n. 4, p. 607-622, out./dez. 2017. Doi: 10.1590/S1413-65382317000400010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbee/a/sZbL9dz4jMP9BRWj7GmxyrQ/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2021.

SIQUEIRA, D. P.; SAMPARO, A. J. F. Os direitos da mulher no mercado de trabalho: da discriminação de gênero à luta pela igualdade. Revista Direito em Debate, Ijuí, v. 26, n. 48, jul./dez. 2017. Doi: 10.21527/2176-6622.2017.48.287-325. Disponível em: https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/revistadireitoemdebate/article/view/7233. Acesso em: 25 set. 2021.

SOARES, S. S. D. O perfil da discriminação no mercado de trabalho: homens negros, mulheres brancas e mulheres negras. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2000. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/2295/1/TD_769.pdf. Acesso em: 25 set. 2021.

UFV. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução nº 7, de 5 de dezembro de 2007. Dispõe sobre a aprovação da Política de Extensão da UFV, que passa a fazer parte integrante desta Resolução. Viçosa, MG: Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, 2007. Disponível em: http://www.pec.ufv.br/wp-content/uploads/2016/05/07-07.pdf. Acesso em: 8 out. 2021.

UFV. Apresentação. Viçosa, MG, 2021a. Disponível em: https://www.ufv.br/apresentacao/. Acesso em: 8 out. 2021.

UFV. Notícias: UFV conquista nota máxima no Índice Geral de Cursos. Viçosa, MG, 23 de março de 2021, 2021b. Disponível em: https://www2.dti.ufv.br/noticias/scripts/exibeNoticiaMulti.php?codNot=35087&link=corpo. Acesso em: 8 out. 2021.

UFV. História. Viçosa, MG, 2021c. Disponível em: https://www.ufv.br/historia/. Acesso em: 8 out. 2021.

UFV. Cursos de graduação. Viçosa, MG, 2021d. Disponível em: http://www.pre.ufv.br/cursos-de-graduacao/. Acesso em: 8 out. 2021.

UFV. Cursos de pós-graduação stricto sensu. Viçosa, MG, 2021e. Disponível em: http://www.ppg.ufv.br/?page_id=383. Acesso em: 8 out. 2021.

UFV. Relatório UFV: tabelas. Viçosa, MG, 2021. Disponível em: https://www.dti.ufv.br/relatorioufv/. Acesso em: 8 out. 2021.

VAZ, D. V. O teto de vidro nas organizações públicas: evidências para o Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 22, n. 3, p. 765-790, dez. 2013. Doi: 10.1590/S0104-06182013000300007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ecos/a/FSfpH9NQg6qHy3Hky8tCXyt/abstract/?lang=pt. Acesso em: 8 out. 2021.

VENTURINI, A. C. A presença das mulheres nas universidades brasileiras: um panorama de desigualdade. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 11., 2017, Florianópolis; WOMEN’S WORLDS CONGRESS, 13., 2017, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, 2017. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1500230828_ARQUIVO_AnnaCarolinaVenturini_Texto_completo_MM_FG.pdf. Acesso em: 10 set. 2021.

VIANA, A. R.; SOUZA, F. P.; ANJOS NETA, M. M. S. Distribuição e representatividade feminina: um estudo sobre a universidade estadual do sudoeste da Bahia – UESB. Extensão e Cidadania, Vitória da Conquista, v. 4, n. 8, p. 1-20, jul./dez. 2017. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/recuesb/article/view/3584/2960. Acesso em: 10 set. 2021.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução de Cristhian Matheus Herrera. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2014.

Downloads

Publicado

2022-06-27

Como Citar

DEUS, L. A. de; OLIVEIRA, M. A. M. de; BRAZ, R. M.; DEBOÇÃ, L. P. Representatividade feminina no contexto da coordenação de ações de extensão: estudo de caso em uma universidade pública. Revista Em Extensão, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 62–84, 2022. DOI: 10.14393/REE-v21n12022-63975. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/63975. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais