A soberania alimentar que desperta e aprofunda os saberes em direitos por terra, por comida de verdade e por igualdade de gênero

Autores

  • Érika Maria Marcondes Tassi Universidade Federal de Uberlândia
  • Islandia Bezerra Universidade Federal do `Paraná

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-2020-54371

Palavras-chave:

Soberania, Segurança alimentar e nutricional, PANC, Agroecologia

Resumo

Soberania Alimentar é compreendida como sendo o direito dos povos de definir suas próprias políticas voltadas aos sistemas alimentares (produção, distribuição, comercialização, acesso, consumo e aproveitamento biológico), bem como protegê-lo e regulamentá-lo sob a ótica da sustentabilidade. Nesse sentido, a produção de alimentos agroecológicos em sinergia com a natureza possibilita o resgate de práticas sobre o que produzir e o que comer. O cenário que se desenhou foi o resgate de práticas de produção-consumo das Plantas Aimentícias Não Convencionais (PANC) como ponto central de problematização. Neste relato de experiência, refletimos sobre soberania alimentar a partir de distintas dimensões. Assim, temas como a participação das mulheres no cotidiano alimentar, as PANC como impulsionadoras da sociobiodiversidade e o resgate da alimentação tradicional e saudável inspiraram o debate. Para tanto, foi realizado um breve levantamento teórico sobre os temas e, na sequência, foi realizada uma Roda de Conversa. Evidenciou-se, portanto, que os temas abordados despertaram um grande interesse por parte do público participante, sobretudo pela possibilidade de concretizar a soberania alimentar no cotidiano das suas famílias, reconhecendo, ao mesmo tempo, a necessidade de transformar as relações sociais, em relação às mulheres, por exemplo, e também com a natureza, fomentando, assim, a agroecologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Érika Maria Marcondes Tassi, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Ciência da Nutrição pela Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil;  professora associada da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia,  Minas Gerais, Brasil; membro do Núcleo de Estudos em Agroecologia e Produção Orgânica (NEA) no Centro de Incubação de Empreendimentos Populares Solidários (Cieps/PROEXC/UFU).

Islandia Bezerra, Universidade Federal do `Paraná

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil, com estágio pós-doutoral em Ciências e Desenvolvimento Regional na Universidade Autónoma de Chapingo, México; professora associada do Departamento de Nutrição da Universidade Federal do Paraná, Brasil; educadora voluntária na Escola Latino Americana de Agroecologia (ELAA);  coordenadora do Grupo de Pesquisa moNGARU (alimentar): Agreocologia, Soberania Alimentar e Cultura no Paraná; membro do Fórum Estadual de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional do Paraná (FESSAN/PR); da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (RPSSAN) e do Grupo de Trabalho Agroecología Política CLACSO;  presidenta da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA).

Referências

BAKER H. G. Charcteristics and modes of origin of weeds. In: Baker H. G., STEBBINS, G. L. (ed.). The genetics of colonizing species. New York: Academic Press; 1965. p. 147-172. Doi: 10.1146/annurev.es.05.110174.000245.

BAKER H. G. The evolution of weeds. Annual Review of Ecology and Systematics, v. 5, p. 1-24, 1974.

BRASIL. Decreto nº 7.794, de 20 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 ago. 2012.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo. Manual de hortaliças não convencionais. Brasília: MAPA; 2010.

BRANDÃO M. et al. Novos enfoques para plantas consideradas daninhas. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 11, n. 129, p. 3-12, 1985.

DÍAZ-BETANCOURT, M. et al. Weeds as a source for human consumption: a comparison between tropical and temperate Latin America. Revista Biológica Tropical, San Jose, v. 46, n. 3, p. 329-338, set. 1999.

ESTEVE, E. V. O negócio da comida: quem controla nossa alimentação? São Paulo: Expressão Popular, 2017.

FAO. El estado mundial de la agricultura y la alimentación. Roma: FAO, 2009. Disponível em: http://www.fao.org/3/i0680s/i0680s.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

FERMENT, G.; ZANONI, M.; NODARI, R. O. Estudo de caso: sojas convencionais e transgénicas no planalto de Rio Grande do Sul. Brasil: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2010.

GIORDANI, R.; BEZERRA, I.; ANJOS, M. Semeando agroecologia e colhendo nutrição: rumo ao bem e bom comer. In: IPEA. A política nacional de agroecologia e produção orgânica no Brasil: uma trajetória de luta pelo desenvolvimento rural sustentável. Brasília: IPEA, 2017. p. 433-454.

KINUPP, V. F. Plantas alimentícias não convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre, RS. 2007. 590 f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) – Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

KUNKEL, G. Plants for human consumption: an annotated checklist of the edible phanerogams and ferns. Koenigstein: Koeltz Scientific Books, 1984.

LADIO, A. Malezas exóticas comestibles y medicinales utilizadas em poblaciones del noroeste patagônico: aspectos etnobotánicos y ecológicos. Boletín Latinoamericano y del Caribe de Plantas Medicinales y Aromáticas, v. 4, n. 4, p. 75-80, julio 2005.

MARIN. J. O. B. Agricultores familiares e os desafios da transição agroecológica. Revista UFG, Goiânia, Ano XI, n. 7, p. 38-45, dez. 2009.

MEGADIVERSIDADE. Disponível em: http://www.conservation.org/global/brasil/publicacoes/Documents/Megadiversidade_desafios_cientificos.pdf. Acesso em: 20 jan. 2020.

MIRANDA, M. R. M. et al. O potencial da Ora-pro-nóbis na diversificação da produção agrícola. Revista Brasileira de Agroecologia, Curitiba, v. 4, n. 2, p. 3.350-3.354, 2009.

PARYLAK, D. Uptake of nutrients by weeds and winter triticale at different development stages. Rolniczej W. Szczecinie Rolnictwo, v. 58, p. 185-188, 1994.

QASEN, J. R. Nutrient accumulation by weeds and their associated vegetable crops. Journal of Horticultural Science and Biotechnology, v. 67, p. 189-195, 1992. Doi: 10.1080/00221589.1992.11516236.

QUEIROZ, C. R. A. A. et al. Ora-pro-nóbis em uso alimentar humano: percepção sensorial. Revista Verde, Pombal, v. 10, n. 3, p. 1-5, 2015. Doi: 10.18378/rvads.v10i3.3393.

RAPOPORT, E. H.; MARGUTTI, L. S.; SANZ, E. H. Plantas silvestres comestibles de la Patagonia Andina: Exóticas. v. I. Bariloche. Ediciones de Imaginaria, 1997.

RAPOPORT E. H.; SANZ, E. H.; LADIO, A. H. Plantas Silvestres comestibles de la Patagonia Argentino-Chilena: Exóticas. v. II. Bariloche. Ediciones de Imaginaria, 2001.

REZENDE, S. A. Diálogo de saberes no encontro de culturas: o desafio da construção do conhecimento em agroecologia na educação do campo. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

STOPPELLI, I. M. B. S.; MAGALHAES C. P. Saúde e segurança alimentar: a questão dos agrotóxicos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, suppl. 0, set./dez. 2005. Doi: 10.1590/S1413-81232005000500012.

TARDIN, J. M. Diálogo de saberes no encontro de culturas: sistematização. Lapa, 2006 [mimeo].

VIA CAMPESINA INTERNACIONAL. Declaración final del Foro Mundial Sobre Soberanía Alimentaria. 2001. Disponível em: http://www.movimientos.org/cloc/show_text.php3?key=1178. Acesso em: 20 jan. 2020.

Downloads

Publicado

01-05-2020

Como Citar

TASSI, Érika M. M. .; BEZERRA, I. . A soberania alimentar que desperta e aprofunda os saberes em direitos por terra, por comida de verdade e por igualdade de gênero. Revista Em Extensão, Uberlândia, p. 42–52, 2020. DOI: 10.14393/REE-2020-54371. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/54371. Acesso em: 25 maio. 2024.