Grupos operativos com agentes comunitárias de saúde

experiências com o Programa de Educação pelo Trabalho

Autores

  • Jokasta Sousa Rocha Universidade Federal de Uberlândia http://orcid.org/0000-0002-9825-8602
  • Ana Beatriz Carrijo Rodrigues Universidade Federal de Uberlândia
  • Bruna Borges Macedo Universidade Federal de Uberlândia
  • Lucas Alves Mendes Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-v15n22016_rel06

Palavras-chave:

Doença crônica, Estratégia saúde da família, Vigilância em saúde, SUS

Resumo

O relato apresenta uma experiência de extensão realizada em uma Unidade de Atenção Primária à Saúde da Família (UAPSF), em agosto de 2014, com o objetivo de disseminar informações para a comunidade sobre a adoção de um estilo de vida saudável como fator preventivo das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). Foram desenvolvidos grupos operativos em dois encontros com as agentes comunitárias de saúde (ACS), abordando como temática os fatores de risco modificáveis comuns às principais DCNT, como inatividade física, alimentação não saudável, distúrbios do sono e estresse. O resultado das atividades desenvolvidas foi positivo, uma vez que as participantes relataram ter adquirido novos conhecimentos sobre as DCNT, se interessaram pelos termos abordados e puderam vivenciar momentos de aprendizagem que serão de grande importância na sua atuação na comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jokasta Sousa Rocha, Universidade Federal de Uberlândia

Graduanda em Nutrição, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Brasil.

Ana Beatriz Carrijo Rodrigues, Universidade Federal de Uberlândia

Graduada em Nutrição, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Bruna Borges Macedo, Universidade Federal de Uberlândia

Graduanda em Nutrição, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Lucas Alves Mendes, Universidade Federal de Uberlândia

Graduado em Gestão em Saúde Ambiental, Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Referências

AMERICAN Institute for Cancer Research. Policy and action for cancer prevention: food, nutrition and physical activity, Washington, v. 10, p. 24, 2010. Disponível em: <http://www.aicr.org/assets/docs/pdf/advocacypapers/WCRF_Policy_US_Summary_final.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2016.

ARA

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

_____. Ministério da Saúde. Portal do Departamento de Atenção Básica. Estratégia Saúde da Família. Agente Comunitário de Saúde. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_esf. php?conteudo=agente_comunitario_saude>. Acesso em: 13 nov. 2016.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia prático do agente comunitário de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. (Série E. Legislação em Saúde).

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Protocolos do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Guia alimentar para população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. (Série G. Estatística e Informação em Saúde). Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_2010.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2016.

CUFFEE, Y. et al. Psychosocial risk factors for hypertension: an update of the literature. Current Hypertension Reports, Birmingham, v. 16, n. 483, p. 1-11, Aug. 2014. Disponível em: <http://link.springer. com/10.1007/s11906-014-0483-3>. Acesso em: 17 nov. 2016.

GALLICCHIO, L.; KALESAN, B. Sleep duration and mortality: a systematic review and meta-analysis. Journal of Sleep Research, Malden, v. 18, n. 2, p. 148-158, Jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2016.

KNUTSON, K. L. Sleep duration and cardiometabolic risk: a review of the epidemiologic evidence. Best Practice & Research Clinical Endocrinology & Metabolism, v. 24, n. 5, p. 731-743, Out. 2010. Disponível em: <http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S1521690X10000680>. Acesso em: 17 nov. 2016.

MALTA, D. C. et al. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiologia e serviços de saúde, Brasília, v. 23, n. 4, p. 599-608, out./dez. 2014. Disponível em: <http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742014000400002&lng=en&nrm=iso&tln g=en>. Acesso em: 17 nov. 2016.

OMRAN, A. R. The epidemiologic transition: a theory of the epidemiology of population change. The milbank quarterly, Malden, v. 83, n. 4, p. 731-757, Dec. 2005. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2016.

PRATA, P. R. Uneven development and the inequality of mortality in Brazil. 1989. Dissertação (Mestrado)

SCHMIDT, M. I. et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. The Lancet, London, v. 377, n. 9781, p. 1949-1961, May 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2016.

SILVA, L. S. da; COTTA, R. M. M.; ROSA, C. de O. B. Estratégias de promoção da saúde e prevenção primária para enfrentamento das doenças crônicas: revisão sistemática. Revista Panamericana de Salud Pública, Washington, v. 34, n. 5, p. 343

WHO. The world health report 2002: reducing risks, promoting healthy life. Education for health, Abingdon, v. 16, n. 2, p. 230, Jul. 2003.

WHO. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva: WHO, 2011. Disponível em: <http://www.who.int/nmh/ publications/ncd_report_full_en.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2016.

Downloads

Publicado

2017-02-23

Como Citar

ROCHA, J. S.; RODRIGUES, A. B. C. .; MACEDO, B. B. .; MENDES, L. A. . Grupos operativos com agentes comunitárias de saúde: experiências com o Programa de Educação pelo Trabalho. Revista Em Extensão, Uberlândia, MG, v. 15, n. 2, p. 152–163, 2017. DOI: 10.14393/REE-v15n22016_rel06. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/35962. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Relatos de Experiência