A inserção do palhaço no ambiente hospitalar: experiências de um projeto de extensão

Autores

  • Daniel Dias Cruz UNIVASF

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-v15n12016_rel06

Palavras-chave:

Projeto de extensão. Humanização da assistência. Terapia do riso.

Resumo

O projeto de extensão "Unidade de Palhaçada Intensiva" trabalha, de forma interdisciplinar, o fenômeno do adoecimento e da internação hospitalar, propondo a humanização dos serviços de saúde por meio da atuação do clown. O projeto conta com discentes de diversos cursos que fazem formação de 48 horas em técnicas de clown e atuam em três hospitais públicos do Vale do São Francisco. Após as atuações, é publicado um diário de bordo no blog do projeto, de forma que as frequências são contabilizadas e as experiências compartilhadas. O clown, que se traduz por palhaço, significa torpe, rude e, com aspectos ingênuos, faz o público rir, diferente do palhaço circense, que ensaia e apresenta um espetáculo. Ele interage com usuários e cuidadores, sejam profissionais ou acompanhantes, e possibilita um ambiente acolhedor e empoderador ao sujeito que está internado e afastado de autonomia pessoal, colaborando com os princípios da Política Nacional de Humanização. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Dias Cruz, UNIVASF

Discente do curso de enfermagem da UNIVASF, membro voluntário do projeto Unidade de Palhaçada Intensiva.

Referências

BRASIL. Política Nacional de Humanização. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília-DF, 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf>. Acesso em: 2 ago. 2015.

EXUP

KASPER, K. M. O que pode um corpo? Pro-Posições, Campinas, v. 20, n. 3, p. 199-213, set./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 3 ago. 2015.

LEITE, M. F. et al. Extensão popular na formação profissional em saúde para o SUS: refletindo uma experiência. Interface Comunicação Saúde Educação, Botucatu, v. 18, supl. 2, p. 1569-1577, dez. 2014. Disponível em: <http://www.scielosp.org/pdf/icse/v18s2/1807-5762- icse-18-s2-1569.pdf> Acesso em: 3 ago. 2015.

MATRACA, M. V. C.; WIMMER, G.; JORGE, T. C. A. de. Dialogia do riso: um novo conceito que introduz alegria para a promoção da saúde apoiando-se no diálogo, no riso, na alegria e na arte da palhaçaria. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n.10, p. 4127-4138, out. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ csc/v16n10/a18v16n10.pdf> Acesso em: 3 ago. 2015.

PIRES, C. G. S. et al. Unidade de Palhaçada Intensiva: a palhaçoterapia no Vale do São Francisco. Extramuros, Petrolina, v. 3, n. 1, jun. 2015. Disponível em: <http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/ extramuros/article/viewFile/699/418>. Acesso em: 3 ago. 2015.

TAKAHAGUI, F. M. et al. MadAlegria: estudantes de medicina atuando como doutores-palhaços: estratégia útil para humanização do ensino médico? Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 38, n. 1, p. 120-126, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbem/v38n1/16.pdf>. Acesso em: 3 ago. 2015.

SEOANE, A. F.; FORTES, P. A. C. de. Percepção de médicos e enfermeiros de unidades de assistência médica ambulatorial sobre humanização nos serviços de saúde. Saúde Soc., São Paulo, v. 23, n. 4, p. 1408-1416, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v23n4/0104-1290-sausoc-23-4-1408.pdf>. Acesso em: 3 ago. 2015.

Downloads

Publicado

2016-07-25

Como Citar

DIAS CRUZ, D. A inserção do palhaço no ambiente hospitalar: experiências de um projeto de extensão. Revista Em Extensão, Uberlândia, MG, v. 15, n. 1, p. 133–140, 2016. DOI: 10.14393/REE-v15n12016_rel06. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/31110. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Relatos de Experiência