Políticas linguísticas

Entre a Moçambicanidade e a Portugalidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v35nEsp2019-3

Palavras-chave:

Moçambique. Políticas Linguísticas. Estado-Nação. Cultura. Identidade

Resumo

Analisamos, neste artigo, as políticas linguísticas de Moçambique a partir da sua história e da colonização portuguesa até a independência nacional, formação e consolidação do Estado-Nação, tendo como pressuposto o fato de que a diversidade linguística e cultural representada pelas línguas autóctones foi invisibilizada no período da colonização portuguesa e no pós-independência, em 1975, com a justificativa de que colocavam em causa os esforços da integração da população para a sua dominação, administração e consolidação da unidade nacional, da integridade territorial e do Estado-Nação. Entende-se, assim, que as políticas linguísticas de Moçambique resultaram da interface entre a herança colonial universalista/hegemônica e o desafio de construir a unidade na diversidade como estratégia de aprofundamento do pertencimento a uma sociedade plural, fazendo com que a independência política alcançada não tenha significado a independência linguística em virtude de que no país prevalece a norma-padrão do Português Europeu como regulador dos usos da língua portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilídio Enoque Alfredo Macaringue, Universidade Estadual do Oeste do Parana (UNIOESTE)

Doutorando em Sociedade, Cultura e Fronteiras na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus de Foz do Iguaçu

Maria Elena Pires-Santos, Universidade Estadual do Oeste do Parana (UNIOESTE)

Professora Sênior dos Programas de Pós-Graduação em Letras, em Sociedade Cultura e Fronteiras e Profletras/UNUIOESTE/PR.

Referências

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das letras, 2008.

BACK, E. Fracasso do ensino de Português: proposta de solução. Petrópolis: Vozes, 1987.

BAUER, O. A nação. In: BALAKRISHNAN, G. (Org.). Um mapa da questão nacional. Rio de Janeiro: Contraponto Editora, 1996. cap. 4.

BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BOURDIEU, P. A economia das trocas linguísticas. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2008.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

CALVET, L. As políticas linguísticas. São Paulo: IPOL/Parábola, 2002.

CANCLINI, N. G. Diferentes, desiguais e desconectados. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

CASTIANO, J. P.; NGOENHA, S. E.; BERTHOUD, G. A longa marcha duma “Educação para Todos” em Moçambique. 2. ed. Maputo: Imprensa Universitária, 2006.

CABAÇO, J. L. O. Moçambique: identidades, colonialismo e libertação. 2007. 475f. Doutorado (Tese em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. 10.11606/T.8.2007.tde-05122007-151059

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O sétimo momento: deixando o passado para trás. In: DENZIN, N.; K.; LINCOLN, Y. S. (Org.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

EAGLETON, T. Ideologia. São Paulo: Universidade Estadual Paulista/Editora Boitempo, 1997.

ELIAS, N. Os alemães: a luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

FANON, F. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2005.

FIRMINO, G. A “Questão linguística” na África pós-colonial: o caso do Português e das línguas autóctones em Moçambique. Maputo: Texto Editores, 2006.

FIRMINO, G. Situação linguística de Moçambique. Dados do II recenseamento geral da população e habitação de 1997. Maputo: INE, 2001.

GERGEN, M. M; GERGEN, K. J. Investigação qualitativa. Tensões e transformações. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 367-387.

GARMADI, J. Introdução à sociolinguística. Lisboa: Dom Quixote, 1983.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP & A Editora, 2006.

HALL, S. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 103-133.

HOBSBAWN, E. Nações e nacionalismo desde 1780. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

KLEIMAN, A. B. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. da (Org.). Linguística Aplicada na modernidade recente. São Paulo: Parábola, 2013.

LOURENÇO, E. Portugal como destino seguido de mitologia da saudade. Lisboa: Gradiva, 2012.

MACHEL, S. Consolidemos aquilo que nos une. Reunião da direção do Partido e do Estado com os representantes das confissões religiosas. 14 a 17 de dezembro, 1982. Coleção Unidade Nacinal. Maputo: Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1983.

MAZULA, B. Educação, cultura e ideologia em Moçambique. Maputo: Afrontamento e Fundo Bibliográfico da Língua Portuguesa, 1995.

MOITA LOPES, L. P. Gênero, sexualidade, raça em contexto de letramentos escolares. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Linguística Aplicada na modernidade recente. São Paulo: Parábola, 2013a. cap. 10, p. 227-247.

MONDLANE, E. Lutar por Moçambique. Maputo: CEA, 1995.

MOÇAMBIQUE. Imprensa Nacional. Boletim da República, n. 1, I série. Maputo, 1974.

MOÇAMBIQUE. Assembleia Popular. Constituição da República de Moçambique de 1975. Maputo, 1975.

MOÇAMBIQUE. Da República. Constituição da República de Moçambique de 1990. Maputo, 1990.

MOÇAMBIQUE. Assembleia da República. Constituição da República de Moçambique de 2004. Maputo, 2004.

MOÇAMBIQUE. Assembleia da República. Lei 6/92 de 6 de maio de 1992.

PENNYCOOK, A. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 67-84.

PINTO, J. P. Prefiguração identitária e hierarquias linguísticas na invenção do português. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Linguística Aplicada na modernidade recente. São Paulo: Parábola, 2013a. cap. 4, p. 120-143.

RAJAGOPALAN, K. O conceito de Identidade em lingüística: é chegada a hora de uma consideração radical? In: SIGNORINI, I. (Org.). Língua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. São Paulo: Mercado de Letras, 1998. p. 21-45.

RENAN, E. O que é uma nação? Plural; Sociologia, 1° sem. São Paulo: USP, 1997.

SARUP, M. Identify. Culture and the postmoder world. Endiburg: University Press, 1996.

SANTOS, G. D. A Escola de Antropologia de Coimbra 1885-1950. Lisboa: ICS, 2005.

SILVA, T. T. Identidade e diferenças: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

VELHO, G. Individualismo e cultura: notas para um a antropologia da sociedade contemporânea. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1987.

Downloads

Publicado

2019-10-23

Como Citar

MACARINGUE, I. E. A.; PIRES-SANTOS, M. E. Políticas linguísticas: Entre a Moçambicanidade e a Portugalidade. Letras & Letras, [S. l.], v. 35, n. especial, p. 53–74, 2019. DOI: 10.14393/LL63-v35nEsp2019-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/49491. Acesso em: 20 maio. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)