O romance de formação da professora: contribuições da literatura para pensar a História da Educação

Conteúdo do artigo principal

Patrícia Aparecida do Amparo
https://orcid.org/0000-0003-1283-0901
Renata Marcílio Cândido
https://orcid.org/0000-0002-8032-881X
Ana Laura Godinho Lima

Resumo

Este artigo investiga os processos de formação docente descritos em dois livros publicados na primeira metade do século XX, a saber: “O calvário de uma professora”, de Dora Lice, e “Clarissa”, de Érico Veríssimo. Investe-se na leitura desses livros como romances de formação que ao apresentarem as personagens-professoras em diferentes circunstâncias, escolares e não escolares, permitem identificar os complexos processos que constroem suas identidades profissionais. As temáticas relacionadas à escolha profissional das protagonistas, as questões de gênero presentes nos enredos das obras, assim como os usos potenciais das obras literárias para tratar dos temas da história da educação brasileira, incluindo a história da escola, da profissão docente, e os embates entre o método tradicional e as ideias renovadas de ensino constituem eixos articuladores da análise aqui proposta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Amparo, P. A. do ., Cândido, R. M. ., & Lima, A. L. G. . (2022). O romance de formação da professora: contribuições da literatura para pensar a História da Educação. Cadernos De História Da Educação, 21(Contínua), e076. https://doi.org/10.14393/che-v21-2022-76
Seção
Dossiê 1 - Contribuições da literatura para a História da Educação
Biografia do Autor

Patrícia Aparecida do Amparo, Universidade de São Paulo (Brasil)

https://orcid.org/0000-0003-1283-0901 
http://lattes.cnpq.br/9039499699404230  
patricia.amparo@usp.br  

Renata Marcílio Cândido, Universidade Federal de São Paulo (Brasil)

https://orcid.org/0000-0002-8032-881X 
http://lattes.cnpq.br/9931089607245261 
renata.candido@unifesp.br 

Ana Laura Godinho Lima, Universidade de São Paulo (Brasil)

https://orcid.org/0000-0003-4154-0858 
http://lattes.cnpq.br/4941128584192341 
alglima@usp.br 

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

BASTOS, Maria Helena Camara; CUNHA, Maria Teresa Santos. Olhai o que o Tempo não Levou. A Literatura de Érico Verissimo. In GONÇALVES, Robson Pereira (org.) O Tempo e o Vento: 50 anos. Santa Maria, RS: UFSM; Bauru, SP: EDUSC, 2000.

BASTOS, Maria Helena Camara; STEPHANOU, Maria. Infância, Higiene & Educação. Trabalho Apresentado na 28ª. Reunião da ANPEd (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação) GT 02 – História da Educação. Caxambu, MG, 2005.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Editora Cultrix, 1997.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência – por uma sociologia clínica do conhecimento científico. São Paulo: Unesp, 2004.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Morais; AMADO, Janaina. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1998, p. 183-191.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A escola e a república. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CATANI, Denice Barbara; BUENO, Belmira Amélia Oliveira; SOUSA, Cynthia Pereira; SOUZA, Maria Cecilia Cortez (org.) Docência, Memória e Gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras Editora, 1997.

FERREIRA, António; GONDRA, José. Idades da vida, infância e a racionalidade médico-higiênica em Portugal e no Brasil (séculos 17-19). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v.87, n.216, 2006, p.119-134. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.87i216.789

FREIRE, Maria Martha de Luna. ‘Ser mãe é uma ciência’: mulheres, médicos e a construção da maternidade científica na década de 1920. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.15, supl., p.153-171, jun. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702008000500008

GALLEGO, Rita de Cássia. Uso(s) do tempo: a organização das atividades de alunos e professores nas escolas primárias paulistas (1890-1929). Dissertação de Mestrado. São Paulo: FEUSP, 2003.

KÜTTER, C. A. Bildungsroman feminino: uma leitura de Balada de amor ao vento, de Paulina Chiziane. Literatura e Sociedade, v.23, n.27, p.196-216, 2018. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ls/article/view/148543. Acesso em: 14 maio 2021. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i27p196-216

LUKÁCS, Gerg. A teoria da romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. São Paulo: Duas cidades;Editora 34, 2000.

LICE, Dora. O calvário de uma professora. São Paulo: Estabelecimento Gráfico Irmãos Ferraz, 1928.

MANIFESTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA (1932). Fernando de Azevedo (et al.) Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

MORAES, Dislane Zerbinatti. Literatura, memória e ação política: uma análise de romances escritos por professores paulistas. Dissertação de Mestrado. São Paulo: FEUSP, 1996.

MORAES, Dislane Zerbinatti. Violeta Leme Fonseca (Dora Lice): a biografia de uma professora a contrapelo do seu legado literário. In: Mulheres inovadoras no ensino: (São Paulo, séculos XIX e XXI). Belo Horizonte: Fino Traço, 2019.

MORAIS, Roselusia Teresa Pereira de. Representações da docência em romances de Érico Veríssimo: a personagem Clarissa. 2010. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade na Primeira República. São Paulo: EPU/Edusp, 1976.

NÓVOA, A. Para o estudo sócio-histórico da gênese e desenvolvimento da profissão docente. Teoria & Educação.n.4, p.109-139, 1991.

PINTO, Cristina Ferreira. O Bildungsroman feminino: quatro exemplos brasileiros. São Paulo: Perspectiva, 1990.

QUEIROZ, Rachel de; QUEIROZ, Maria Luíza de. Tantos anos. 4ª. ed., São Paulo: Arx, 2004.

SANTOS, Donizeth. O projeto literário de Érico Verissimo. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Brasília. n.44. p.331-363, jul./dez., 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/2316-40184416

SCHEFFLER, Israel. A linguagem da educação. BARBOSA FILHO, Balthazar (trad.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1974.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SOUZA, Rosa Fátima. Templos de Civilização: A Implantação da Escola Primária Graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

TANURI, Leonor. “História da formação de professores”. Revista Brasileira de Educação, no. 14, mai/ago. 2000, p. 61-88.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

TEIXEIRA, Anísio. A pedagogia de Dewey. Estudo introdutório. IN:DEWEY, John. Vida e Obra. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1965.

VERÍSSIMO, Érico. Caminhos cruzados. São Paulo: Companhia de Bolso, 2019.

VERÍSSIMO, Érico. Saga. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

VERÍSSIMO, Érico. Música ao longe. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

VERÍSSIMO, Érico. Clarissa. Porto Alegre: Editora Globo, 1976.

VERÍSSIMO, Érico. Um lugar ao sol. Porto Alegre: Editora Globo, 1976.

VIDAL, Diana Gonçalves. 80 anos do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova: questões para debate. Educação e Pesquisa [online]. 2013, vol.39, n.3, pp.577-588. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022013005000007

VIDAL, Diana Gonçalves. Escola Nova e processo educativo. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive (Orgs.) 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

ZILBERMAN, Regina. “Literatura e história da educação: representações do professor na ficção brasileira”. História da Educação ASPHE/FaE/UFPel. Pelotas, no. 15, 2004, p. 73-87.