Uma mala, um arquivo: escritas ordinárias em cadernos de usos não escolares

Conteúdo do artigo principal

Vania Grim Thies
http://orcid.org/0000-0002-6169-067X

Resumo

A guarda da memória familiar é destinada às mulheres, salvo raras exceções. Os arquivos pessoais, com seus objetos em diferentes suportes, são reveladores de sociabilidades e sensibilidades dos rastros cotidianos. Nesse sentido, o presente artigo tem como objetivo analisar o arquivo pessoal de uma mulher com pouca escolarização, de modo a compreender os registros escritos como suporte de memória. Trata-se de uma pessoa comum que registrou contas, escreveu listas de nomes e sobrenomes, acontecimentos regionais, nacionais e mundiais, além de outras coisas. Foram analisados seis cadernos de usos não escolares que compõem temporalidades distintas entre os anos 1946 a 2012, trazendo os registros de traços do vivido no cotidiano rural por meio da escrita ordinária. A discussão teórica e metodológica está ancorada nos pressupostos da História Cultural e traz contribuições à História da Educação e à História do Tempo Presente por meio dos registros efêmeros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Thies, V. G. . (2021). Uma mala, um arquivo: escritas ordinárias em cadernos de usos não escolares. Cadernos De História Da Educação, 20(Contínua), e047. https://doi.org/10.14393/che-v20-2021-47
Seção
Dossiê - Traços que deixam traços: arquivos pessoais no tempo presente
Biografia do Autor

Referências

ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.11, n. 21, p. 9-34,1998.

BAHIA, Joana. O tiro da Bruxa: identidade, magia e religião na imigração alemã. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

CUNHA, Maria Teresa Santos. (Des)arquivar: arquivos pessoais e ego-documentos no tempo presente. 1 ed. São Paulo: Florianópolis: Rafael Copetti Editor, 2019.

CUNHA, Maria Teresa Santos. Territórios abertos para a História. In: PINSKY, Carla Bassanezi, DE LUCA, Tânia Regina (Org.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, p. 252-279, 2013.

CHARTIER. Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

DOSSE, François. História do tempo presente e historiografia. Tempo e Argumento. Florianópolis, v.4, n.1, p.5–22, jan/jun. 2012. DOI: https://doi.org/10.5965/2175180304012012005.

ECO, Umberto. A vertigem das listas. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2010.

FABRE, Daniel. Introduction. In: FABRE, Daniel (org.) Écritures ordinaires, Paris: Bibliothèque Publique D’Information (Centre Georges Pompidou), 1993.

HÉBRARD, Jean. Por uma bibliografia material das escrituras ordinárias: a escrita pessoal e seus suportes. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio, BASTOS, Maria Helena Camara, CUNHA, Maria Teresa Santos (Org.). Refúgios do eu: educação, história, escrita autobiográfica. Florianópolis: Mulheres, p. 29-61, 2000.

GÓMEZ, Antonio Castillo. Das mãos ao arquivo. A propósito das escritas das pessoas comuns. Percursos, Florianópolis, v.4, n.1, p. 223-250, jul. 2003.

GÓMEZ, Antonio Castillo. Educação e cultura escrita: a propósito dos cadernos e escritos escolares. Educação, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 66-72, jan./abr. 2012.

KOSELLECK, Reinhard. O conceito de História. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

LEJEUNE, Philippe. O guarda-memória’. Estudos Históricos, v. 10, n. 19, p. 111-120, 1997.

PERROT, Michelle. Práticas da memória feminina. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 9, n. 18, p. 09-18, Ago/Set 1989.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru, SP: EDUSC, 2005.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

RÖLKE, Helmar Reinhard. Descobrindo raízes, Aspectos Geográficos, Históricos e Culturais da Pomerânia. Vitória: UFES. Secretaria de Produção e Difusão Cultural, 1996.

WEIDUSCHADT, Patrícia; TAMBARA, Elomar; Cultura escolar através da memória dos pomeranos na cidade de Pelotas, RS (1920-1930). Cadernos de História da Educação, v.13, n.2, p.687-704, 2014.