Industriar o professor: uma cartografia dos cinematógrafos no Brasil (1910 a 1930)

Conteúdo do artigo principal

Luani de Liz Souza
https://orcid.org/0000-0003-1668-1376
Vera Lucia Gaspar da Silva
https://orcid.org/0000-0003-2957-5708

Resumo

Este texto apresenta dados que caracterizam a presença (física e retórica) e a circulação do cinematógrafo na escola brasileira. A documentação consultada permite construir (ou reconstruir) parte de uma narrativa que enaltece a modernidade e o progresso na educação através da invenção, fabricação e comercialização de um conjunto de artefatos, entre eles o cinematógrafo. Da narrativa da modernidade, fomentada pelas Exposições Universais, às alianças entre o setor educativo e a indústria que descobre na escola um grande mercado, vai-se construindo um mapa que retrata a presença de indústrias e representantes comerciais bem como, do próprio objeto na escola. Não menos importante é a formulação do Instituto de Cinema Educativo, suas funções e atividades e às relações comerciais estabelecidas com as indústrias internacionais de cinematografia. A narrativa dos conteúdos escolares estaria assim balizada por interesses da indústria e seus aliados e porta-vozes que irão defender a necessidade de industriar o professor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Souza, L. de L. ., & Silva, V. L. G. da . (2021). Industriar o professor: uma cartografia dos cinematógrafos no Brasil (1910 a 1930). Cadernos De História Da Educação, 20(Contínua), e026. https://doi.org/10.14393/che-v20-2021-26
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Vera Lucia Gaspar da Silva, Universidade do Estado de Santa Catarina (Brasil)

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq
https://orcid.org/0000-0003-2957-5708
http://lattes.cnpq.br/8881750759405221
vera.gaspar.udesc@gmail.com

Referências

ALMEIDA, Avelino de. “Do cinema educativo. No Brasil também há alguma coisa” Revista Cinéfilo, Lisboa, 26.03.1932. (Texto cedido pela Professora Selda Vale da Costa – UFAM).

AUGRAS, M. In memoriam. Arquivos Brasileiros de Psicotécnica. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpt/article/download/15084/13976. Simpósio Internacional em homenagem a Henri Piéron (1881-1964) quinquagésimo aniversário da sua morte, 2014. Disponível em: https://f.hypotheses.org/wp-content/blogs.dir/504/files/ 2014/05/COLLOQUE-PIERON-Version-en-Portugais.pdf. Acesso em 28 de jul. de 2017.

BOTELHO, André. Um antropólogo sem qualidades. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 24, Nº 70, São Paulo, 2009. [p.172-175]. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092009000200012.

BRASIL, Atlas do Brazil (pub.1923) pelo Barão Homem de Mello e pelo Dr. Francisco Homem de Mello. Disponível:. Acesso em: 27 de jul. 2017.

BRASIL, Decreto nº 1606, de 29 de dezembro de 1906 – Criava o Ministério dos Negócios da Agricultura, Indústria e Comércio.

BRASIL, Decreto nº 7.501 de 12 de agosto de 1909.

BRASIL, Decreto nº 7.862, de 9 de fevereiro de 1910.

BRASIL, Decreto Nº 9.211, de 15 de dezembro de 1911.

BRASIL, Diário Oficial da União de 13.09.1916.

BRASIL, Diário Oficial da União de 20.12.1929.

BRASIL, Diário Oficial da União de 31.10.1916.

BRASIL, Lei nº 359 de 31 de dezembro de 1895.

BRASIL, Relatório do Ministério dos Negócios da Agricultura, Indústria e Comércio (1912-1913). Disponível em: . Acesso em: 25 de jul. de 2017.

BRUZZO, Cristina. Filme "Ensinante": o interesse pelo cinema educativo no Brasil. Pro-Posições, v. 15, n. I (43) - jan./abr. 2004. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/43-artigos-bruzzoc.pdf. Acesso em: 26 de jul. de 2017.

Cartaz de divulgação do Globo Celeste da Exposição Universal de 1900 – Paris. Biblioteque Numérique Gallica - Grand globe céleste. Exposition Universelle de 1900 / [affiche]/ [non identifié].1900.) Disponível em: http://www.gallica.bnf.fr. Acesso em: 26 de jul. de 2017

CENTOFANTI, R. Os laboratórios de psicologia nas escolas normais de São Paulo: o despertar da psicometria. Revista Psicologia da Educação, São Paulo, 22, 1º sem. de 2006. [pp. 31-52]. Sistema Informativo Unificato per le Soprintendenze Archivistiche. Disponível em: ;
Cinema-scolaire-électric (Georges Mendel). Disponível em: http://cinematographes.free.fr/mendel.html. Acesso em: 25 de jul. de 2017.

CONDÉ, William N. Marc Ferrez & Filhos: Comércio, distribuição e exibição nos primórdios do cinema brasileiro (1905-1912). Programa de Pós-graduação em Comunicação (Dissertação). Rio de Janeiro, 2012.

Des trottoirs roulants, préfiguraient, croyait-on, la ville de l'avenir. Disponível em: http://www.parisenimages.fr/fr. Acesso em: 25 de jul. de 2017.

Écran Projeção Irmãos Lumière. Exposição Universal 1900. Disponível em: . Acesso em: 26 de jul. de 2017.

FOSTER, Lila. Apontamentos para um estudo sobre a Pathé-Baby no Brasil. XVIII SOCINE – O novíssimo cinema Latino-americano. Fortaleza, 2014.

FRANÇA. Catalogue Le Cinéma Électric Georges Mendel 1901 – 1910. Disponível em: http://cinematographes.free.fr/mendel.html. Acesso em: 25 de jul. de 2017.

FRANÇA. L’Illustration Française de 1855. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy. Exposições Universais: Espetáculos da Modernidade do Século XIX. São Paulo: Hucitec, 1997.

FRANÇA. Patente FR 444119, de 22 de maio de 1912. Disponível em: http://cinematographes.free.fr/doyen-444119.html. Acesso em: 26 de jul. de 2017.

GASPAR da SILVA, Vera Lucia; SOUZA, Gizele de. Objetos de utilidade prática para o Ensino Elementar: Museus Pedagógicos e Escolares em debate. In: IV Seminário Internacional de Cultura Material e Patrimônio de Ciência e Tecnologia, 2016, Rio de Janeiro. Anais do IV Seminário Internacional de Cultura Material e Patrimônio de Ciência e Tecnologia. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins, 2016. p. 259-278. Disponível em: http://site.mast.br/hotsite_anais_ivspct_2/pdf_02/16%20%2011%20Trabalho%20VeraGaspar%20e%20GizeleSouza.pdf. Acesso em: 25 de jul. de 2017.

III Congrès International D’Éducation Familiale. Expo 1910. Página (particular belga) sem fins lucrativos, que disponibiliza parte de um acervo pessoal. Disponível em: http://www.webring.org/l/rd?ring=collectpc;id=13;url=http%3A%2F%2Fusers%2Etelenet%2Ebe%2Fexpo1910%2F. Acesso em: 28 de jul. de 2017.

Inventores – Louis e Auguste Lumière e cinematógrafo. Disponível em: . Acesso em: 26 de jul. 2017.

Jornal do Recife. 11 de jun de 1914. Edição 00157. Disponível em: . Acesso em: 26 de jul. de 2017.

Kinetoscópio de Edison. Disponível em: . Acesso em: 25 de jul. de 2017.

“La tour Eiffel" Neurdein frères. Disponível em: . Acesso em: 26 de jul. de 2017.

Laboratório Experimental de Psicologia – Escola Caetano de Campos. Documentário da Drª Maria Antonieta Martinez Antonacci (Historiadora). Disponível em: . Acesso em: 26 de jul. 2017.

LIZ SOUZA, Luani (2016). O cinematógrafo entre os olhos de Hórus e Medusa: Uma memorabilia da educação escolar brasileira (1910 – 1960). Tese. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina - PPGE/UDESC.

Manetti, Daniela. Un'arma poderosissima. Industria cinematografica e Stato durante il fascismo (1922 – 1943). Milano, Editora Franco Angeli, 2012.

MARANHÃO, Decreto nº 1 de 1899, Regulamento da Escola Normal do Maranhão.

MEDA, Juri. A “história material da escola” como fator de desenvolvimento da pesquisa histórico-educativa na Itália. Revista Linhas. Florianópolis, v. 16, n. 30, p. 07 – 28, jan./abr. 2015. Título original: La «historia material de la escuela» como factor de desarrollo de la investigación histórico-educativa en Italia. Traduzido por Ademilde S. Sartori, com revisão técnica de Gizele de Souza e Vera Lúcia Gaspar da Silva.

MENDONÇA, Ana Waleska Pollo Campos. A emergência do Ensino Secundário Público no Brasil e em Portugal: Uma “História Conectada”. Revista Contemporânea de Educação. Vol. 8, n. 15, janeiro/julho de 2013.

MEYER, John W. Globalização e Currículo: Problemas para a Teoria em Sociologia da Educação. In: NÓVOA, António; SCHRIEWER, Jürgen (eds.). A Difusão Mundial da Escola. Lisboa: Educa, 2000.

MONARCA, Carlos. A Semiologia do escolar construída pelo Dr. Ugo Pizzoli (Itália-Brasil). In: VI Congresso Brasileiro de História da Educação. Invenções, Tradições e Escritas da História da Educação no Brasil. Vitória, UFES, 2011.

MONTEIRO, Ana Nicolaça. “O cinema educativo como inovação pedagógica na escola primária paulista (1933 – 1944)”, Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

O cinematographo nas escolas. Semanário Fon Fon – Edição 0015/ Abril de 1912. Disponível em: . Acesso em 25 de jul. de 2017.

Pathé - cinema educador. Jornal do Recife. 11 de jun de 1914. Edição 00157. Disponível em: . Acesso em: 26 de jul. de 2017.

Pathé "uma instituição carioca". Semanário Fon Fon Edição 0039 (1910). Disponível em: . Acesso em: 26 de jul. de 2017.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Exposições Universais: Espetáculos da Modernidade do Século XIX. São Paulo: Hucitec, 1997.

Poster for the Cineorama and Raoul Grimoin-Sanson: Cineorama 1900. Disponível em: .
Acesso em: 25 de jul. 2017.

ROSA, Cristina Souza da. Para além das fronteiras nacionais: Um estudo comparado entre os Institutos de Cinema Educativo do Estado Novo e do Fascismo (1925-1945). Niterói: Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, (Tese de Doutorado), 2008.

SÃO PAULO, Circular de Comunicação Nº 24, publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo, em 08 de novembro de 1933.

SERRANO, Jonathas e Venâncio Filho. Cinema e educação. São Paulo, Melhoramentos, 1930.

VALDEMARIN, Vera T. História dos métodos e materiais de ensino: a escola nova e seus modos de uso. São Paulo: Cortez, 2010.

VIDAL, Diana Gonçalves; GASPAR da SILVA, Vera Lucia. Por uma história sensorial da escola e da escolarização. Revista Linhas, Florianópolis, v. 11, n. 2, jul./dez. 2010, p. 29-45. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/2127. Acesso em: 17 jun. 2017.

VILLELA, Heloísa. Da palmatória à lanterna mágica: a Escola Normal da Província do Rio de Janeiro entre o artesanato e a formação profissional (1868-1876). Tese defendida em 2002, Universidade de São Paulo.