O processo civilizatório da infância pelo corpo: um pouco do que a História nos conta

Conteúdo do artigo principal

Nair Correia Salgado de Azevedo
https://orcid.org/0000-0003-2914-3278
José Milton de Lima
https://orcid.org/0000-0001-5519-2618

Resumo

A questão do cerceamento dos corpos infantis nas escolas, por meio da disciplinarização, leva-nos a refletir sobre quando e por que tais práticas pedagógicas baseadas nessa visão se tornaram ações dentro da “normalidade” e perduraram ao longo de décadas de escola pública no Brasil. Esse artigo parte do pressuposto de que muitas ações repressoras do lúdico, infelizmente, bastante comuns em muitos contextos escolares e que resultam numa disciplinarização corporal, são consequências de imposições históricas às crianças. É possível inferir que muitos eventos históricos contribuíram para que tais visões ainda prevaleçam no contexto escolar, o que consequentemente resulta em uma educação engessada e que tende a não valorizar as culturas lúdicas infantis presentes dentro das escolas. Importa pensarmos que, independente de imposições disciplinares corporais, nossas crianças continuam a produzir cultura – o que nos parece ser digno de novas discussões, é como podemos mudar concepções e práticas historicamentes adquiridas a respeito dessa temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Azevedo, N. C. S. de ., & Lima, J. M. de. (2020). O processo civilizatório da infância pelo corpo: um pouco do que a História nos conta. Cadernos De História Da Educação, 20(Contínua), e014. https://doi.org/10.14393/che-v20-2021-14
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Nair Correia Salgado de Azevedo, Universidade do Oeste Paulista (Brasil)

https://orcid.org/0000-0003-2914-3278
http://lattes.cnpq.br/0283353697981017
nairazevedo@hotmail.com

José Milton de Lima, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Brasil)

https://orcid.org/0000-0001-5519-2618
http://lattes.cnpq.br/7758444123838079
milton.lima@unesp.br

Referências

AGAMBEN, G. Infância e história. Destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014, 186 p.

ALTMAN, R.Z. Brincando na história. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010, p. 231 – 258.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar, 1978, 279 p.

BINZER, I. V. Os meus romanos. Alegrias e tristezas de uma educadora alemã no Brasil. Tradução: ROSSI, A.; CERQUEIRA, L. G. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011, 171 p.

CARVALHO, M.M. C. Quando a história da educação é a história da disciplina e da higienização das pessoas. In: FREITAS, M. C. (Org.). História Social da Infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 1997, p. 291 – 309.

CHAMBOULEYRON, R. Jesuítas e as crianças no Brasil quinhentista. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010, p. 49 – 74.

DEL PRIORE, M. História das crianças no Brasil. Apresentação. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010, p. 6 – 18.

DEL PRIORE, M. O cotidiano da criança livre no Brasil entre a colônia e o império. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010, p. 74 – 95.

ERIKSON, E. H. Infância e Sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, [S/D], 404 p.

FEIXA, C. Tarzan, Peter Pan, Blade Runner: relatos juvenis na era global. In: PAIS, J. M.; BENDIT, R.; FERREIRA, V. S. (Orgs). Jovens e rumos. Imprensa de ciências sociais. Lisboa, 2011, p. 203 – 222.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. História das violências nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1987, 280p.

FREIRE, J. B. Uma pedagogia lúdica. In: ARANTES, V. A. (Org.). Humor e alegria na educação. São Paulo: Summus, 2006, p. 127 – 149.

GAGNEBIN, J. M. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2013, 114p.

GOIS JÚNIOR, E.; BATISTA, J. C. F. A introdução da gymnastica na escola normal de São Paulo (1890 – 1908). Movimento, Porto Alegre, v.16, n.3, p.71-87, Jul./Set. 2010. https://doi.org/10.22456/1982-8918.11491

GOMES-DA-SILVA, P. N. Cultura corporal burguesa. História e sistematizações pedagógicas. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2012, 347p.

KOHAN, W. O. Infância. Entre educação e filosofia. Belo Horizonte: Autêntica, 2003, 263p.

KUHLMANN JR., M. Infância e educação infantil. Uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998, 210p.

KUHKMANN JR., M. Relações sociais, intelectuais e educação da infância na história. In: SOUZA, G. Educar na infância: perspectivas histórico-sociais. São Paulo: Contexto, 2010, p.81-97.

LEITE, M. L. M. A infância no século XIX segundo memórias e livros de viagem. In: FREITAS, M. C. (Org.). História Social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 1997, p.19-52.

MARCILIO, M. L. De criança a escolar. In: SOUZA, G. Educar na infância: perspectivas histórico-sociais. São Paulo: Contexto, 2010, p.41-65.

MONARCHA, C. Arquitetura escolar republicana: a escola normal da praça e a construção de uma imagem de criança. In: FREITAS, M. C. (Org.). História Social da Infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 1997, p.101-140.

MOURA, E. B. B. Crianças operárias na recém-industrializada São Paulo. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010, p. 259 – 288.

RIBEIRO, R. J. O poder de infantilizar. In: GHIRALDELLI JÚNIOR, P. (Org.). Infância, escola e modernidade. Curitiba, Cortez, 1997, p.101-109.

RIZZINNI, I. O século perdido. Raízes históricas das políticas públicas para a infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011, 199p.

ROCHA, R. A menina que aprendeu a voar. São Paulo: Moderna, 2012, 32p.

ROMANELLI, O. O. História da Educação no Brasil. 36ª ed. Petrópolis: Vozes, 2010, 279p.

SANTANA, D. R. Infância e Educação Infantil no Brasil: percursos e percalços. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v.7, n.12, p.1-12, 2011.

SÃO PAULO. Regimento interno das escolas públicas do Estado de São Paulo. Decreto nº 248 de 26 de julho de 1894. Aprova o regimento interno das escolas publicas. São Paulo, 1891.

VEIGA, C. G. As crianças na história da educação. In: SOUZA, G. Educar na infância: perspectivas histórico-sociais. São Paulo: Contexto, 2010, p.21-39.