Escola mista nos primeiros anos da República: das Escolas Isoladas aos Grupos Escolares (Pará/Brasil, 1890-1901)

Conteúdo do artigo principal

Clarice Nascimento de Melo
https://orcid.org/0000-0001-7287-5648

Resumo

A escola mista dos primeiros anos da república paraense é o objeto deste texto. Intenciona-se com ele apresentar o percurso histórico que seguiram essa escola que reuniu meninos e meninas no mesmo espaço escolar, com destaque aos passos inicialmente titubeantes nas escolas primárias isoladas até se consolidarem nos grupos escolares, que marcaram a proposta modernizadora do projeto de educação nacional. Utiliza-se do método indiciário, que busca sinais dos movimentos colidentes na montagem da escola mista, presentes privilegiadamente nos documentos de governo – como Decretos, Portarias – e na revista A Escola. Um dos argumentos presentes no estudo está na relação existente entre a participação efetiva das mulheres na educação e a possibilidade de criação dessas escolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Melo, C. N. de . (2020). Escola mista nos primeiros anos da República: das Escolas Isoladas aos Grupos Escolares (Pará/Brasil, 1890-1901). Cadernos De História Da Educação, 20(Contínua), e005. https://doi.org/10.14393/che-v20-2021-5
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Clarice Nascimento de Melo, Universidade Federal do Pará (Brasil)

https://orcid.org/0000-0001-7287-5648
http://lattes.cnpq.br/7497279574536104
mnclarice@gmail.com

Referências

CARVALHO, M. M. C. (2003). Reformas da instrução pública. In: LOPES, E. M. T., FARIA FILHO, L. M., & Veiga, C. G. 500 anos de educação no Brasil (pp. 225-252). Belo Horizonte: Autêntica.

FARIA FILHO, L. M., & VIDAL, D. G. (2000). Os tempos e os espaços escolares no processo de institucionalização da escola primária no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 14, 19-34. http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a03.pdf.

FRAISSE, G., & PERROT, M. (1994). Introdução: ordens e liberdades. In: DUBY, G., & PERROT, M. (Orgs.). História das mulheres. Tradução de Cláudia Gonçalves e Egito Gonçalves. Vol. 4: O século XIX. (pp. 9-15). Porto: Afrontamento.

JULIA, D. (2001, junho) A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, 1(1), 9-43. Acessado em: http://www.rbhe.sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/ view/273/281.

LOPES, J. J. M. (2006). Espaços e tempos escolares: algumas reflexões. [S.l: s.n.].

MAYEUR, F. (1994). A educação das raparigas: o modelo laico. In: DUBY, G., & PERROT, M. (Orgs.). História das mulheres. Tradução de Cláudia Gonçalves e Egito Gonçalves. v. 4: O século XIX. (pp. 277-295) Porto: Afrontamento.

MOREIRA, A. Z. M. (2005). Um espaço pioneiro de modernidade educacional: Grupo Escolar “Augusto Severo” – Natal-RN - 1908-13. (Dissertação de Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

PARÁ. (1981). Constituição do Estado do Pará, de 22 de junho de 1891. Atos e Decisões do Governo de 1891. Belém: Imprensa Oficial.

PARÁ. (1890). Decreto n° 149, de 7 de maio de 1890. Atos e Decisões do Governo de 1890. Belém: Imprensa Oficial.

PARÁ. (1899a). Decreto n° 625, de 2 de janeiro de 1899. Reorganiza o ensino primário do Estado. Atos e Decisões do Governo de 1889. Belém: Imprensa Oficial.

PARÁ. (1889b). Decreto n° 722, de 10 de junho de 1889. Cria na cidade de Alenquer, um grupo escolar. Atos e decisões do Governo de 1889. Belém: Imprensa Oficial.

PARÁ. (1901a). Decreto n° 941, de 23 de janeiro de 1901. Atos e Decisões do Governo de 1901. Belém: Imprensa Oficial.

PARÁ. (1901b). Decreto n° 966, de 23 de fevereiro de 1901. Atos e Decisões do Governo de 1901. Belém: Imprensa Oficial.

PARÁ (1901c). Decreto nº 1009, de 4 de maio de 1901. Cria na cidade de Maracanã, um grupo escolar. Atos e decisões do Governo de 1901. Belém: Imprensa Oficial.

PARÁ (1901d). Decreto nº 1057, de 31 de julho de 1901. Cria na cidade de Vigia, um grupo escolar. Atos e decisões do Governo de 1901. Belém: Imprensa Oficial.

PARÁ (1901e). Decreto nº 1067, de 12 de agosto de 1901. Cria na cidade de Belém, um grupo escolar. Atos e decisões do Governo de 1901. Belém: Imprensa Oficial.

PINHEIRO, A. C. F. (2002). Da era das cadeiras isoladas à era dos grupos escolares na Paraíba. São Paulo: Universidade São Francisco; Autores Associados. (Educação contemporânea).

REVISTA A ESCOLA (1900a, maio), 1(1).

REVISTA A ESCOLA (1900b, junho), 1(2).

REVISTA A ESCOLA (1900c, agosto), 1(5).

REVISTA A ESCOLA (1901a), 4(19), 20.

REVISTA A ESCOLA (1901b), 4(20), 207.

SARGES, M. N. S. (2010). Belém: riquezas produzindo a Belle Époque (1870-1912). (3a ed.). Belém: Paka-Tatu.

SOUZA, R. F. (1998a). Espaço de educação e da civilização: origem dos grupos escolares no Brasil. In: SOUZA, R. F., VALDEMARIN, V. T., & ALMEIDA, J. S. (Orgs.). O legado educacional do século XIX. Araraquara: UNESP.

SOUZA, R. F. (1998b). Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: UNESP. (Coleção Prismas).

THOMAZ NETO, M. O., & BRAGA, O. F. (2002). O ensino de matemática na escola normal do Pará entre o final do século XIX e início do século XX. In: Anais do 2o Encontro de Pesquisa da UFPI. Teresina. Acessado em: http://leg.ufpi.br/subsiteFiles/ppged/arquivo s/files/eventos/evento2002/GT.13/GT13_12_2002.pdf.

Veiga, C. G. (2007). História da educação. São Paulo: Ática. (Ática Universidade).

Veríssimo, J. (1906). A educação nacional. (2a ed.). Rio de Janeiro: F. Alves.

VERÍSSIMO, J. (1891). A instrução pública no estado do Pará em 1890. Belém: Tipografia de Tavares Cardoso. VIDAL, D. G., & FARIA FILHO, L. M. (2005). As lentes da história: estudos de história e historiografia da educação no Brasil. São Paulo: Autores Associados. (Memória da Educação).