A constituição do professor primário na Bahia republicana: diálogo com a legislação (1890-1919)

Conteúdo do artigo principal

Antonieta Miguel
https://orcid.org/0000-0003-2845-3768
Jaci Maria de Ferraz Menezes
https://orcid.org/0000-0001-9889-4257
Elizabete Conceição Santana
https://orcid.org/0000-0003-3645-5878

Resumo

O presente estudo investiga a constituição da profissão de professor primário durante a Primeira República a partir da legislação educacional. Toma as Reformas do Ensino no Estado da Bahia entre 1890 a 1919 para entender a dinâmica que a profissão docente assumiu nos textos legais, considerando como marcadores o acesso/recrutamento à carreira do magistério; a tipologia de professores; e a formação profissional. A análise desses aspectos apontou para permanências de concepções sobre a ideia de professor e formas de recrutamento provenientes do Império que repercutiram nas primeiras décadas republicanas e resultaram em uma política fiscalizadora e de controle sobre a formação, acesso e progressão profissional do professor primário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Miguel, A. ., Menezes, J. M. de F., & Santana, E. C. . (2020). A constituição do professor primário na Bahia republicana: diálogo com a legislação (1890-1919) . Cadernos De História Da Educação, 20(Contínua), e003. https://doi.org/10.14393/che-v20-2021-3
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Jaci Maria de Ferraz Menezes, Universidade do Estado da Bahia (Brasil)

https://orcid.org/0000-0001-9889-4257
http://lattes.cnpq.br/0296701151804947
jacimnz@hotmail.com

Elizabete Conceição Santana, Universidade do Estado da Bahia (Brasil)

https://orcid.org/0000-0003-3645-5878
http://lattes.cnpq.br/2986085738856452
bete.santana0612@gmail.com

Referências

ARAÚJO, Dilton Oliveira de. Republicanismo e classe média em Salvador (1870-1889). Salvador: UFBA, 1992.

BRANDÃO, Verônica de Jesus. Práticas curriculares nas escolas públicas primárias: um estudo das teses apresentadas nas Conferências Pedagógicas em Salvador (1913-1915). Salvador: UNEB, dissertação mestrado, 2012.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Reforma do ensino primário e várias instituições complementares da instrução pública – Parecer e projeto da Comissão de Instrução pública. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1883.

CATANI, Denise Barbara. Estudos de história da profissão docente. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive (Orgs.). 500 Anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

COTA, Luis Gustavo Santos. Não só “para inglês ver”: justiça, escravidão e abolicionismo em Minas Gerais. História Social, n. 21, segundo semestre, 2011.

FERREIRA, Leonardo da Costa. Educação escolar e trabalho: propostas e reformas educacionais entre o Império e a República brasileira (1878-1909). Niterói: UFF, tese, 2015.

FRANCA, Alípio. Memória Histórica: 1836-1936. Escola Normal da Bahia. Salvador: Imprensa Oficial do Estado, 1936.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. SP: Companhia da Letras, 1989.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico, In: Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, n. 1, p. 9-44, 2001.

LE GOFF. Jacques. História e Memória. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990.

LEITE, Rinaldo César Nascimento. A rainha destronada: discursos das elites sobre as grandezas e os infortúnios da Bahia nas primeiras décadas republicanas. São Paulo: PUC, 2005.

LUZ, José Augusto Ramos da. A salvação pelo ensino primário, Bahia 1924-1927. Feira de Santana: UEFS, 2013.

MENEZES, Jaci Maria de Ferraz. Igualdade e liberdade, pluralismo e cidadania: o acesso à educação dos negros e mestiços na Bahia. Córdoba: Universidad Católica de Córdoba, tese doutorado, 1997.

MONTESQUIEU, Charles de Secondat, Baron de. O espírito das leis. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

NÓVOA, António (Coord.) Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

NÓVOA, António. (Org.) Profissão professor. Porto: Editora Porto, 1999.

RAGAZZINI, Dario. Para quem e o que testemunham as fontes da História da Educação? Educar em Revista, n. 18, UFPR, 2001. https://doi.org/10.1590/0104-4060.231

SAMPAIO, Consuelo Novais. Os partidos políticos da Bahia na primeira república: uma política de acomodação. Salvador: UFBA, 1975.

SANTANA, Elizabete Conceição, MENEZES, Jaci M. F. de, MELLO, M. A. G. M, SOUZA, L. A., COSTA, N. S., SOUZA, S. S. e; BRANDÃO, V. de J. (Org.) A construção da escola primária na Bahia: leis de reforma e regulamento da instrução 1890-1930. Coleção Memória da Educação na Bahia, v. 2. Salvador: EDUFBA, 2011.

SANTOS, Mário Augusto da Silva. Associação comercial da Bahia na Primeira República: um grupo de pressão. Dissertação de mestrado. Salvador: UFBA, 1973.

SARMENTO, Silvia Noronha. A raposa e a águia: J.J. Seabra e Rui Barbosa na política baiana da Primeira República. Salvador: UFBA, dissertação mestrado, 2009.

SCHMIEGUEL, Carlos. Conceitos de lei em sentido jurídico. Ágora Revista de Divulgação Científica, Mafra, v. 17, n.1, 2010.

SOUZA, Sandra da Silva e. O ensino intuitivo nas Escolas Primárias Públicas da Bahia no período de 1889 a 1925: avanços e recuos. Salvador, UNEB, Monografia, 2009.

TAVARES, Luiz Henrique Dias. Duas reformas na educação da Bahia 1895-1925. Centro Regional de Pesquisas Educacionais da Bahia – MEC/INEP, 1968.

VICENTINI, Paula Perin; LUGLI, Rosario Genta. História da profissão docente no Brasil: representação em disputas. São Paulo: Cortêz, 2009.

VIEIRA, Débora Magali. A Escola Normal da Bahia: saberes veiculados na formação das mulheres para o magistério (1890-1914). Salvador: UFBA, dissertação mestrado, 2013.