Manuais de ensino de História oitocentistas: reflexões sobre o cristianismo na história escolar no Império do Brasil

Conteúdo do artigo principal

José Petrúcio de Farias Júnior
https://orcid.org/0000-0002-7631-0705
Selva Guimarães
https://orcid.org/0000-0002-8956-9564

Resumo

Este texto apresenta resultados de uma investigação acerca  dos compêndios de História Universal, de Victor Duruy e Pedro Parley, aprovados e adotados pelo Estado Imperial brasileiro para o ensino da História nas escolas secundárias de 1854 a 1878. Neste período, aconteceram as Reformas Educacionais de Couto Ferraz (1854) e de Leôncio de Carvalho de 1878. Analisa-se, então, no contexto dessas Reformas, o papel dos Manuais didáticos, na disseminação do Cristianismo, do ideal de Nação e de cidadania, a partir da histórica escolar. Para impor ideias e preceitos politicas e culturais  o Estado Imperial aprovou o Regulamento da Instrução Primária e Secundária, cuja responsabilidade era fiscalizar e orientar o ensino público e particular nos níveis primário e secundário, estabelecendo normas para o exercício da liberdade de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Farias Júnior, J. P. de ., & Guimarães, S. . (2020). Manuais de ensino de História oitocentistas: reflexões sobre o cristianismo na história escolar no Império do Brasil. Cadernos De História Da Educação, 19(3), 817–836. https://doi.org/10.14393/che-v19n3-2020-10
Seção
Artigos
Biografia do Autor

José Petrúcio de Farias Júnior, Universidade Federal do Piauí (Brasil)

https://orcid.org/0000-0002-7631-0705
http://lattes.cnpq.br/2921343413261339
petruciojr@terra.com.br

Selva Guimarães, Universidade de Uberaba (Brasil)

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq
https://orcid.org/0000-0002-8956-9564
http://lattes.cnpq.br/6146634282412140
selva.guimaraes@uniube.br

Referências

ARAÚJO, M.M.R.. Carta Pastoral contendo as providências acerca do estado da Igreja do Rio Grande do Sul depois da pacificação da província. Rio de Janeiro: Tip. Americana, 1845.

AZEVEDO, M. de. Compêndio de História Antiga. Rio de Janeiro: Livraria Garnier, 1864.

BARTH. F. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, P. & STREIFF-FENART, J. (Org.). Teorias da etnicidade. SP: Editora Unesp, 1998.

BASTOS, M.H.C.. Manuais escolares franceses no Imperial Colégio de Pedro II (1856-1892). História da Educação (UFPel), v. 12, p. 39-58, 2008.

BITTENCOURT, C. Livro didático e saber escolar (1810-1910). Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BRASIL. Decreto Nº 1.331-a, de 17 de fevereiro de 1854: Approva o Regulamento para a reforma do ensino primario e secundario do Municipio da Côrte. Rio de Janeiro, RJ, Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2019.

CARVALHO, J.M. A construção da ordem: teatro de sombras. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A Pesquisa Qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, p. 295-316.

CUCHET, G. Comment dieu est-il acteur de l´histoire? Revue des sciences philosophiques et théologiques, n.01, 2012. https://doi.org/10.3917/rspt.961.0033

DURUY, V. Compêndio da História Universal. Trad. Francisco Bernardino de Souza. Rio de Janeiro. Ed. B. L. Garnier. 1865.

FURET, F. A oficina da História. Trad. Adriano D. Rodrigues. Lisboa: Gradiva, 1986.

GONÇALVES, S. C. Pensamento civilizador e escrita da história: origens da historiografia do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de História, Direito e Serviço Social, UNESP/Franca, 2009

GONDRA, J.G; SCHUELER, A. Educação, poder e sociedade no Império brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008.

GREINER, P. Genèse de la laïcité et prohibition du prosélytisme. Tranversalitès, v. 4, nº 108, 2008. https://doi.org/10.3917/trans.108.0021

HAIDAR, M.L.M. O ensino secundário no Império brasileiro. São Paulo: Grijalbo, Editora da Universidade de São Paulo, 1972.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. RJ: Lamparina, 2012.

INGLEBERT, H. Le monde, l’histoire: essai sur les histoires universelles. Presses Universitaires de France: Paris, 2014. https://doi.org/10.3917/puf.ingl.2014.01

KOSELLECK, R. Futuro passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora PUC/RJ, 2006, p. 41-60.

LYNCH, C.E.C. Saquaremas e Luzias: a sociologia do desgosto com o Brasil. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 55, p. 21-37, 2011.

MARTINS, A.L. Pensar as origens. História: Questões & Debates, n.48/49, p. 195-223, 2008. https://doi.org/10.5380/his.v48i0.15301

MEDEIROS, E.B. Ser cristão no século IV: identidade em História Eclesiástica de Eusébio de Cesareia. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História. Instituto de Ciências Humanas. Universidade Federal de Pelotas, 2012.

NARITA, F. Z. A educação da sociedade imperial: moral, religião e forma social na modernidade oitocentista. Curitiba: Editora Prismas, 2017.

PARLEY, P. História Universal resumida para uso das escolas dos Estados Unidos da América do Norte. Trad. Lourenço José Ribeiro. Rio de Janeiro: Eduardo & Henrique Larmmert, 1869.

OBEID, R.I. Os debates em torno do estado confessional brasileiro do século XIX (1842-1889). Dissertação (Mestrado em Direito). Universidade de São Paulo, Faculdade de Direito, 2013.

RÜSEN, J. Tópica: formas da historiografia. In: ______ História Viva. Teoria da História III: formas e funções do conhecimento histórico. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Editora UNB, 2001, p. 17-84.

SANTIROCCHI, Í.D. “Afastemos o Padre da Política! A despolitização do clero brasileiro durante o Segundo Império”. Mneme (Caicó. Online). Natal: v.12, p.187 - 207, 2011.

SILVA, G.J. Os avanços da História Antiga no Brasil. In: XXVI SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 2011, São Paulo. Anais... . São Paulo: s/e, 2011. p. 1-31. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2019.

TURIN, R. A prudência dos antigos: figurações e apropriações da tradição clássica no Brasil oitocentista: o caso do Colégio Imperial Pedro II. Anos 90, Porto Alegre, v.22, n.41, p. 299-320, 2015. https://doi.org/10.22456/1983-201X.49864

VECHIA, A; LORENZ, K.M. Programa de ensino da escola secundária brasileira: 1850- 1951. Curitiba: Ed. Do Autor, 1998.

WEHLING, A. Fundamentos e virtualidades da epistemologia da história: algumas questões. Estudos Históricos, v. 5, n. 10. 1992, p. 147-169.