Os confins paulistas na Revolução Constitucionalista de 1932: uma análise do bandeirantismo na região da Alta Araraquarense

Conteúdo do artigo principal

Raquel Discini de Campos
https://orcid.org/0000-0001-5031-3054

Resumo

O artigo discute a reconstrução sucedida nas primeiras décadas do século XX, na região Noroeste Paulista, também conhecida como Alta Araraquarense, da mitologia em torno da figura do bandeirante. Parte das pesquisas realizadas pelo geógrafo Pierre Monbeig e pela socióloga Maria Isaura Pereira de Queiroz para tratar, por intermédio da análise da imprensa local, da ressignificação de antigas simbologias bandeirantes naquelas plagas, num período de franca expansão territorial e capitalista. Apresenta informações sobre os usos dados às instituições escolares ao longo da Revolução Constitucionalista de 1932, ápice do que se convencionou nomear como epopea bandeirante, além de discutir algumas práticas e representações dos sujeitos escolares envolvidos no conflito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Campos, R. D. de. (2018). Os confins paulistas na Revolução Constitucionalista de 1932: uma análise do bandeirantismo na região da Alta Araraquarense. Cadernos De História Da Educação, 17(3), 837–854. https://doi.org/10.14393/che-v17n3-2018-13
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Raquel Discini de Campos, Universidade Federal de Uberlândia (Brasil)

Doutora em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, com estágio de pós-doutorado concluído na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Professora Associada da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia. E-mail: raqueldiscini@uol.com.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5031-3054. LATTES: http://lattes.cnpq.br/3515581736708487.

Referências

AB’SABER, A. Pierre Monbeig: a herança intelectual de um geógrafo. Revista Estudos Avançados, vol. 08, n. 22,p. 221-232,1994.https://doi.org/10.1590/S0103-40141994000300024.

ABUD, K.M.O sangue intimorato e as nobilíssimas tradições: a construção de um símbolo paulista, o bandeirante. Tese de doutoramento. FFLCH –USP, 1986.

ANDRADE, J.C.Pierre Monbeig. Um francês diante da geografia do movimento: um estudo sobre a obra Pioneiros e Fazendeiros do Estado de São Paulo. Revista IEB. n. 52, p. 43-68, 2011.

ARANTES, L. Dicionário Rio-pretense.São José do Rio Preto: Casa do Livro, 2001.BORGES, V. P. Memória paulista. São Paulo: Edusp, 1997.

CAMPOS, R. D. A “princesa do sertão na modernidade republicana: urbanidade e educação na Rio Preto dos anos de 1920. SP: Annablume, 2003.

CAMPOS, R. D. Mulheres e crianças na imprensa paulista: educação e história. SP: Unesp, 2009.https://doi.org/10.7476/9788539304424.

CAPELATO, M. H. O movimento de 1932: a causa paulista. São Paulo: Brasiliense, 1981.

CARVALHO, M.M.C;NUNES, C. Historiografia da Educação e fontes.Cadernos ANPEd, nº 5, p. 7-64, 1993.

CERRI, L.F. Nonducor, duco. A ideologia da paulistanidade e a escola.Revista Brasileira de História, vol. 18, n. 23, p.115-136,1998.https://doi.org/10.1590/S0102-01881998000200007

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados, São Paulo , v. 5, n. 11, p. 173-191. 1991. https://doi.org/10.1590/S0103-40141991000100010.

DANTAS, A. Monbeig, paisagem e geografia estigmática. Mercator – Revista de Geografia da UFC. Fortaleza, n. 02, p. 71-78, 2002.

FAUSTO, B. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 1998.

FERREIRA, A.C. A epopéia bandeirante: letrados, instituições, invenção histórica (1870-1940). São Paulo: Unesp, 2002.https://doi.org/10.7476/9788539303038.

FONSECA, S. C. Ribeirão Preto e a chegada da assistência institucional à infância ao Oeste Novo. Cadernos de História da Educação. vol. 14, n. 2, p. 461-481, 2015.

LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: Unicamp, 1994.

MONBEIG, P. Pioneiros e Fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec/Polis, 1984.

QUEIROZ, M.I.P. Ufanismo paulista: vicissitudes de um imaginário. Revista USP, n. 13, p. 78-87, 1992.

SOUZA, R.F. Educação e civilização nas zonas pioneiras do Estado de São Paulo (1933 -1945). Cadernos de História da Educação. vol. 14, n. 2,p. 439-460,2015.

SOUZA, R.F.A militarização da infância: Expressões do nacionalismo na cultura brasileira. Cad. CEDES, vol.20 no.52 Campinas, p. 104 -121, 2000.

SOUZA, R.F. Templos de civilização: A implantação da escola primária graduada no estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: Unesp, 1998.