O "SCOUTING FOR BOYS" ABRE PARA MULHERES: A IMPLANTAÇÃO DA CO-EDUCAÇÃO NO ESCOTISMO BRASILEIRO

Conteúdo do artigo principal

Aldenise Cordeiro Santos
Dinamara Garcia Feldens

Resumo

O presente artigo trata da presença da mulher no movimento escoteiro, que foi criado em 1907, por Robert Stephenson Smyth Baden-Powell (1857-1941), destinado a jovens meninos ingleses. A partir do processo de co-educação (1979-1985), ocorreu no escotismo brasileiro a abertura de tropas mistas, em que escoteiros e escoteiras passaram a participar mutuamente de suas atividades. Este texto tem por objetivo pensar a inserção e presença da mulher no movimento escoteiro, esta pesquisa é composta da análise de documentos que tratam da co-educação no escotismo e de bibliografias referentes à mulher e à educação. Entendendo ser necessário compreender quais questões influenciaram a implantação da co-educação nos grupos de escoteiros, tendo em vista que os elementos que coadunam nas questões de gênero também incidem em tropas escoteiras mistas. Outrossim, tendo em consideração que o escotismo é um território educacional, em que se desvelam movimentos de ensinar e aprender.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Santos, A. C., & Feldens, D. G. (2014). O "SCOUTING FOR BOYS" ABRE PARA MULHERES: A IMPLANTAÇÃO DA CO-EDUCAÇÃO NO ESCOTISMO BRASILEIRO. Cadernos De História Da Educação, 12(2). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/che/article/view/25012
Seção
Artigos