CUBATÃO-SP: Industrialização e segregação

Continuidades e Descontinuidades, Raça e Gênero na Cidade Neoliberal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/BGJ-v14n1-a2023-69069

Resumo

Este artigo é resultado de pesquisas sobre a urbanização em cidades da Baixada Santista, no litoral do Estado de São Paulo. Especificamente, nos ativemos à cidade de Cubatão, que tem a particularidade de ser a única cidade não banhada pelo mar na região. O objetivo central deste trabalho é a análise da estrutura da cidade, com destaque aos contextos de segregação socioespacial imposta. Como procedimentos, foram adotados levantamento e tratamento de dados populacionais do Censo/IBGE - 2010 e dados quantitativos de estabelecimentos de ensino, saúde e praças públicas, junto a instituições municipais e estaduais. De modo geral, em comparação com a análise de Damiani (1985) sobre o processo de favelização de Cubatão, é notório a continuidade da precariedade habitacional na Vila Esperança, Vila Natal e Vila dos Pescadores, que além da segregação dada pela renda, somam-se os conteúdos gênero, raça e a ausência de equipamentos urbanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julio Cesar Zandonadi, IFSP - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - Campus Cubatão

Doutor em Geografia (UNICAMP), Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - Campus Cubatão.

Downloads

Publicado

2023-06-28

Como Citar

ZANDONADI, J. C. CUBATÃO-SP: Industrialização e segregação : Continuidades e Descontinuidades, Raça e Gênero na Cidade Neoliberal. Brazilian Geographical Journal, Ituiutaba, v. 14, n. 1, p. 48–68, 2023. DOI: 10.14393/BGJ-v14n1-a2023-69069. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/braziliangeojournal/article/view/69069. Acesso em: 21 jul. 2024.