A A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA PEDOLÓGICO E O RELEVO NO MUNICÍPIO DE IGUARAÇU-PR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/BGJ-v12n1-a2021-57282

Resumo

A presente pesquisa tem por objetivo verificar a organização da cobertura pedológica vertical e lateral ao longo de uma topossequência, visando entender as relações entre o sistema pedológico e o relevo no município de Iguaraçu-PR. O levantamento da topossequência foi realizado ao longo de uma vertente de relevo plano e suave ondulado, onde os solos são formados pela alteração do arenito da Formação Caiuá. Para o levantamento da topossequência e dos solos, foi aplicada a Análise Bidimensional da Cobertura Pedológica, visando identificar as transições verticais e laterais dos horizontes pedológicos e, posteriormente, foi determinada a granulometria das amostras coletadas nas sondagens à trado. Os resultados indicaram uma topossequência composta pelo sistema pedológico Latossolo-Gleissolo, que apesar do relevo plano a suave ondulado, encontra-se em processo de transformação. A análise granulométrica das sondagens à trado indicou que ocorre perda de argila vertical e lateralmente, com a ocorrência de perfis mais arenosos no sopé da vertente, demonstrando tendência de evolução remontante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Fernandes Barbosa, Universidade Estadual de Maringá

Graduanda em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá-PR, Brasil.

Hélio Silveira, Universidade Estadual de Maringá

Doutor em Geografia, Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Maringá-PR, Brasil.

Francieli Sant'ana Marcatto, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá-PR, Brasil.

Downloads

Publicado

2021-09-26

Como Citar

FERNANDES BARBOSA, A.; SILVEIRA, H.; SANT’ANA MARCATTO, F. A A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA PEDOLÓGICO E O RELEVO NO MUNICÍPIO DE IGUARAÇU-PR. Brazilian Geographical Journal, Ituiutaba, v. 12, n. 1, p. 174–186, 2021. DOI: 10.14393/BGJ-v12n1-a2021-57282. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/braziliangeojournal/article/view/57282. Acesso em: 24 maio. 2024.