Os grandes eventos e a crise internacional: a experiência da Expo de Milão 2015

Autores

  • Stefano Di Vita Politecnico di Milano

Resumo

Se na segunda metade do século XIX os grandes eventos têm sido uma oportunidade de inovação arquitetônica e expansão urbana, a partir dos anos noventa do século XX os grandes acontecimentos e as obras-evento assumiram o papel de alavanca para a promoção e a realização de complexas operações de transformação das cidades-sede na etapa pós-industrial do seu desenvolvimento.

A crise global, que eclodiu em 2008 e ainda em andamento, parece ter minado a associação, além disso não óbvia, "grandes eventos - desenvolvimento territorial", causando muitas dificuldades para as cidades que, como Milão com a Expo 2015, havia promovido anteriormente sua candidatura para sediar um grande evento e agora sofre com o peso da organização e realização de um grande evento em um contexto geral de recursos cada vez mais escassos.

Com particular referência ao caso milanês, este artigo salienta a necessidade de se identificar novos caminhos de desenvolvimento para a cidade, concebida na sua dimensão metropolitana regional, reconhecendo mais uma vez nos grandes eventos uma potencialidade para repensar políticas, planos e projetos territoriais realmente capazes de combinar os objetivos de competitividade e de sustentabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stefano Di Vita, Politecnico di Milano

Dipartimento di Architettura e Pianificazione

Downloads

Publicado

2012-12-30