“Era só pizza que avuava junto com as brachola”: o samba paulista e a obliteração do negro na memória da São Paulo cosmopolita

Autores

  • Lígia Nassif Conti

DOI:

https://doi.org/10.14393/ArtC-V20n36-2018-1-03

Resumo

A narrativa que aponta a especifi cidade do modelo regional paulista diante do samba carioca está empenhada em legitimar o gênero na capital do estado de São Paulo, forjando para ele uma história particular. Entender as razões que levam determinado grupo de sambistas a defender enfaticamente sua visão passa por tentar desvendar as tramas identitárias paulistanas e sua autoimagem pautada pela valorização de elementos culturais identifi cados com a vanguarda. Voltada à reafirmação de sua vocação cosmopolita e pouco afeita a se reconhecer como cidade mestiça, a cidade de São Paulo pouco espaço reservou para um gênero musical reiteradamente associado à mestiçagem, à brasilidade e à cultura tradicional.

Palavras-chave: samba paulista; memória; cultura afro-brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lígia Nassif Conti

Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Professora do Conservatório Dramático Musical Dr. Carlos de Campos de Tatuí, polo de São José do Rio Pardo.

Referências

MARCOS, Plínio. Depoimento

extraído do documentário de

MELLO, Gustavo. Samba à

paulista: fragmentos de uma

história esquecida. São Paulo,

, parte I, 32

Como acontece com os redutos

negros da tiririca no Largo da

Banana e na Barra Funda ou

com os sucessivos deslocamentos

do espaço destinado

aos desfiles carnavalescos,

que desde a ofi cialização dos

festejos de Momo, em 1968, foi

alocado em diferentes lugares

até ser defi nitivamente restringido

ao Sambódromo em 1991.

RIBEIRO, Peri apud BORELLI,

Hélvio. Noites paulistanas: histórias

e revelações musicais das

décadas de 50 e 60. São Paulo:

Arte & Ciência, 2005, p. 105.

Idem, ibidem, p. 105 e 106.

WISNIK, José Miguel. Te

manduco-não-manduca: a música

popular de São Paulo. Folha

de S. Paulo, São Paulo, 29 jul.

Disponível em

www1.folha.uol.com.br/fsp/

mais/fs2907200108.htm>. Acesso

em 7 jan. 2014.

Não vem ao caso discutir,

aqui, até que ponto tal programa

pode ser considerado como

tipicamente bossa-novista ou

não.

A TV Excelsior organizou o

I Festival Nacional de Música

Popular, em 1965. A fórmula

agradou e se consagrou no

gosto do público e da crítica,

e em 1966 a TV Record levou

ao ar o II Festival de Música

Popular Brasileira, repetindo o

feito em 1967 e 1968.

CAMPOS, Augusto de [org.].

Balanço da bossa e outras bossas.

ed. São Paulo: Perspectiva,

, p. 126.

Cf. ARRUDA, Maria Arminda

do Nascimento. Metrópole e

cultura: São Paulo no meio do

século XX. Bauru: Edusc, 2001,

p. 332.

PIGNATARI, Décio apud

ARRUDA, Maria Arminda do

Nascimento, op. cit, p. 334 e 335.

ARRUDA, Maria Arminda do

Nascimento, op. cit, p. 38.

CAMPOS, Augusto de, op.

cit, p. 38.

FAVARETTO, Celso. Tropicália:

alegoria, alegria. 4. ed. São

Paulo: Ateliê, 2007, p. 23.

NAPOLITANO, Marcos. O

olhar tropicalista sobre a cidade

de São Paulo. Varia História, v.

, n. 34, Belo Horizonte, jul.

, p. 506.

Idem, ibidem, p. 505.

WISNIK, José Miguel, op. cit.

WISNIK, José Miguel, op. cit.

Ver SOARES, Teresinha Rodrigues

Prada. A utopia no

horizonte da Música Nova. Tese

(Doutorado em História Social)

Manifesto Música Nova apud

MARIZ, Vasco. História da música

no Brasil. Rio de Janeiro:

Nova Fronteira, 2000, p. 337.

SOARES, Teresinha Rodrigues

Prada, op. cit., p. 38.

FENERICK, José Adriano.

Façanhas às próprias custas: a

produção musical da Vanguarda

Paulista (1979-2000). São

Paulo: Annablume/Fapesp,

, p. 28.

FREITAS, Affonso A de.

Tradições e reminiscências paulistanas.

ed. São Paulo: Governo

do Estado, 1978, p. 150 e 151.

Idem, ibidem, p. 147.

Idem.

Idem, ibidem, p. 149.

Idem.

esforços por nós empregados

para recompor a literatura

africana em São Paulo: nas tradições

do povo transplantando

do continente negro, nada

encontramos além de ligeiras

notícias sobre os costumes dos

filhos de Angola e das quadrinhas

seguintes que, longe

de serem uma manifestação

espiritual da raça a quem tanto

deve o Brasil, não é [sic] senão

mera crítica de origem erudita

à humilde condição dos modestos

colaboradores da nossa

grandeza material

Aff onso A. de, op. cit., p. 153.

Ver ARA

Ribeiro de. A população paulistana.

In: AZEVEDO, Aroldo

de (org). A cidade de São Paulo:

estudos de geografi a urbana,

v. II. São Paulo: Companhia

Editora Nacional, 1958, p. 189.

Idem, ibidem, p. 191 e 192.

Idem, ibidem, p. 200.

IKEDA, Alberto T. A música

popular nos tempos da modernidade

paulistana. D. O.

Leitura, 10 (117), São Paulo, fev.

, p. 4.

MONSMA, Karl. Vantagens

de imigrantes e desvantagens

de negros: emprego, propriedade,

estrutura familiar e alfabetização

depois da abolição no

oeste paulista. Dados: Revista

de Ciências Sociais, v. 53, n.

, Rio de Janeiro, 2010, p. 510.

Ver SANTOS, Carlos José

Ferreira dos. Nem tudo era

italiano: São Paulo e pobreza

(1890-1915). 3. ed. São Paulo:

Annablume, 2008, p. 60.

Anuário Estatístico da Seção de

Demografi a

ibidem, p. 31.

Idem.

SANTOS, Carlos José Ferreira

dos, op. cit., p. 60.

Washington Luís apud idem,

ibidem, p. 88 e 90.

SANTOS, Carlos José Ferreira

dos, op. cit., p. 91.

MARTINS, José de Souza.

O migrante brasileiro na São

Paulo estrangeira. In: PORTA,

Paula (org.). História da cidade de

São Paulo: a cidade na primeira

metade do século (1890-1954),

v. 3. São Paulo: Paz e Terra,

, p. 162.

Idem.

TRINDADE, Liana Salvia. O

negro em São Paulo no período

pós-abolicionista. In: PORTA,

Paula (org.), op. cit., p. 104.

Código de posturas apud SANTOS,

Carlos José Ferreira dos,

op. cit., p. 133.

TRINDADE, Liana, Salvia,

op.cit., p. 101.

Idem, ibidem, p. 102.

O Estado de S. Paulo apud idem,

ibidem, p. 112.

DUARTE, Adriano e PAOLI,

Maria Célia. São Paulo no

plural: espaço público e redes

de sociabilidade. In: PORTA,

Paula (org.), op. cit., p. 60.

Assim, por exemplo, negros

da classe média censuravam

os encontros populares na Rua

Direita como coisa de

punhado de negros sem compostura

que, infelizmente, para

nossa vergonha, fazem da Rua

Direita o seu campo de exibição

coreográfi ca

esse segmento social

um duplo deslocamento

distanciar dessas manifestações

de rua, que não condiziam com

suas aspirações de ascensão;

por outro, continuava sendo

excluída dos clubes da boa

sociedade branca. A alternativa

foi criar seus próprios clubes:

o Luva Preta, de 1904; o Kosmos,

em 1908; o Elite e o Smart

Club; o Clube dos Evoluídos,

e o Aristocrático Clube, cujos

nomes exprimem, simultaneamente,

a sua autoimagem, a

sua percepção dos

rua

integração e diferenciação

Idem, ibidem, p. 62.

ROLNIK, Raquel. A cidade e

a lei: legislação, política urbana

e territórios na cidade de São

Paulo. São Paulo: Estúdio Nobel/

Fapesp, 1997, p. 29.

Idem, ibidem, p. 31.

Idem, ibidem, p. 32.

SANTOS, Carlos José Ferreira

dos, op. cit., p. 116.

ROLNIK, Raquel. Territórios

negros nas cidades brasileiras

(etnicidade e cidade em São

Paulo e Rio de Janeiro). Revista

de Estudos Afro-Asiáticos, n.

, Rio de Janeiro, set. 1989,

p. 7. Disponível em

raquelrolnik.files.wordpress.

com/2013/04/territc3b3riosnegros.

pdf. Acesso em 27 jul.

TRINDADE, Liana Sálvia, op.

cit., p. 108.

Toniquinho Batuqueiro, em

depoimento concedido a GOMES,

Carlos Antônio Moreira.

Um batuque memorável no samba

paulistano. São Paulo: Centro

Cultural São Paulo, 2010, p.

e 60. Disponível em

www.centrocultural.sp.gov.

br/batuque/>. Acesso em 12

maio 2013.

SANTOS, Carlos José Ferreira

dos, op. cit., p. 118 e 119.

Barão do Pandeiro, em depoimento

concedido a CISCATI,

Márcia Regina. Malandros da

terra do trabalho: malandragem e

boemia na cidade de São Paulo,

-1950. São Paulo: Annablume/

Fapesp, 2000, p. 176.

Quando avalia o papel e a

participação dos músicos populares

na programação das

emissoras de rádio da capital

paulista dos anos 1930, José

Geraldo Vinci de Moraes nota

que, a despeito de o crescente

processo de profi ssionalização

das rádios da cidade haver

proporcionado novas oportunidades

no mercado de trabalho

para o músico paulistano,

o fi nal da década de 1930 os

negros e negras paulistanos

foram mantidos afastados do

ambiente radiofônico. A brutal

discriminação começava com

as difi culdades na participação

dos programas de calouros e de

auditório e crescia na limitação

a eventuais possibilidades de

ingressar no universo artístico

MORAES, José Geraldo

Vinci de. Metrópole em sinfonia:

história, cultura e música popular

na São Paulo dos anos 30.

São Paulo: Estação Liberdade,

, p. 92 e 93.

Zezinho da Casa Verde, em

depoimento concedido em

Acervo do Laboratório

de História Oral do Centro de

Memória da Unicamp (LAHO/

CMU).

Cf. RIBEIRO, Wagner. Tebas,

o escravo arquiteto do século

Leituras da História, 50, 2012.

Disponível em

uol.com.br/ESLH/

Edicoes/50/artigo255932-1.

asp>. Acesso em 10 mar. 2014.

ARA

Wagner, op. cit.

ARA

memórias: o imaginário lusoafro-

brasileiro e a herança da

escravidão. Estudos Avançados,

v. 18, n. 50, São Paulo, 2004,

p. 246.

O início da construção da

Linha 6-Laranja, previsto para

, foi adiado para 2014.

Entretanto, em 2016, a concessionária

responsável pela obra

propôs alterações no projeto

que possibilitaram a permanência

da sede da escola de samba

no local.

Depoimento concedido a

CASTRO, Márcio Sampaio de.

Vai-Vai, não vai. Carta Capital.

maio 2013. Disponível em

http://www.cartacapital.com.

br/revista/747/vai-vai-nao-vai.

Acesso em 2 set. 2013.

Idem.

Depoimento de Zé Mário

concedido a CASTRO, Márcio

Sampaio de, op. cit.

ARRUDA, Maria Arminda do

Nascimento, op. cit., p. 25.

PINTO, Maria Inez Machado

Borges. Urbes industrializada:

o modernismo e a pauliceia

como ícone da brasilidade.

Revista Brasileira de História, v.

, n. 42, São Paulo, 2001, p. 437.

ANDRADE, Mário de apud

PINTO, Maria Inez Machado

Borges, op. cit., p. 438 e 439.

PAIVA, Odair da Cruz. Territórios

da migração na cidade

de São Paulo: afirmação,

negação e ocultamentos. In:

TEIXEIRA, Paulo Eduardo,

BRAGA, Antônio Mendes da

Costa e BAENINGER, Rosana

(orgs.). Migrações: implicações

passadas, presentes e futuras.

Marília-São Paulo: Ofi cina Universitária/

Cultura Acadêmica,

, p. 169.

NAPOLITANO, Marcos.

A historiografia da música

popular brasileira (1970-1990):

síntese bibliográfi ca e desafi os

atuais da pesquisa histórica.

ArtCultura: Revista de História,

Arte e Cultura, v. 8, n. 13, Uberlândia,

jul.-dez. 2006, p. 506.

CERTEAU, Michel de. A invenção

do cotidiano, 1: Artes do

fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

NORA, Pierre. Entre a história

e a memória: a problemática

dos lugares. Projeto História, v.

, São Paulo, dez., 1993.

Downloads

Publicado

2018-10-22

Como Citar

Conti, L. N. (2018). “Era só pizza que avuava junto com as brachola”: o samba paulista e a obliteração do negro na memória da São Paulo cosmopolita. Artcultura, 20(36). https://doi.org/10.14393/ArtC-V20n36-2018-1-03

Edição

Seção

Dossiê Fora do cânone: História & Música Popular