A histeria como materialidade e subversão

uma cartografia do sofrimento gendrado e um convite à inversão conotativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v5n2-2023-70224

Palavras-chave:

Discurso, Fibromialgia, Histeria, Gênero, Performatividade

Resumo

A partir da interlocução entre textos de Michel Foucault, teorias de desconstrução do sujeito que problematizam as teorias clássicas da Psicanálise e a discussão de gênero e performatividade estabelecida por Judith Butler, este ensaio tem por objetivo produzir uma tentativa de cartografia do sofrimento corpóreo e psíquico nomeado por Fibromialgia, síndrome considerada uma histeria contemporânea que predominantemente acomete mulheres na atualidade, de modo a mapear agenciamentos e produções discursivas relativos a um tipo de manifestação que muito tem a dizer sobre as expectativas sociais aplicadas a um determinado tipo de feminilidade. Os processos de subjetivação podem ter sua enunciação inscrita no corpo – seja por processos psíquicos ou de medicalização –, por isso se faz necessário tentar abarcar nesta discussão a inextrincável relação entre poder, discurso e materialidade. O texto sugere uma revisão subversiva da expressão histeria e seus termos derivados, para, enfim, propor uma nova conotação de uso e sentido ao vocábulo que possa indexicalizar para formações discursivas e subjetividades em devir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kamila Caetano Almeida, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Kamila Caetano Almeida é doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e revisora de textos no Instituto Federal Catarinense (IFC).

Referências

AUSTIN, John L. How to Do Things with Words. 2. ed. Oxford: Oxford University Press, 1976.

BARAD, Karen. Performatividade pós-humanista: para entender como a matéria chega à matéria. Trad. Thereza Rocha. Vazantes, v. 1, n. 1, 2017.

BRAGA, Sandro; FURLANETTO, Maria Marta. Análise do Discurso: o campo. In: BRAGA, S.; MORITZ, M. E. W.; REIS, M. S.; RAUEN, F. J. (Org.). Ciências da linguagem: analisando o percurso, abrindo caminhos. Blumenau: Nova Letra, 2008, p. 129-143.

BRAGA, Sandro. MENEGHEL, Patrícia da Silva. Do corpo de todos nós ao corpo do (eu): efeitos de subjetividade na singularidade corpórea. Redisco, v. 2, n. 2, p. 88-100, 2013.

BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 21. ed.

Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2021.

BUTTURI JUNIOR, Atilio Butturi; CAMOZZATO, Nathalia Müller. Prolegômenos a uma análise neomaterialista dos discursos. In: SEVERO, C. G.; BUZATO, M. E. K. (Org.). Cosmopolítica e linguagem. Araraquara, SP: Letraria, 2023, p. 76-96. [livro eletrônico]

CAMOZZATO, Nathalia Muller. Biotecnovoz e gênero-dissonância: a voz e o discurso no realismo agencial. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 19, n. 3, p. 8335-8350, jul./set. 2022. DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2022.e91142

CAPONI, Sandra. Biopolítica e medicalização dos anormais, Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, n. 19, p. 529-549, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312009000200016

DAVIS, Noela. New Materialism and Feminism's Anti-Biologism: A Response to Sara Ahmed. European Journal of Women’s Studies, n. 16, p. 67-79, 2009. DOI: https://doi.org/10.1177/1350506808098535

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Trad. Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de janeiro: Editora 34, 1995.

DIEHL, Eliana; MANZINI, Fernanda; BECKER, Marina. “A minha melhor amiga se chama Fluoxetina”: consumo e percepções de antidepressivos entre usuários de um centro de atenção básica à saúde. In: MALUF, S. W.; TORNQUIST, C. S. (Org.). Gênero, saúde e aflição: abordagens antropológicas. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2010, p. 331-365.

FREUD, Sigmund. Estudos sobre a histeria. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FREUD, Sigmund. Obras completas, volume 6: três ensaios sobre a teoria da sexualidade, análise fragmentária de uma histeria (“O caso Dora”) e outros textos (1901-1905). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2016 [1856-1939].

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1977.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J.A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 10. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra,

GONZALEZ, Barbara Isabel Dinis. Aspectos Psicológicos da Fibromialgia: personalidade e história de vida. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica) - Universidade de Lisboa, 2013.

HARAWAY, Donna. Manifesto Ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo socialista no final do século XX. In: HARAWAY, D.; KUNZRU, H.; TADEU, T. (Org.). Antropologia do Ciborgue: as vertigens do pós-humano. 2. ed. São Paulo: Autêntica, 2009, p 33-118.

MALUF, Sônia Weidner; TORNQUIST, Carmen Susana. Nervos e nervosas no contexto das aflições contemporâneas: entrevista com Maria Lucia da Silveira. In: MALUF, S. W.; TORNQUIST, C. S. (Org.). Gênero, saúde e aflição: abordagens antropológicas. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2010.

MARINHO, Cristiane. Processos de subjetivação, governamentalidade neoliberal e resistência: uma leitura a partir de Michel Foucault e Judith Butler. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Filosofia (Fafil), Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Goiânia, 2020.

MARTÍNEZ-LAVÍN, Manuel. Fibromialgia sem mistério: um guia para pacientes, familiares e médicos. São Paulo: MG Editores, 2014.

MEISSNER, Hanna. La política como encuentro y respons-habilidad: aprender a conversar con los outros enigmáticos. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 2, maio/ago. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017.v25n2p935

MOLINA, José Artur. O que Freud dizia sobre as mulheres. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

MORRIS, David B. The Culture of Pain. Berkeley: University of Berkeley Press, 1991.

NERI, Regina. Anti-Édipo / Psicanálise: um debate atual. Ágora, v. VI, n. 1, p. 21-43, jan./jun. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/agora/a/wgnN6FY3TnvW4GV76VPPjFd/?lang=pt&format=html#. Acesso em: 4 jul. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-14982003000100002

ORTIZ, Damaris Roure. Subjetividades discursivas del dolor crónico femenino: una aproximación psicoanalítica. Tese (Doutorado) - Universidad de Puerto Rico, Departamento de Psicología, Puerto Rico, 2023.

PINTO, Joana Plaza. Linguagem, feminismo e efeitos de corpo. In: SILVA, D. N.; FERREIRA, D. M. M.; ALENCAR, C. N. (Org.) Nova Pragmática: modos de fazer. São Paulo: Cortez Editora, 2014, p. 171-190.

ROUDINESCO, Elizabeth. IV. O sexo, a mulher e a histeria. In: ROUDINESCO, E. História da psicanálise na França: a Batalha dos Cem Anos. Vol. 1: 1885-1939. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1989, p. 38-44.

SILVEIRA, Maria Lúcia da. O nervo fala, o nervo cala: a linguagem da doença. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2000. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575416099

SLOMPO, Thais Krukoski Marques e Silva; BERNARDINO, Leda Mariza Fischer. Estudo comparativo entre o quadro clínico contemporâneo “fibromialgia” e o quadro clínico “histeria” descrito por Freud no século XIX. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. IX, n. 2, p. 263-278, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/1415-47142006002006

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

CAETANO ALMEIDA, K. A histeria como materialidade e subversão: uma cartografia do sofrimento gendrado e um convite à inversão conotativa. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 190–211, 2023. DOI: 10.14393/HTP-v5n2-2023-70224. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/70224. Acesso em: 15 jul. 2024.