Práticas discursivas contra a naturalização das desigualdades

o caso da experiência/enquete do Açúcar Guarani

Autores

  • Felipe Masquio de Souza Universidade Federal de São Carlos - UFSCar
  • Vanice Sargentini Universidade Federal de São Carlos - UFSCar https://orcid.org/0000-0002-7760-3075

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v5n1-2023-68507

Palavras-chave:

Discurso, Práticas discursivas, Dispositivo, Politicamente correto, Lugar de fala

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir como as práticas discursivas que alimentam um dispositivo, na acepção de Foucault, atuam na naturalização das desigualdades. Desenvolve-se a análise de um discurso aparentemente homogêneo da campanha e da ação solidária da empresa Açúcar Guarani, em material divulgado nas redes sociais em 2022, a propósito de nomes tradicionais de doces, considerados politicamente incorretos e ofensivos às chamadas minorias. Com base nos postulados revisitados da Análise do Discurso foucaultiana, cotejando textos verbais e não verbais da campanha, foi possível perceber como a heterogeneidade está presente de forma simultânea num dispositivo colonial e decolonial. A análise apontou ainda que é no discurso em que são conflagradas as contradições entre as práticas sociais. Para isso, no que diz respeito à mulher e à mulher negra, analisou-se também os movimentos de interdição dos dizeres, o politicamente correto e o lugar de fala como movimentos correlatos da noção de “liberdade de expressão”, amplamente divulgada em nosso século nos países do mundo ocidental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Masquio de Souza, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Mestre e Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar.

Vanice Sargentini, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Professora Sênior do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSCar. Coordenadora do Laboratório de Estudos do Discurso – Labor (UFSCar).

Referências

BARROS, D. L. P. Contribuições de Bakhtin às teorias do texto e do discurso. In: FARACO, C. A.; TEZZA, C.; CASTRO, G. (org.). Diálogos com Bakhtin. 4. ed. Curitiba: Editora UFPR, 2007.

CHAUÍ, M. S. Convite à Filosofia. 7. ed. São Paulo: Ática, 2000.

COURTINE, J.-J. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Petrópolis: Vozes, 2013.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 12. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. O jogo de Michel Foucault. In: MOTTA, M. B. (org.). Genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Ditos e Escritos IX. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

KOHL, H. I wont learn from you: and other thoughts on creative maladjustment. New York: New Press, 1994.

LEITE, F. Por uma visão de estereótipos: as propostas e os efeitos das propagandas contraintuitiva e politicamente correta. Comunicologia: Revista de Comunicação e Epistemologia da Universidade Católica de Brasília, Brasília, v. 1, n. 1, p. 129-146, 2008.

LISBÔA, F. O dispositivo colonial: entre a arqueogenealogia de Michel Foucault e os estudos decoloniais. Moara, Belém, n. 57, v.2, jan./jul., 2021. DOI: https://doi.org/10.18542/moara.v2i57.8868

LOPES, M. A. P. A cultura do cancelamento no dispositivo midiático: subjetividade e prática de si. Revista do GEL, v. 19, p. 146-164, 2022. DOI: https://doi.org/10.21165/gel.v19i1.3225

NAVARRO, P. Estudos discursivos foucaultianos: questões de método para análise de discursos. Moara, Belém, n. 57, v. 1, ago./dez., 2020. DOI: https://doi.org/10.18542/moara.v1i57.9682

NAVARRO-BARBOSA, P. O acontecimento discursivo e a construção da identidade na História. In: SARGENTINI, V.; NAVARRO-BARBOSA, P. Foucault e os domínios da linguagem: discurso, poder, subjetividade. São Carlos: Claraluz, 2004.

NEVES, I. EtniCidades: os 400 anos de Belém e a presença indígena. Moara, Belém, v. 43. p. 26-44, jan./jun. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/moara/article/view/2634/3783. Acesso em: 18 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.18542/moara.v1i43.2634

NEVES, M. H. de M. Do “politicamente correto” ao incorretamente polido. DELTA, v. 30, n. 1, 2014. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/delta/article/view/16591. Acesso em: 18 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-44502014000100008

POSSENTI, S. Como estaremos em 2022. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 82, p. 150-161, 2022. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i82p150-161

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SARGENTINI, V. Dispositivo um aporte metodológico para o estudo do discurso. In: SOUSA, K.; PAIXÃO, H. (org.). Dispositivos de poder/saber em Michel Foucault: biopolítica, corpo e subjetividade. São Paulo: Intermeios; Goiânia: UFG, 2015.

TOMEI, P. A responsabilidade social da empresa: análise quantitativa da opinião do empresariado nacional. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 24, n. 4, p. 189-202, 1984. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75901984000400029

ZANINI, G. M. Publicidade e o politicamente correto: interdiscursividades na construção social do sentido. 2015. 125f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social), Faculdade de Comunicação, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2015.

Downloads

Publicado

2023-06-30

Como Citar

MASQUIO DE SOUZA, F.; OLIVEIRA SARGENTINI, V. M. Práticas discursivas contra a naturalização das desigualdades: o caso da experiência/enquete do Açúcar Guarani. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 111–131, 2023. DOI: 10.14393/HTP-v5n1-2023-68507. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/68507. Acesso em: 17 jul. 2024.