Entre as imagens e as melodias do cinema

delineamentos do dispositivo musical-cinematográfico pela trilha sonora de animações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v4n2-2022-66852

Palavras-chave:

Discurso, Cinema de animação, Dispositivo musical-cinematográfico, Trilha sonora

Resumo

O discurso do meio cinematográfico da animação vem desempenhando papel preponderante nas condutas que podem ser assumidas socialmente, inclusive, em perspectivas do cuidado de si e em processos de subjetivação. O cinema é, assim como as posições de sujeito constituídas na atualidade, atravessado por forças de poder e saberes que preconizam diferentes configurações para a produção de subjetividades. A fim de desempenhar um estudo discursivo a respeito das forças e dos saberes que configuram a musicalidade no campo cinematográfico, este estudo toma os pressupostos teóricos de Michel Foucault, em especial o conceito de enunciado (FOUCAULT, 2008) e a respeito do dispositivo discursivo (FOUCAULT, 2019), para analisar uma série enunciativa constituída de excertos de dois filmes de animação. A partir do recorte desses enunciados semiológicos, com respaldo em teóricos do discurso (NAVARRO, 2020; SARGENTINI, 2015) e do campo musical (CAZARIM, 2019; PASCHOAL, 2017), foram cartografadas possíveis configurações do que aqui se intitula dispositivo musical-cinematográfico. Defende-se a existência de processos de subjetivação manifestados nas animações, mediados pelo preenchimento estratégico do dispositivo, que funciona em rede e que pode agir diretamente na constituição dos indivíduos e dos discursos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Íngrid Lívero, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Graduada em Letras - Português/Inglês pela Universidade Estadual de Maringá, mestra em Estudos Linguísticos, com foco em Estudos do Texto e do Discurso, pelo Programa de Pós-graduação em Letras da mesma instituição (PLE/UEM). Integrante do Grupos de Estudos Foucaultianos (GEF/UEM).

Referências

AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. A Análise do filme. Lisboa: Texto e Grafia, 2004.

CAZARIM, Thiago. Estética, saber e modernidade: a arqueologia de Michel Foucault e os signos musicais. Curitiba: Appris, 2019.

FOSSATI, Carolina Lanner. Cinema de animação: uma trajetória marcada por inovações. In: ENCONTRO NACIONAL DE HISTÓRIA DA MÍDIA, 7., 2009, Fortaleza. Anais eletrônicos [...]. Fortaleza: Alcar, 2009. Disponível em: . Acesso em: 7 maio 2022.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Outros espaços. In: MOTTA, M. B. (Org.). Ditos e escritos III: Estética: literatura e pintura, música e cinema. Tradução Inês A. D. Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Editora, 2009, p. 411-422.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. 24. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 10. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GREGOLIN, Maria do Rosário. Recitações do mito: a história na lente da mídia. In: GREGOLIN, M. R. (Org.). Filigranas do discurso: as vozes da história. Araraquara: FCL/Laboratório Editorial/ UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 2000. p. 19-34.

JORDÃO, Íngrid F. Lívero. Um cinema de sinfonias: a trilha sonora de filmes de animação como dispositivo discursivo e seus efeitos subjetivadores. 2022. 170 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2022.

NAVARRO, Pedro. Estudos discursivos foucaultianos: questões de método para análise de discursos. Moara – Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Letras, [S. l.], v. 1, n. 57, p. 8-33, 2020. Disponível em: <https://www.periodicos.ufpa.br/index.php/moara/article/view/9682/6672>. Acesso em: 5 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.18542/moara.v1i57.9682

PASCHOAL, Stefano. Anáfora ou repetição em Música: figura e recurso expressivo. Revista ouvirOUver, v. 13, n.1, p. 216-230, 2017. Disponível em: <https://seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/35495>. Acesso em: 7 maio. 2022. DOI: https://doi.org/10.14393/OUV20-v13n1a2017-16

RANCIÈRE, Jacques. Dos regimes da arte e do pouco interesse da noção de modernidade. In: RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. Tradução Mônica Costa Netto. 2 ed. São Paulo: EXO experimental/ Editora 34, 2009, p. 27-44.

SARGENTINI, Vanice Maria de Oliveira. Dispositivo: um aporte metodológico para o estudo do discurso. In: SOUZA, K. M.; PAIXÃO, H. P. (org.). Dispositivos de poder/saber em Michel Foucault: biopolítica, corpo e subjetividade. São Paulo: Intermeios; Goiânia: UFG, 2015, p. 17-27.

SOUSA, Kátia Menezes. A História da Sexualidade e outras histórias do presente. In: MARQUES, W.; CONTI, M. A.; FERNANDES, C. A. (org.). Michel Foucault e o discurso: aportes teóricos e metodológicos. Uberlândia: EDUFU, 2013, p. 197-215.

UP, ALTAS AVENTURAS. Direção de Pete Docter e Bob Peterson. Produção de John Lasseter, Jonas Rivera e Andrew Stanton. Estados Unidos: Pixar Animation Studios e Walt Disney Studios, 2009. 1 DVD (96 min.), son., color.

VIVA, A vida é uma festa. Direção de Adrian Molina e Lee Unkrich. Produção de Darla K. Anderson e John Lasseter. Estados Unidos: Pixar Animation Studios e Walt Disney Studios, 2018. 1 DVD (105 min.), son., color.

Downloads

Publicado

2023-01-31

Como Citar

LÍVERO, Íngrid. Entre as imagens e as melodias do cinema: delineamentos do dispositivo musical-cinematográfico pela trilha sonora de animações. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 226–254, 2023. DOI: 10.14393/HTP-v4n2-2022-66852. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/66852. Acesso em: 13 jul. 2024.