A mulher (na) política brasileira em perfis jornalísticos no Instagram

Autores

  • Juliana Morais Martins Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v3n2-2021-62269

Palavras-chave:

Análise do Discurso Foucaultiana, Mulher (na) política, Enunciado, Instagram

Resumo

Este artigo analisa os discursos sobre mulheres atuantes na esfera política no Brasil no Instagram. Assim, tem-se como pergunta de pesquisa: “Como se constitui o discurso sobre a mulher na política brasileira em postagens de perfis jornalísticos no Instagram?”. Para isto, buscou-se analisar as postagens veiculadas em três perfis presentes no SRS Instagram, a saber: O Antagonista, Folha de S. Paulo e a revista Carta Capital. Tem-se como linha teórico-metodológica a Análise do Discurso francesa (AD) com base nos estudos do filósofo Michel Foucault, notadamente as noções de discurso e enunciado. Para tanto, busca-se investigar as maneiras pelas quais o discurso sobre a mulher (na) política se revela e é construído em veículos jornalísticos de diferentes linhas políticas no Brasil, dentro do período pré-eleitoral de 2018. Por meio da análise do corpus, observaram-se as seguintes regularidades discursivas: i) a mulher ligada ao homem – a noção de família; ii) a invisibilidade da mulher (na) política. Nota-se a baixa reincidência de postagens que colocam a mulher em foco, como ponto central das matérias veiculadas no Instagram, bem como a construção de um vínculo dessa mulher com a figura masculina no momento em que esta adentra no campo político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Morais Martins, Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas

Mestra em Estudos Linguísticos, com ênfase em Análise do Discurso pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Membro do Grupo de Pesquisa Laboratório de Estudos Discursivos Foucaultianos (LEDIF). Atualmente, cursa Especialização em Revisão de Textos pela PUC Minas.

Referências

BRASIL. Decreto-lei nº 9.100, de 29 de setembro de 1995. Estabelece normas para a realização das eleições municipais. Presidência da República, Brasília, DF, 29 set. 1995. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9100.htm>. Acesso em: 18 abr. 2019.

BRASIL. Decreto-lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997. Estabelece normas para as eleições. Tribunal Superior Eleitoral, Brasília, DF, 30 set. 1997. Disponível em: <http://www.tse.jus.br/legislacao/codigo-eleitoral/lei-das-eleicoes/lei-das-eleicoes-lei-nb0- 9.504-de-30-de-setembro-de-1997>. Acesso em: 18 set. 2018.

BRASIL. Projeto de lei do Senado, nº 98, de 2015. Altera a redação dos artigos 147 e 148 da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997. Senado Federal, Brasília, DF, 11 mar. 2015. Disponível em: <https://legis.senado.leg.br/sdleggetter/documento?dm=4756851&ts=1553283186542&disposi tion=inline>. Acesso em: 3 mar. 2019.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf>. Acesso em: 10 maio 2019.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Rio de Janeiro Editora Civilização Brasileira, 2018.

DEL PRIORE, Mary. Sobreviventes e guerreiras: uma breve história das mulheres no Brasil: 1500-2000. São Paulo: Planeta, 2020.

FERNANDES, Cleudemar Alves. Discurso e Sujeito em Michel Foucault. Intermeios: São Paulo, 2012.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. 24 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 8 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2016.

GARCIA, Dantielli Assumpção. Cisgênero. In: ORLANDI, E. Enciclopédia discursiva da cidade. Disponível em: <https://www.labeurb.unicamp.br/endici/index.php?r=verbete%2Fview&id=80>. Acesso em: 2 ago. 2020.

GREGOLIN, M. R. Michel Foucault: o discurso das tramas da história. In: FERNANDES, C. A; SANTOS, J. B. C. (Org.). Análise do discurso. Unidade e Dispersão. Uberlândia: Entremeios, 2004, p. 19-42.

GRUPO GLOBO. Site oficial Grupo Globo. Áreas de atuação do grupo globo. Disponível em: <https://grupoglobo.globo.com/quem-somos/>. Acesso em: 5 maio 2019.

GRUPO FOLHA. Site oficial Grupo Folha. Conheça o grupo folha. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/institucional/>. Acesso em: 5 maio 2019. DOI: https://doi.org/10.35416/geoatos.v5i12.6692

POLLA, Daniela; NAVARRO, Pedro. O sujeito idoso tecnológico: um movimento descritivo-analítico. IV CONALI, Anais..., Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013.

PROSS, Harry. Estructura simbólica del poder: teoría y práctica de la comunicación pública. Barcelona: G. Gili, 1980.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar. 4 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 2013.

SANTOS, Regma Maria dos. Comunicação, coerção e violência simbólica. In: FERNANDES, C. A. (Org.). A violência na contemporaneidade: do simbólico ao letal. São Paulo: Intermeios, 2017, p. 47-61.

SEMANA da mulher: primeira prefeita eleita no Brasil foi a potiguar Alzira Soriano. Comunicação. Tribunal Superior Eleitoral, Brasília, 5 mar. 2013. Disponível em: <http://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2013/Marco/semana-da-mulher-primeira-prefeita- eleita-no-brasil-foi-a-potiguar-alzira-solano>. Acesso em: 5 jun. 2019

SCHUMAHER, Schuma; CEVA, Antonia. Mulheres no poder: trajetórias na política a partir da luta das sufragistas do Brasil. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2015.

Downloads

Publicado

2021-11-10

Como Citar

MORAIS MARTINS, J. A mulher (na) política brasileira em perfis jornalísticos no Instagram. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 82–109, 2021. DOI: 10.14393/HTP-v3n2-2021-62269. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/62269. Acesso em: 26 nov. 2022.