Corpo, estupro e processo de não-nomeação em Cidade de Deus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v3n2-2021-62264

Palavras-chave:

Sujeito, Corpo, Interdição

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar o funcionamento discursivo do estupro em Cidade de Deus, a partir do dispositivo teórico e metodológico da Análise de Discurso. Ao observar o discurso fílmico, compreendemos que a relação sujeito e corpo constitui um olhar sobre a violência contra a mulher, materializando no filme, pela cena do estupro e pelo processo de não-nomeação, a interdição do desejo feminino, da opressão sofrida pela mulher, da objetificação dos corpos e das relações de força, que se marcam pela divisão dos sentidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Surubi Fernandes, Universidade Estadual de Goiás - UEG/Unidade de Iporá

Professora na área de Língua Portuguesa e Linguística da Universidade Estadual de Goiás - UEG, no curso de Letras/Campus Oeste/Unidade de Iporá. Doutora em Linguística pela Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT.

Olimpia Maluf Souza, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Possui graduação em Psicologia pela Universidade de Uberaba (1982), Mestrado (2000) e Doutorado (2004) em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP. Atualmente é professora titular da graduação e da pós-graduação em Linguística pela Universidade do Estado de Mato Grosso/UNEMAT.

Referências

BERNARDES, Priscila Gonçalves; TEIXEIRA, Roberto Aparecido. Erotizadas e punidas: a representação das mulheres em Cidade Deus (2002). Revista do Laboratório de Estudos da Violência da UNESP, Marília, ed. 7, jun. 2011. Disponível em: <http://www.levs.marilia.unesp.br/revistalevs/edicao7/autores/4_ErotizadasPunidas.pdf>. Acesso em 23 jul. 2020.

CIDADE DE DEUS: Filme. Brasil, 2002, drama. Direção: Fernando Meirelles, Roteiro: Braúlio Mantovani, Produção: Andréia Barata Ribeiro e Maurício Andrade Ramos, DVD, cor, 130 min., 2002.

COLASANTI, Marina. Um espinho de marfim e outras histórias. Porto Alegre: L&M, 2012.

COSTA, Greciely Cristina. Discurso, cinema e cultura em suas práticas de significação: um relato sobre o Cineclube Nelson Mandela. In: ORLANDI, E. P.; MASSMANN, D. (Orgs.). Cultura e diversidade. Campinas: Pontes, 2016, p. 167-178.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do Acontecimento: um estudo enunciativo da designação. 2 ed. Campinas: Pontes, 2005.

HASHIGUTI, Simone Tiemi; LEMES, Fabiane; PAIVA, Taís Iniz de. #EuNãoMereçoSerEstuprada: o corpo feminino no dispositivo da violência. In: HASHIGUTI, S. T; TAGATA, W. M. (Orgs.). Corpos, Imagens e Discursos Híbridos. Campinas: Pontes, 2016, p. 119-137.

LAGAZZI, Suzy. O recorte significante da memória. INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. L.; MIITMAN, S. (Orgs.). O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos: Claraluz, 2009, p. 65-78.

LAGAZZI, Suzy. Paráfrases da imagem e cenas prototípicas: em torno da memória e do equívoco. In: FLORES, F. G. B.; NECKEL, N. R. M.; GALLO, S. M. L. (Orgs.). Análise de discurso em rede: cultura e mídia. Campinas: Pontes, 2015, p. 177-189.

JULLIER, Laurent; MARIE, Michel. Lendo as imagens do cinema. Tradução Magda Lopes. São Paulo: Senac, 2009.

MILANEZ, Nilton; BITTENCOURT, Joseane Silva. Materialidades da imagem no cinema: discurso fílmico, sujeito e corpo em A Dama De Ferro. Revista Movendo Ideias, v. 17, n. 2, p. 7-20, jul.-dez. 2012. Disponível em: <http://revistas.unama.br/index.php/Movendo-Ideias/article/view/631>. Acesso em: 2 nov. 2017.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Texto e discurso. Organon. Revista do Instituto de Letras da UFRGS, v. 9, n. 23, 1995, p. 111-118. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/organon/article/view/29365>. Acesso em: 11 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.29365

ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 2 ed. Campinas: Pontes, 2005.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 7 ed. Campinas: Pontes, 2007a.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 5 ed. Campinas: Pontes, 2007b.

ORLANDI, Eni Puccinelli; GUIMARÃES, Eduardo. Unidade e dispersão: uma questão do texto e do sujeito. In: ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2008, p. 53-76.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura e acontecimento. 5 ed. Campinas: Pontes, 2008.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4 ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2009.

PERROT, Michelle. Os silêncios do corpo da mulher. In: MATOS, M. I. S. de; SOIHET, R. (Orgs.). Corpo feminino em debate. São Paulo: UNESP, 2003, p. 13-28

PINTO, Danilo Corrêa. Corpos femininos produzidos pelo discurso da mídia para os desfiles de escolas de samba do carnaval carioca. In: HASHIGUTI, S. T.; TAGATA, W. M. (Orgs.). Corpos, imagens e discursos híbridos. Campinas: Pontes, 2016, p. 59-76

VIGARELLO, George. História do estupro: violência sexual nos séculos XVI-XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

Downloads

Publicado

2021-11-10

Como Citar

SURUBI FERNANDES, F.; MALUF SOUZA, O. Corpo, estupro e processo de não-nomeação em Cidade de Deus. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 63–81, 2021. DOI: 10.14393/HTP-v3n2-2021-62264. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/62264. Acesso em: 13 ago. 2022.