O indisciplinado patológico em Augusto Cury

uma análise da discursividade de autoajuda para educadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v3n2-2021-62142

Palavras-chave:

Indisciplinado, Estudos foucaultianos, Autoajuda, Augusto Cury

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o transbordamento da literatura de autoajuda na Educação e compreender, a partir de obras do Augusto Cury, a discursividade que circula e produz uma categorização do indivíduo indisciplinado na escola atual. Para esta análise, me alio aos estudos foucaultianos e busco por relações de saber e poder que conduzam a práticas de divisão ao categorizar certos indivíduos como indisciplinados e não outros, bem como as redes discursivas que sustentam a atualização deste modo de visibilidade. Focalizando as discursividades presentes nas obras de Cury pude elaborar o eixo de análise, que apresenta maneiras de compreender distúrbios da mente, como central para a categorização: o indisciplinado patológico. Com esse eixo produzi três divisões argumentativas: Causas, Gestão e resolução e Características. Assim, o indisciplinado patológico é produzido por enunciações que o reconhecem a partir de características de distúrbios da mente e das condutas, Síndrome do Pensamento Acelerado, excesso de cansaço, irritabilidade, ansiedade, fadiga e informações além da capacidade de processamento cerebral. A causa é uma sociedade patologizante, uma sociedade que produz doenças. A solução são ações educativas que ensinem cada um a cuidar de si mesmos, uma individualização e divisão de si e do fora. Uma necessidade de gestão de si mesmo com ferramentas vistas como adequadas, é com elas que os educadores precisam, então, estar atentos ao olhar que examina, percebe e dispõe as ferramentas corretas para a autogestão da mente e das emoções. Desse modo, busco contribuir tanto para as discussões sobre a proliferação da autoajuda na Educação quanto propondo elementos que ajudem a desnaturalizar o modo que se categoriza um indivíduo como indisciplinado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dimitrius Gonçalves Machado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Mestre em Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul na linha de Estudos Culturais em Educação com bolsa CAPES. Licenciando em Filosofia na UNINTER. Licenciado em Música no Centro Universitário Metodista IPA.

Referências

AQUINO, Julio Groppa. A indisciplina e a escola atual. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 181-204, jul.-dez. 1998. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rfe/article/view/59634>. Acesso em: 10 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/rfe.v24i2.59634

AQUINO, Julio Groppa. Da (contra)normatividade do cotidiano escolar: problematizando discursos sobre a indisciplina discente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 143, p. 456-484, maio-ago. 2011. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/cp/a/HMV47d5Wj5mWSt4P73jR7hj/?lang=pt >. Acesso em: 10 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742011000200007

AQUINO, Julio Groppa. Indisciplina escolar: um itinerário de um tema/problema de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n. 161, p. 664-692, jul.-set. 2016. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/3670>. Acesso em: 10 jun. 2021.

ARNOSTI, Rebeca Possobon; NETO, Samuel de Souza; BENITES, Larissa Cerignoni. A socialização profissional do professor e a escolar: em questão, a influência da Literatura de Autoajuda no trabalho docente. Revista Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 16, n. 46, p. 404-443, 2019. Disponível em: <http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/view/2998/47966336>. Acesso em: 10 jun. 2021.

CHAMAYOU, Grégoire. A sociedade ingovernável: uma genealogia do liberalismo autoritário. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

CURY, Augusto. Sítio oficial. Disponível em: <http://www.augustocury.com.br/>. Acesso em: 10 jun. 2019.

CURY, Augusto. Filhos brilhantes, alunos fascinantes. 2 ed. São Paulo: Planeta, 2015.

CURY, Augusto. 20 regras de ouro para educar filhos e alunos: como formar mentes brilhantes na era da ansiedade. São Paulo: Planeta, 2017.

CURY, Augusto. Pais brilhantes, professores fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante. 2018a.

CURY, Augusto. Socorro, meu filho não tem limites! Manual prático para educar filhos ansiosos, mas muito inteligentes. São Paulo: Planeta do Brasil, 2018b.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Editora Boitempo, 2016.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: Aula Inaugural no Collège de France, Pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 3 ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 2014.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 9 ed. Organização, introdução e revisão técnica Roberto Machado. Rio de Janeiro; São Paulo: Paz e Terra, 2019.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e Educação. In: SILVA, T. T. da (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

LOPES, Carine Winck. Práticas de leitura de professoras na contemporaneidade & Literatura de autoajuda. 2012. 178f. Dissertação (Dissertação em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

LOPES, Carine Winck. Presença do gênero autoajuda na formação de professores: práticas de leitura de estudantes em cursos de Pedagogia. 2016. 197f. Tese (Doutorado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

MACHADO, Dimitrius Gonçalves. A categorização do indisciplinado na escola atual: uma

análise a partir do transbordamento da literatura de autoajuda na Educação. 2020. 192f. Dissertação (Mestrado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

MARÍN-DÍAZ, Dora Lilia. Autoajuda e Educação: uma genealogia das antropotécnicas contemporâneas. 212. 491f. Tese (Tese em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

MILLER, Peter; ROSE, Nikolas. Governando o presente: gerenciamento da vida econômica, social e pessoal. São Paulo: Paulus, 2012.

MORAES, Antônio Luiz de. Governamentalidade e autoridade na Educação: a conduta ética como ação política em Foucault. 2015. 154f. Tese (Doutorado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

POPKEWITZ, Thomas S. História do Currículo, Regulação Social e Poder. In: SILVA, T. T. da (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. 6 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

VARELA, Júlia; ALVAREZ-URIA, Fernando. A maquinaria escolar. Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 6, p. 68-96, 1992.

VEIGA-NETO, Alfredo. Michel Foucault e os estudos culturais. In: COSTA, M. V. (Org.). Estudos culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema... Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2000.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

Downloads

Publicado

2021-11-10

Como Citar

GONÇALVES MACHADO, D. O indisciplinado patológico em Augusto Cury: uma análise da discursividade de autoajuda para educadores. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 41–62, 2021. DOI: 10.14393/HTP-v3n2-2021-62142. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/62142. Acesso em: 19 maio. 2022.