A imagem como utopia em heterotopias e noção de intericonicidade frente à escrita do acontecimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v4n2-2022-61394

Palavras-chave:

Intericonicidade, Discurso fílmico, Horror, Utopia, Heterotopias

Resumo

E

Este trabalho apresenta uma discussão que tem como objetivo principal propor um novo risco ao contorno da noção de intericonicidade que aparece em Courtine, precisamente, em 2003. Aí encontramos uma abertura que nos permite traçar outras curvaturas em sua noção. É justamente por este interstício que vamos propor a inclusão de dois elementos que, a nosso ver, estão na ordem da constituição das imagens: as utopias e heterotopias, conforme discussões iniciadas anteriormente por Araújo (2014a, 2014b). Para tanto, tomamos como pano de fundo as imagens em movimento de duas produções francesas de horror e as imagens fotográficas da prisão de Abou Ghraib que serão analisadas à luz da discussão realizada por Foucault em Le corps utopique, les heterotopies e em Outros Espaços, juntamente com as discussões de Courtine e de Milanez acerca da intericonicidade (cf. COURTINE, 2005; 2011; 2013; MILANEZ, 2011a; 2011b; 2013a, 2013b). Os Elementos de Semiologia e A escrita do acontecimento de Barthes também fazem parte da discussão, já que este autor aparece desde cedo no trabalho de Courtine, precisamente, quando buscava apresentar a noção de intericonicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Pereira de Araújo, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Doutor em Memória: Linguagem e Sociedade pela UESB (com bolsa da CAPES e bolsa do PDSE na França). Graduou-se em letras Português com Francês (1995-2000), tornando-se Mestre em Letras: Linguagens e Representações (2009-2011) pelo PPGL da UESC.  Participou dos programas do Ministério das Relações Exteriores da França (Ministère des Affaires Étrangères): Connaissance de la France em 2000 e do Profs en France (2007) no CAVILAM de Vichy (Universidade Blaise Pascal). Faz parte do grupo de Pesquisa em Linguagens, Poder e Contemporaneidade e é conselheiro do CACS/Fundeb (Itabuna-BA) e do Conselho Estratégico Social da UFSB.

Referências

ARAUJO, A. P. Heterotopias e utopias na construção de corpos no cinema francês contemporâneo de horror: lugares de memória para uma arqueologia do medo In: GARCÍA, F.; PINTO, M. O.; FRANÇA, J. (Org.). As arquiteturas do medo e o insólito ficcional: comunicações em simpósios e Livres do XII Painel Reflexões sobre o insólito na narrativa ficcional / IV Encontro Regional O Insólito como Questão na Narrativa Ficcional / VI Fórum Estudos em Língua e Literatura Inglesa / Rio de Janeiro: Dialogarts, 2014a, p. 240-253.

ARAUJO, A. P. Utopias e heterotopias no interior e nas fronteiras do discurso-corpo no cinema francês de horror contemporâneo. In: MILANEZ, N.; GHAMA-KHALIL, M.; PESSOA-BRAZ, A. (Org.). Outros corpos, espaços outros. Vitória da Conquista: Labedisco, 2014b.

ARAUJO, A. P. Michel Foucault entre a memória e o cinema de horror. – S/L: Exu Edições Virtuais, 2019.

ARAUJO, A. P. A ordem do discurso de Michel Foucault: 50 anos de uma obra que revelou o jogo da rarefação dos sujeitos e a microfísica dos discursos. Unidad Sociológica, Buenos Aires, n. 19, ano 5, p. 14-23, jun.-set. 2020.

ARAUJO, A. P. et al. (Org.). Cinema, corpo e discurso: entre conversações em Paris. S/L: Exu Edições Virtuais, 2019.

ARAUJO, A. P.; MILANEZ, M. Para além de Vigiar e Punir: o controle social do corpo e a recodificação da memória popular em filmes de horror. Unidad Sociológica, Buenos Aires, v. 4, n. 2, p. 56-64, 2015.

ARAÚJO, A. P.; MILANEZ, N. O discurso fílmico de horror francês e a questão “do quem somos nós hoje”: um lugar para memória do corpo. In: VII SPEL, 2012, Vitória da Conquista - BA. Anais do VII SPEL. Vitória da Conquista - Bahia, 2012.

ARAÚJO, A. P.; MILANEZ, N. O corpo como espaço e como posição em Foucault. 2013. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=0P7wNwGRHMo>. Acesso em: dez. 2013.

AUDOIN-ROUZEAU, S. Massacres: o corpo e a guerra. In: COURBIN, A.; COURTINE, J. -J.; VIGARELLO, G. (Orgs.). História do corpo. As mutações do olhar: o século XX. Tradução Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

AUMONT, J. O filme como representação visual e sonora. In: AUMONT, J. et al. A estética do filme. Tradução Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 1995, p. 53-86.

BAECQUE, A. O corpo no cinema. In: COURBIN, A.; COURTINE, J. -J.; VIGARELLO, G. (Orgs.). História do corpo. As mutações do olhar: o século XX. Tradução Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008, p. 481-507.

BAILLON, J. -F. Horreurs britanniques 1956-1976: une identité nationale en crise. In: PAQUET-DEYRIS, A. -M. Les cinémas de horreur: les maléfiques. Condé-sur-Noireau: Corlet, 2010, p. 36-43.

BARTHES, R. Elementos de semiologia. Tradução Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1971.

BARTHES, R. A escrita do acontecimento. In: TODOROV, T. et al. Semiologia e linguística (seleção de ensaios da revista Communications). Tradução Lígia Maria Pondé Vassalllo e Moacy Cirne. 2. ed. Petrópolis - RJ: Vozes, 1972, p. 161-168.

CHAVES FILHO, T. C.; MILANEZ, N. Discurso dos corpos: sexualidade e monstruosidade na materialidade fílmica de “amadas e violentadas” (1976). In: GASPAR, N. R.; ROMÃO, L. M. S. (Org.). Discurso e leitores de imagens. São Carlos: EdUFSCar, 2012, p. 8-13. Disponível em <http://www.jornadaadci.ufscar.br/pdfs/ebook/7.pdf> Acesso fev. 2013.

CHEVALIER-CHANDEIGNE, O. La philosophie du cinéma d'horreur: effroi, éthique et beauté. Paris: Ellises, 2014.

COURTINE, J. -J. Déchiffrer le corps: penser avec Foucault. Paris: Jérôme Millon, 2011.

COURTINE, J. -J. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Tradução Francisco Morás. Petrópolis, RJ: 2013

COURTINE, J. -J.; MILANEZ, N. Intericonicidade: entre(vista) com Jean-Jacques Courtine. Registro audiovisual, 2005. Disponível em: <http://www.grudiocorpo.blogspot.com/>. Acesso em: 11 nov. 2012.

FOUCAULT, M. O nascimento da clínica. Tradução Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1977.

FOUCAULT, M. A governamentalidade. In: Microfísica do Poder. Organização, introdução e tradução Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979, p. 277-293.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 1981.

FOUCAULT, M. Arqueologia do Saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In.: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p. 231-249

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France: pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução Raquel Ramalhete. 16. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso do Collège de France (1975-1976). Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. As palavras e as imagens. In: Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Tradução Elisa Monteiro; organização, seleção e revisão técnica Manoel Barros da Mota. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000, p. 81-84.

FOUCAULT, M. Os anormais: cursos no Collège de France (1974-1975). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, M. Outros espaços. In: Estética: Literatura e pintura, música e cinema. Tradução Inês Autran Dourado Barbosa; organização, seleção e revisão técnica Manoel Barros da Mota. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001, p. 411-422.

FOUCAULT, M. Le corps utopique – les heterotopies. Apresentação e posfácio Daniel Defert. Paris: Edições Lignes, 2009.

GENS, X. Frontières: interview du réalisateur Xavier Gens. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=RFmZTITo_88>. Acesso em: nov. 2012.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Tradução Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2003.

MARTIN, M. A linguagem cinematográfica. Tradução Paulo Neves. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2011.

METZ, C. A significação no cinema. Tradução Jean Claude Barnadet. São Paulo: Perspectiva, 1972 (coleção Debates: cinema).

MILANEZ, N. A possessão da subjetividade. In: SANTOS, J. B. C. (Org.) Sujeito e subjetividade: discursividade contemporâneas. Uberlândia: EDUFU, 2009, p. 281-300.

MILANEZ, N. O nó discursivo entre corpo e imagem: intericonicidade e brasilidade. In: CHIARETTI, P.; MONTE-SERRAT, D. M.; TFOUNI, L. V. (Orgs.) A análise do discurso e suas interfaces. São Carlos - SP: Pedro&João Editores, 2011a, p.147-149.

MILANEZ, N. Discurso e imagem em movimento: o corpo horrorífico do vampiro no trailer. São Carlos - SP: Claraluz, 2011b.

MILANEZ, N. Intericonicidade: funcionamento discursivo da memória das imagens. Acta Scientiarum: Language and Culture, Maringá, v. 35, n. 4, p. 345-355, out.-dez., 2013. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciLangCult/article/view/20232/pdf>. Acesso em: out 2013a.

MILANEZ, N. Foucault e a história da análise do discurso: olhares e objetos. In: CONTI, M. A.; FERNANDES, C. A.; MARQUES, W. (Orgs.). Michel Foucault: aportes teóricos e metodológicos. Uberlândia: EDUFU, 2013b, p. 37-63.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução Eni Puccinelli Orlandi. Campinas-SP: Ed. Unicamp, 1997.

REVEL, J. Foucault: conceitos essenciais. Tradução Maria do Rosário Gregolin, Nilton Milanez e Carlos Piovezanni Filho. São Carlos: Claraluz, 2005.

RODISNESCO, E. Filósofos na tormenta: Canguilhem, Sartre, Foucault, Althusser, Deleuze e Derrida. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

VERNET, M. Cinema e narração. In: AUMONT, J. et al. A estética do filme. Tradução Marina Appenzeller. Campinas - SP: Papirus, 1995, p. 89-148.

VILAS-BOAS, C. T. Para ler Foucault. Revisão Arnaldo de Almeida, José B. Donadon Leal. Ouro Preto: Imprensa Universitária da UFOP, 1993.

Downloads

Publicado

2023-01-31

Como Citar

PEREIRA DE ARAÚJO, A. A imagem como utopia em heterotopias e noção de intericonicidade frente à escrita do acontecimento. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 4–32, 2023. DOI: 10.14393/HTP-v4n2-2022-61394. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/61394. Acesso em: 19 jul. 2024.