Resistência e pandemia pela lente da mídia jornalística eletrônica brasileira

uma análise discursiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v3n1-2021-59089

Palavras-chave:

Discurso, Resistência, Espaço Público, Governamentalidade, Covid-19

Resumo

A partir da historicidade da pandemia da Covid-19, o artigo apresenta uma investigação discursiva sobre possíveis emergências de práticas de resistência enunciadas no discurso de mídias jornalísticas brasileiras que circulam na internet. As sequências enunciativas constitutivas do corpus são, predominantemente, de ordem imagética e foram coletadas entre os dias oito e vinte e cinco de abril de dois mil e vinte. Optou-se pelo recorte histórico por corresponder ao início da pandemia no Brasil e também ao início das medidas restritivas de isolamento social. Recorrendo à metodologia de análise discursiva arquegenealógica, buscou-se compreender como os espaços públicos foram discursivizados por essas mídias em tempos de pandemia durante o período histórico recortado. Outro objetivo foi conhecer as condições de possibilidade que permitem ou não a prática de resistências à norma discursiva pandêmica em espaços públicos enunciados nas mídias jornalísticas. Ademais, analisaram-se as formações discursivas que atravessam os espaços públicos e que podem possibilitar condição de existência de práticas de resistência. Concluiu-se que o discurso midiático materializa os efeitos de um dispositivo de segurança de funcionamento capilar, porém mostra as formações discursivas política e econômica possibilitando resistência às normas pandêmicas ao promover a aglomeração de indivíduos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hoster Older Sanches, Instituto Federal do Paraná - IFPR

Professor efetivo do quadro do Instituto Federal do Paraná (IFPR), campus Jacarezinho, onde ocupo a cadeira de Língua Portuguesa e de Língua Espanhola. Doutor em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Referências

AMBRÓSIO, Aldo. Desapropriar-se do Eu. In: RAGO, M.; PELEGRINI, M. (orgs.). Neoliberalismo, feminismos e contracondutas: perspectivas foucaultianas. São Paulo: Intermeios, 2019, p. 51-64.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Auxílio Emergencial 2020. 2020. Disponível em <https://www.gov.br/cidadania/pt-br/servicos/auxilio-emergencial>. Acesso em: 7 ago. 2020.

CASTELO BRANCO, Guilherme. As resistências ao poder em Michel Foucault. Trans/Form/Ação, Marília, v. 24, n. 1, p. 237-248, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010131732001000100016&lng=en&nrm=iso. https://doi.org/10.1590/S0101-31732001000100016>. Acesso em: 16 jul. 2020.

CURCINO, Luzmara. Da infâmia à resistência: quando se é notícia porque se lê. In: BRAGA, A.; SÁ, I. (orgs.). Por uma microfísica das resistências: Michel Foucault e as lutas antiautoritárias da contemporaneidade. Campinas: Pontes Editores, 2020, p. 249-274.

FERNANDES, Cleudemar Alves. Corpo e resistência na história. In: BRAGA, A.; SÁ, I. (orgs.). Por uma microfísica das resistências: Michel Foucault e as lutas antiautoritárias da contemporaneidade. Campinas: Pontes Editores, 2020, p. 127-149.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque; J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento. Coleção Ditos & Escritos, v. 2. Organização e seleção de textos Manoel Barros da Motta. Tradução Elisa Monteiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collége de France (1977-1978). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 8. ed. Tradução Luiz Felipe Baeta. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012a.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 25. ed. São Paulo: Graal, 2012b.

FOUCAULT, Michel. De espaços outros. Estud. av., São Paulo, v. 27, n. 79, p. 113-122, 2013. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142013000300008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 31 mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142013000300008 .

FOUCAULT, Michel. Estratégia, poder-saber. Coleção Ditos & Escritos, v. 4. 3. ed. Organização e seleção de textos Manoel Barros da Motta. Tradução Vera Lucia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

GROS, Frédéric. Desobedecer. Tradução Célia Euvaldo. São Paulo: Ubu, 2018.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. O que é desemprego. Disponível em <https://www.ibge.gov.br/explica/desemprego.php>. Acesso em: 7 ago. 2020.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Tradução Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018.

NAVARRO, Pedro. Acontecimento discursivo e feitos de poder sobre o sujeito idoso. In: BUTTURI JUNIOR, A.; SEVERO, C. G. (orgs.). Foucault e as linguagens. Campinas: Pontes Editores, 2018, p. 267-296.

PRADO, Tomás. Foucault e a linguagem do espaço. Rio de Janeiro: Perspectiva, 2018.

SAMPAIO, Simone Sobral. Foucault e a resistência. Goiânia: Editora da UFG, 2006.

VIEIRA, Priscila P. Sobre Michel Foucault e Harvey Milk: os embates entre o direito, a utilidade geral e as liberdades. In: RAGO, M.; PELEGRINI, M. (orgs.). Neoliberalismo, feminismos e contracondutas: perspectivas foucaultianas. São Paulo: Intermeios, 2019, p. 91-111.

Downloads

Publicado

2021-06-15

Como Citar

OLDER SANCHES, H. Resistência e pandemia pela lente da mídia jornalística eletrônica brasileira: uma análise discursiva. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 116–148, 2021. DOI: 10.14393/HTP-v3n1-2021-59089. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/59089. Acesso em: 13 jul. 2024.