Paternidade em tempos pandêmicos no discurso jornalístico

entre poder biopolítico e obediência/desobediência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v3n1-2021-58575

Palavras-chave:

Pandemia, Discurso jornalístico, Paternidade, Poder, Desobediência

Resumo

Neste artigo, são analisados enunciados da esfera jornalística, especificamente, reportagens e/ou notícias cujo referencial discursivo contempla as expressões sintagmáticas “pais na pandemia” e “pais separados na pandemia”. O estatuto de acontecimento discursivo conferido às séries enunciativas permite observar como o exercício da paternidade, em tempos pandêmicos, dispersa-se entre “instituições, leis, vitórias e derrotas políticas, reivindicações, comportamentos, revoltas e reações” (FOUCAULT, 2014, p. 175). É um acontecimento, porque passou a necessitar de comprovação do cumprimento de medidas sanitárias indicadas pelo saber científico para ser justificado. Soma-se a isso o fato de que, nessa produção discursiva, questões jurídicas são associadas à biopolítica, em razão do cuidado para com a saúde familiar e a coletiva. As análises dão visibilidade ao funcionamento do campo jurídico nas relações familiares, o qual se fundamenta no regime de verdade da ciência e em práticas de biopolítica. Concomitantemente a esse funcionamento do poder, materializa-se, também, a relação entre as práticas de liberdade e as de obediência/desobediência, teorizadas por Gros (2018), que são exploradas mediante seu entrelaçamento com o poder governamental, o qual vêm de encontro à investigação de retratos da subjetividade paterna, nos rastros do discurso jornalístico, ao se entrelaçar paternidade à pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Navarro, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Doutor em Letras e Linguística pela UNESP, Araraquara – SP, com estágio pós-doutoral em Linguística pela UNICAMP. Professor Associado da UEM e integrante do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras (PLE-UEM), na área de Linguística, com ênfase na Linha de Estudos do Texto e do Discurso. Líder do Grupo de Estudos Foucaultianos (GEF-CNPq/UEM) e Coordenador do GT – Estudos Discursivos Foucaultianos junto à ANPOLL. Pesquisador bolsista produtividade pelo CNPq.

Íngrid Lívero, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Graduada em Letras – Português/Inglês e Respectivas Literaturas pela Universidade Estadual de Maringá. Mestranda do PLE-UEM, Linguística, na linha de Estudos do Texto e do Discurso. Integrante do GEF-CNPq/UEM.

Mônica Chagas, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Graduada em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina e em Letras – Português/Inglês pela Unicesumar. Mestranda do PLE-UEM, Linguística, na linha de Estudos do Texto e do Discurso. Integrante do GEF-CNPq/UEM.

Referências

ADBO, Helena Najjar. A garantia da publicidade do processo e a divulgação de atos processuais pela mídia: limites e precauções atinentes ao processo civil. In: Anais do XVII Encontro Preparatório para o Congresso Nacional do Conpedi – Salvador. Florianópolis, SC: Fundação José Arthur Boiteux, 2008, p. 2897-2913.

DELEUZE, Gilles. Michel Foucault: as formações históricas. Tradução Cláudio Medeiros, Mario A. Mariano. São Paulo: n-1 Edições e Editora Filosófica Politeia, 2017.

FELIPPI, Ângela Cristina Trevisan. Vozes e sentidos no discurso jornalístico: os processos de construção discursiva no telejornal “Notícias”, do Canal Rural. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, n. 24, 2001, Campo Grande. Anais... Campo Grande: Uniderp, 2001, p. 1-14.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). Tradução Márcio Alves da Fonseca e Salma Tannus Muchail. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. Aula de 17 de março de 1976. In: FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France. São Paulo: Martins Fontes, 1999, p. 285-315. (Coleção tópicos).

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Tradução Roberto Cabral de Melo Machado e Eduardo Jardim Morais. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2002.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução Roberto Machado. 23. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2007.

FOUCAULT, Michel. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: DA MOTTA, Manoel de Barros. Ética, Sexualidade, Política. Coleção Ditos & Escritos, v. 5. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade II: o uso dos prazeres. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

DEFERT, Daniel. Situação do curso. In: FOUCAULT, M. Aulas sobre a vontade de saber. Tradução Rosemary Costhek Abílio. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014, p. 239-262.

DEFERT, Daniel. Qu’est-ce que la critique? - suivi de La culture de soi. Paris: Vrin - Philosophie du présent, 2015.

GREGOLIN, Maria do Rosário. Foucault e Pêcheux na análise do discurso: diálogos e duelos. 2. ed. São Carlos: Editora Claraluz, 2006.

GROS, Frédéric. Desobedecer. Tradução Célia Euvaldo. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

JUSTIÇA do DF suspende visitas paternas temporariamente para evitar disseminação da Covid-19. Migalhas, 16 abr. 2020. Disponível em: <https://migalhas.uol.com.br/quentes/324852/justica-do-df-suspende-visitas-paternas-temporariamente-para-evitar-disseminacao-da-covid-19>. Acesso em: 16 dez. 2020.

MACHADO, Roberto. Por uma genealogia do poder. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Organização e tradução Roberto Machado. 23. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2007.

PAI reverte decisão e poderá visitar filha durante a pandemia. Migalhas, 2020a. Disponível em: <https://migalhas.uol.com.br/quentes/326551/pai-reverte-decisao-e-podera-visitar-filha-durante-a-pandemia>. Acesso em: 16 dez. 2020.

PAI reverte liminar e conviverá com a filha durante pandemia. Migalhas, 2020b. Disponível em: <https://migalhas.uol.com.br/quentes/325669/pai-reverte-liminar-e-convivera-com-a-filha-durante-pandemia>. Acesso em 16 dez. 2020.

PAI só poderá falar com o filho por videochamada durante pandemia. Migalhas, 2020c. Disponível em: <https://migalhas.uol.com.br/quentes/326186/pai-so-podera-falar-com-o-filho-por-videochamada-durante-pandemia>. Acesso em: 16 dez. 2020.

PELBART, Peter Pál. Biopolítica. Sala Preta, [S. l.], v. 7, p. 57-66, 2007. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/salapreta/article/view/57320>. Acesso em: 16 dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v7i0p57-66

RICCA, Renata Tavares G. Decisões dos tribunais sobre guarda e visitas dos filhos durante a pandemia. DireitoNet, 2020. Disponível em: <https://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/11785/Decisoes-dos-tribunais-sobre-guarda-e-visitas-dos-filhos-durante-a-pandemia>. Acesso em: 11 dez. 2020.

RICARDO, Karoline Hachler. A guarda compartilhada como regra sob a perspectiva civil-constitucional. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria-RS, 2016.

SOUZA, Marina Duarte de. Como fica a guarda compartilhada dos filhos durante o distanciamento social? Brasil de Fato, 2020. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2020/06/20/como-fica-a-guarda-compartilhada-dos-filhos-durante-o-distanciamento-social>. Acesso em: 16 dez. 2020.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault e a Educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

Downloads

Publicado

2021-06-15

Como Citar

NAVARRO, P.; LÍVERO, Íngrid; CHAGAS, M. Paternidade em tempos pandêmicos no discurso jornalístico: entre poder biopolítico e obediência/desobediência. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 17–42, 2021. DOI: 10.14393/HTP-v3n1-2021-58575. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/58575. Acesso em: 18 jul. 2024.