Narrativas, identidades e antagonismos em (des)equilíbrio

Autores

  • Eliane Fernandes Azzari Pontifícia Universidade Católica - PUC Campinas https://orcid.org/0000-0003-3861-0712
  • Wesley Johnny Ferreira Candido Pontifícia Universidade Católica - PUC Campinas

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v2n2-2020-57140

Palavras-chave:

Discurso, Narrativas, Heteronormatividade, Identidade, Dialogismo

Resumo

Este trabalho apresenta nossa investigação da interface entre discursos, narrativas e identidades. Objetivamente, propomos a análise de excertos de dois textos: “Outros Cantos”, de Maria Valéria Rezende (2016), e “Casa-Grande & Senzala: Formação da Família Brasileira sob o Regime de Economia Patriarcal” (1933), escrito por Gilberto Freyre. Nossa análise encontra apoio nas proposições bakhtinianas acerca do cronotopo e do dialogismo na linguagem. Ademais, ancoramo-nos em discussões acerca do papel das narrativas na construção identitária. De caráter qualitativo, nossa pesquisa indica que, embora estejam contextualizados em tempos-espaços diferentes e sejam narrados por enunciadores distintos, os extratos analisados giram em torno de/são permeadas por discursos acerca do sujeito nordestino, e(m) práticas sociais em que pese o gênero. De nosso ponto de vista, os extratos que elencamos evidenciam tensões pertinentes a encontros e desencontros de discursos tais quais os que reafirmam a heteronormatividade como postura socialmente reguladora e que denotam visões conservadoras do papel/lugar social da mulher no/do nordeste brasileiro, o que identificamos tanto em narrativas cujo cronotopo situa-se na modernidade, quanto naquelas dos dias presentes. A nosso ver, nosso corpus visibiliza o (re)vozeio de discursos fundamentados no regime patriarcal heteronormativo que contribuem para a a manutenção social da diferença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Fernandes Azzari, Pontifícia Universidade Católica - PUC Campinas

Professora e pesquisadora permanente e em regime de dedicação exclusiva no Programa de Pós-Graduação em "Linguagens, Mídia e Arte" (LIMIAR) e nos Cursos de Graduação Português/Inglês da Faculdade de Letras da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), onde desenvolve pesquisa institucional em área interdisciplinar. Membro do Grupo de Pesquisa "Entre(dis)cursos: sujeito e língua(gens)".É pós-doutoranda na Universidade de São Paulo (USP), onde desenvolve pesquisa na interface linguagem, identidade e ciberespaço, sob a perspectiva da educação linguística crítica. Doutora e Mestra em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Eliane é bacharel em Letras com Habilitação em Língua e Literatura Inglesas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC - SP) e licenciada em Letras-Inglês pelo Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto. Também possui habilitação profissional plena em Tradutor e Intérprete (Formação profissional, MEC). Tem especial interesse em pesquisas acerca da interface sujeito-tecnologias digitais-linguagens-cultura-sociedade; ensino e aprendizagem de línguas e literaturas de língua inglesa; formação de professores e tradutores; tecnologias digitais e o ensino de línguas / tradução; educação crítica e a análise e o desenvolvimento de materiais didáticos impressos e digitais.

Wesley Johnny Ferreira Candido, Pontifícia Universidade Católica - PUC Campinas

Graduando em Letras: Português/Inglês. Bolsista do Programa de Iniciação Científica da PUC-Campinas (2019-2020).

Referências

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução Paloma Vital. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do ato responsável. 3. ed. Tradução Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João, 2017.

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do romance II. As formas do tempo e do cronotopo. Tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2018a.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução direta do russo, notas e prefácio de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2018b.

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do romance III. O Romance como gênero literário. Tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2019.

BERNARDES, Denis de Mendonça. Notas sobre a formação social do Nordeste. Lua Nova,

São Paulo, n. 71, p. 41-79, 2007. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/ln/n71/02.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-64452007000200003

FESTINO, Cielo Griselda. A estética da diferença e o ensino das literaturas de Língua Inglesa. Gragoatá, Niterói, n. 37, p. 312-330, 2014. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/33000/18987>. Acesso em: 13 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.22409/gragoata.v19i37.33000

FESTINO, Cielo Griselda. Os avanços Tecnológicos: o fim da literatura. In: TAKAKI, Nara Hiroko, MACIEL, Ruberval Franco (orgs.). Letramento em Terra de Paulo Freire. 2. ed. Campinas: Pontes Editores, 2015, p. 89-100.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala: Formação da Família Brasileira sob o Regime de Economia Patriarcal. 48. ed. Recife: Global Editora, 2003.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, T. T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Traduções Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000, p. 103-133.

LOURO, Guacira Lopes. Heteronormatividade e Homofobia. In: JUNQUEIRA, R. D. (org.). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Secad/MEC e Unesco, 2009.

PINTO, César-Braga. Os "desvios" de Gilberto Freyre. Novos estud. - CEBRAP, São Paulo, n. 76, p. 281-288, nov. 2006. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002006000300017&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 13 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-33002006000300017

RANGEL, Natália. Confissões de Gilberto Freire. Isto é independente. São Paulo, 21 de janeiro de 2016. Disponível em: https://istoe.com.br/88397_CONFISSOES+DE+GILBERTO+FREYRE/. Acesso em: 1 ago. 2020.

RENFREW, Alastair. Mikhail Bakhtin. Tradução Marcos Marcionillo. São Paulo: Parábola, 2018.

REZENDE, Maria Valéria. Outros Cantos. Editora Objetiva, 2016. Versão eletrônica para Kindle (não paginado).

RICOEUR, Paul. Narrative identity. Philosophy Today, v. 35, n. 1, p. 73-81, 1991. DOI: https://doi.org/10.5840/philtoday199135136

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T. T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Traduções Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000, p. 73-102.

SOLIVA, Thiago Barcelos. Uma cultura de contatos: sexualidades e erotismo em duas obras de Gilberto Freyre. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 6, n. 7, 26 nov. 2012. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2246/1679>. Acesso em: 13 jul. 2020.

VASCONCELOS, Cláudia Pereira. A construção da imagem do nordestino/sertanejo na constituição da identidade nacional. In: II Encontro de estudos multidisciplinares em cultura. Anais..., Salvador: UFBA, 03 a 05 de maio, 2006. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/enecul2006/claudia_pereira_vasconcelos.pdf. Acesso em: 1 ago. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

FERNANDES AZZARI, E.; FERREIRA CANDIDO, W. J. . Narrativas, identidades e antagonismos em (des)equilíbrio. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 26–49, 2020. DOI: 10.14393/HTP-v2n2-2020-57140. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/57140. Acesso em: 19 jul. 2024.