Custos correntes versus custos históricos no cálculo da taxa de lucro: uma proposta para solução empírica

Autores

  • Leonel Toshio Clemente UFRGS
  • Eduardo Augusto de Lima Maldonado Filho UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-v37nesp.a2022-64426

Resumo

Há extenso e controverso debate entre marxistas sobre como computar o capital fixo no denominador da taxa de lucro geral. Este artigo trata de duas formas de mensurar o capital fixo: a custos correntes e a custos históricos. O objetivo é propor uma solução empírica para este dilema. Para tanto, aplica-se um modelo de mudanças de regime Markoviano para a relação entre taxa de lucro e crescimento econômico dos EUA entre 1947 e 2007 e, para alguns períodos da série, aplicam-se correções na taxa de lucro a custos históricos a partir das variações da taxa de lucro a custos correntes. Constatou-se que a taxa de lucro a custos históricos corrigida apresentou maior capacidade de explicar o crescimento econômico do que as séries convencionais a custos históricos ou a custos correntes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-01-31

Como Citar

TOSHIO CLEMENTE, L. . .; DE LIMA MALDONADO FILHO , E. A. . Custos correntes versus custos históricos no cálculo da taxa de lucro: uma proposta para solução empírica. Revista Economia Ensaios, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil, v. 37, n. esp. jan., 2022. DOI: 10.14393/REE-v37nesp.a2022-64426. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeconomiaensaios/article/view/64426. Acesso em: 1 mar. 2024.