Descarte de medicamentos e educação ambiental em Francisco Beltrão, Paraná

Autores

  • Beatriz Rodrigues Carrijo Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Leandrea Vanusa Lopes Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-v21n12022-63994

Palavras-chave:

Medicamentos, Resíduo sólido, Educação Ambiental

Resumo

Este artigo apresenta uma discussão sobre a importância da destinação correta dos resíduos sólidos, com enfoque no descarte de medicamentos e o papel que a educação ambiental tem nesse processo. A ação extensionista foi realizada no município de Francisco Beltrão, Paraná junto à Farmácia Municipal na Unidade Básica de Saúde Padre Ulrico. Após aquisição de dados, foi realizada uma campanha educativa buscando orientar a população acerca da importância do tema e dos problemas ambientais causados pela destinação incorreta dos medicamentos. Como resultado, foi elaborado um banner, que foi fixado no setor de atendimento da Farmácia Municipal, além de panfletos para distribuição à população, e divulgação do trabalho por meio de entrevistas em emissora de rádio e jornal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Rodrigues Carrijo, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Paraná , Brasil; professora titular do Departamento de Geografia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brasil.

Leandrea Vanusa Lopes, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus de Francisco Beltrão, Brasil

Referências

ALVES, J. E. D. A revisão 2019 das projeções populacionais da ONU para o século XXI. 2019. Disponível em: https://www.ufjf.br/ladem/2019/06/18/a-revisao-2019-das-projecoes-populacionais-da-onu-para-o-seculo-xxi-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/. Acesso em: 15 fev. 2022.

ANDRES, J. Qualidade de vida na cidade de Francisco Beltrão (PR) por meio de sistemas de informações geográficas: aproximações entre objetividade e subjetividade. 2015. 281 f. Tese (Pós-Graduação em Geografia) – Departamento de Geografia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/40898. Acesso em: 20 fev. 2022.

ARMSTRONG, J. et al. Ecoalfabetização: preparando o terreno. Berkeley: Centro para Ecoalfabetização, 1999.

BRASIL.Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 80, de 11 de maio de 2006. Dispõe sobre o fracionamento de medicamentos para venda. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2006/rdc0080_11_05_2006.html. Acesso em: 20 fev. 2022.

BRASIL. Lei n° 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o novo Código Florestal. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 1965. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4771-15-setembro-1965-369026-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 20 fev. 2022.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional de Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 1981. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1980-1987/lei-6938-31-agosto-1981-366135-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 20 fev. 2022.

BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 1998. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LEI&numero=9605&ano=1998&ato=dd5kXRE1EeNpWTdda. Acesso em: 20 fev. 2022.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 20 fev. 2022.

BRASIL. Lei n° 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 20 fev. 2022.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Resolução RDC nº 306, de 7 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 2004. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2004/res0306_07_12_2004.html. Acesso em: 20 fev. 2022.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Planos de gestão de resíduos sólidos: Manual de orientação: Apoiando a implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos: do nacional ao local. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.resol.com.br/cartilhas/manual_para_plano_municipal_de_gestao_de_residuos_solidos-mma-marco_2012.pdf . Acesso em: 20 fev. 2022.

CAMPOS, H. K. T. Renda e evolução da geração per capita de resíduos sólidos no Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, abr./jun. 2012. Doi: 10.1590/S1413-41522012000200006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/esa/a/kZn74jmyqBL5GNT4yxkD8Jk/?lang=pt. Acesso em: 20 fev. 2022.

CONAMA. Resolução CONAMA nº 237, de 19 de dezembro de 1997. Diário Oficial da União, Brasília, 2012. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/cecav/images/download/CONAMA%20237_191297.pdf. Acesso em: 20 fev. 2022.

CONAMA. Resolução CONAMA n° 283, de 12 de julho de 2001. Dispõe sobre o tratamento e a destinação final dos resíduos dos serviços de saúde. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 2001. Disponível em: http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=5047#:~:text=Para%20resguardar%20as%20condi%C3%A7%C3%B5es%20de,Art. Acesso em: 20 fev. 2022.

CONAMA. Resolução CONAMA nº 358, de 29 de abril de 2008. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 2005. Disponível em: https://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/res_358.pdf. Acesso em: 20 fev. 2022.

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Agenda 21. Rio de Janeiro, 1992. Disponível em: https://www.conexaoambiental.pr.gov.br/sites/conexao-ambiental/arquivos_restritos/files/documento/2019-05/agenda_21_global_integra.pdf. Acesso em: 20 fev. 2022.

FIOCRUZ. Riscos químicos. 2013. Disponível em: http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/lab_virtual/riscos_quimicos.html. Acesso em: 20 fev. 2022.

FORMENTÃO, F. Mikhail Bakhtin: contribuições para o estudo da semiótica da comunicação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 23., 2010, Caxias do Sul. Caderno de Resumos [...]. Caxias do Sul: Intercom, 2010. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2010/resumos/R5-2900-1.pdf. Acesso em: 20 fev. 2022.

GASPARINI, J. C.; GASPARINI, A. R.; FRIGIERI, M. C. Estudo do descarte de medicamentos e consciência ambiental no município de Catanduva-SP. Ciência & Tecnologia, Jaboticabal, v. 2, n. 1, 2011. Disponível em: https://citec.fatecjab.edu.br/index.php/citec/article/view/64. Acesso em: 20 fev. 2022.

GODECKE, M. V.; NAIME, R. H.; FIGUEIREDO, J. A. S. O consumismo e a geração de resíduos sólidos urbanos no Brasil. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, v. 8, n. 8, set./dez., 2012. Doi: 10.5902/223611706380. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reget/article/view/6380. Acesso em: 20 fev. 2022.

HOPPE, T. R.; ARAÚJO, L. E. B. Contaminação do meio ambiente pelo descarte inadequado de medicamentos vencidos ou não utilizados. Monografias Ambientais, Santa Maria, v. 6, n. 6, 2012. Doi: 10.5902/223613084627. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/remoa/article/view/4627/0#:~:text=Assim%20o%20presente%20estudo%20teve,o%20bem%20estar%20da%20popula%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 20 fev. 2022.

LOUREIRO, C. F. B. Premissas teóricas para uma Educação ambiental transformadora. Ambiente & Educação, Rio Grande, v. 8, n. 1, 2003. Disponível em: https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/897. Acesso em: 20 fev. 2022.

PARANÁ. Lei nº 17.211, de 3 de julho de 2012. Dispõe sobre a responsabilidade da destinação dos medicamentos em desuso no estado do Paraná e seus procedimentos. Diário Oficial da União, Brasília, 2012. Disponível em: https://leisestaduais.com.br/pr/lei-ordinaria-n-17211-2012-parana-dispoe-sobre-a-responsabilidade-da-destinacao-dos-medicamentos-em-desuso-no-estado-do-parana-e-seus-procedimentos. Acesso em: 20 fev. 2022.

PAULO, R. F. O desenvolvimento industrial e o crescimento populacional como fatores geradores do impacto ambiental. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 7, n. 13/14, jan./dez. 2010. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/270203222.pdf. Acesso em: 20 fev. 2022.

POTT, C. M.; ESTRELA, C. C. Histórico ambiental: desastres ambientais e o despertar de um novo pensamento. Estudos Avançados, São Paulo, v. 31, n. 89, jan./abr. 2017. Doi: 10.1590/s0103-40142017.31890021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/pL9zbDbZCwW68Z7PMF5fCdp/?lang=pt. Acesso em: 20 fev. 2022.

RUSSO, M. A. T. Tratamento de resíduos sólidos. Coimbra: Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2003. Disponível em: http://www1.ci.uc.pt/mhidro/edicoes_antigas/Tratamentos_Residuos_Solidos.pdf. Acesso em: 20 fev. 2022.

TEIXEIRA, A. C. Educação ambiental: caminho para a sustentabilidade. Revista Brasileira de Educação Ambiental, Brasília, n. 2, p. 23-31, 2007. Disponível em: http://d3nehc6yl9qzo4.cloudfront.net/downloads/revbea_n_2.pdf. Acesso em: 20 fev. 2022.

TÓFOLO, D. P.; SILVA, N. R. A questão da obsolescência programada na sociedade moderna. In: SEMANA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA - SECITEC, 2019, Itumbiara. Anais [...] Itumbiara: IFG, 2019. Disponível em: http://eventos.ifg.edu.br/secitecitumbiara/wp-content/uploads/sites/9/2020/02/RE-40-A-quest%C3%A3o-da-obsolesc%C3%AAncia-programada-na-sociedade-moderna.pdf. Acesso em: 20 fev. 2022.

UEDA, J. et al. Impacto ambiental do descarte de fármacos e estudo da conscientização da população a respeito do problema. Ciências do Ambiente, Campinas, v. 5, n. 1, jul. 2009. Disponível em: http://sistemas.ib.unicamp.br/be310/nova/index.php/be310/article/view/176/129. Acesso em: 20 fev. 2022.

VIANA, B. A. S.; VIANA, S. C. S.; VIANA, K. M. S. Educação ambiental e resíduos sólidos: descarte de medicamentos, uma questão de saúde pública. Revista Geográfica Acadêmica, Boa Vista, v. 10, n. 2, p. 56-66, 2016. Disponível em: https://revista.ufrr.br/rga/article/view/3722. Acesso em: 20 fev. 2022.

Downloads

Publicado

2022-06-27

Como Citar

CARRIJO, B. R.; LOPES, L. V. Descarte de medicamentos e educação ambiental em Francisco Beltrão, Paraná. Revista Em Extensão, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 85–107, 2022. DOI: 10.14393/REE-v21n12022-63994. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/63994. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais