Práticas colaborativas na extensão universitária

um relato de experiência interdisciplinar

Autores

  • Claudia Diniz de Moraes Heleno Universidade Católica Dom Bosco https://orcid.org/0000-0001-6813-3430
  • Ana Paula Zaikievicz Azevedo Universidade Católica Dom Bosco
  • André da Silva Dias Universidade Católica Dom Bosco

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-v19n22020-55459

Palavras-chave:

Práticas colaborativas, Projeto de extensão, Relato de experiência

Resumo

O presente relato tem como objetivo apresentar reflexões acerca das práticas colaborativas interdisciplinares que ocorrem em um projeto de extensão da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) em Campo Grande-MS. Para tanto, ao longo do texto, tecemos algumas discussões sobre conceitos de práticas colaborativas e contextualizamos as ações desenvolvidas no projeto entre os cursos de graduação em Educação Física, Pedagogia, Agronomia e Medicina Veterinária. O projeto “Criança Ativa” é desenvolvido há 19 anos nas dependências da instituição, no contraturno escolar, nos períodos matutino e vespertino, três vezes por semana, e atualmente atende cerca de 70 crianças e adolescentes com idade entre seis e catorze anos. São oportunizadas vivências de atividades lúdicas, culturais, esportivas, artísticas, literárias, de cuidados com o meio ambiente e com os animais. Acreditamos que, por meio de práticas pedagógicas colaborativas e interdisciplinares, o aprendizado pode ocorrer de forma mais prazerosa e significativa tanto para acadêmicos extensionistas quanto para crianças e adolescentes participantes do projeto. Assim, entendemos que as práticas colaborativas interdisciplinares, quando desenvolvidas na prática, possibilitam um trabalho mais dinâmico, envolvente e com eficácia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Diniz de Moraes Heleno, Universidade Católica Dom Bosco

Mestra em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco, Mato Grosso, Brasil; professora na mesma instituição; integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa da Docência na Infância (GEPDI/UCDB); coordenadora do Grupo de Estudo Educação Física/Educação Infantil (GEEFEI/GEPDI/UCDB); coordenadora do projeto “Criança Ativa”.

Ana Paula Zaikievicz Azevedo, Universidade Católica Dom Bosco

Mestra em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco, Mato Grosso, Brasil; professora na mesma instituição; professora de Educação Infantil na Rede Pública Municipal de Campo Grande, Brasil.

André da Silva Dias, Universidade Católica Dom Bosco

Mestre em Biotecnologia pela Universidade Católica Dom Bosco, Mato Grosso, Brasil; professor titular na mesma instituição.

Referências

BOAVIDA, A. M.; PONTE, J. P. Investigação colaborativa: potencialidades e problemas. IN: GTI (org.). Refletir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM, 2002. p. 43-55.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 7, de 18 de dezembro de 2018. Estabelece as diretrizes para a extensão na educação superior brasileira e regimenta o disposto na meta 12.7 da Lei nº 13.005/2014, que aprova o Plano Nacional de Educação – PNE 2014-2024 e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 19 dez. 2018.

DAMIANI, M. F. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar em Revista, Curitiba, v. 31, p. 213-230, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602008000100013&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 19 maio 2020. Doi: 10.1590/S0104-40602008000100013.

DIAS, P. Comunidades de conhecimento e aprendizagem colaborativa. In: SEMINÁRIO REDES DE APRENDIZAGEM, REDES DE CONHECIMENTO. Lisboa: Conselho Nacional de Educação. 2001. p. 85-94.

FERREIRA, V. B. A prática colaborativa: tradição e contemporaneidade. In: E-science e políticas públicas para ciência, tecnologia e inovação no Brasil [on-line]. Salvador: EDUFBA, 2018. p. 57-75. Doi: 10.7476/9788523218652.0005.

SANTOS JUNIOR, J. B.; MARCONDES, M. E. R. Grupos de aprendizagem colaborativa como ferramenta na reestruturação do pensamento e desenvolvimento profissional do professor de química. Ciênc. educ., Bauru, v. 19, n. 3, p. 695-713, 2013. Doi: 10.1590/S1516-73132013000300012.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

TERRA, D. V. Orientação do trabalho colaborativo na construção do saber docente: a perspectiva do planejamento coletivo do trabalho pedagógico (PCTP). Movimento, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 157-179, 2004. Doi: 10.22456/1982-8918.2831.

TORRES, P. L., ALCÂNTARA, P. R.; IRALA, E. A. F. Grupos de consenso: uma proposta de aprendizagem colaborativa para o processo de ensino-aprendizagem. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 4, n. 13, p. 129-145, 2004. Doi: 10.7213/rde.v4i13.7052.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO. Regimento Geral: Política de Extensão. Campo Grande-MS, 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

HELENO, C. D. de M.; AZEVEDO, A. P. Z. .; DIAS, A. da S. Práticas colaborativas na extensão universitária: um relato de experiência interdisciplinar. Revista Em Extensão, [S. l.], v. 19, n. 2, p. 112–124, 2020. DOI: 10.14393/REE-v19n22020-55459. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/55459. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Relatos de Experiência

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)