Visitas monitoradas ao Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém-PA, Brasil

Autores

  • Fabricio Lemos de Siqueira Mendes Universidade Federal do Pará
  • Helena Doris de Almeida Barbosa Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-v19n22020-55002

Palavras-chave:

Visitas Monitoradas, Parques Urbanos, Turismo, Museu Paraense Emilio Goeldi

Resumo

Os caminhos para minimizar ou erradicar os problemas ambientais têm sido foco de discussões e fóruns desde, pelo menos, a Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente Humano, em 1972. Nas instituições de ensino superior, os projetos de extensão sobre a questão são uma ferramenta importante para a sensibilização da comunidade quanto ao uso racional do ambiente natural, como o projeto “Visitas monitoradas a parques urbanos da Grande Belém-PA”. Desenvolvido por docentes e discentes da Faculdade de Turismo da Universidade Federal do Pará (UFPA), em parceria com o Museu Paraense Emílio Goeldi, o projeto tem com o objetivo de planejar e implementar visitas guiadas – e seus desdobramentos – ao parque zoobotânico do Museu Goeldi, bem como preparar os alunos para atuar na instituição, a partir da articulação pesquisa, ensino e extensão. Os resultados evidenciaram participação expressiva de discentes do curso de turismo e visitantes, produção de trabalhos acadêmicos e publicação em revistas científicas. O projeto, pela vivência educativa proposta, pautada na interdisciplinaridade e na associação da teoria com a prática, de maneira formativa, proporciona aos frequentadores do museu maior suporte de informações durante a visita e, por conseguinte, a vivência de novas oportunidades de atuação profissional aos futuros turismólogos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabricio Lemos de Siqueira Mendes, Universidade Federal do Pará

Doutor em Desenvolvimento Socioambiental pela Universidade Federal do Pará, Brasil, com estágio doutoral no Museu Nacional de História Natural de Lisboa, Portugal, e no Museu Zoológico de História Natural da Universidade de Coimbra, Portugal; estágio pós-doutoral na University of Freiburg, Alemanha; professor do Instituto de Ciências Sociais e Aplicada da Universidade Federal do Pará, Brasil; líder do Grupo de Pesquisa Áreas Protegidas da Amazônia: usos e sustentabilidade (GPAPA); membro do Grupo de Pesquisa Biodiversidade, Gestão dos Recursos Naturais e Sociedade no Escudo das Guianas.

Helena Doris de Almeida Barbosa, Universidade Federal do Pará

Doutora em Desenvolvimento Socioambiental pela Universidade Federal do Pará, Brasil; professora colaboradora na mesma instituição e pesquisadora colaboradora do Museu Paraense Emílio Goeldi, Pará, Brasil; membro do Grupo de Pesquisa Gestão, Politicas Públicas e Planejamento em Turismo; Áreas Protegidas da Amazônia: Usos e Sustentabilidade (GPAPA); e Biodiversidade, Gestão dos Recursos Naturais e Sociedade no Escudo das Guianas.

Referências

ABRAMOVAY, R. Amazônia: por uma economia do conhecimento da natureza. São Paulo: Elefante, 2019.

BRASIL. Diário Oficial da União. Pró-Reitoria de Planejamento, Extrato de Acordo de Cooperação, Universidade Federal do Pará. Sessão 3, nº. 222, 2016.

BRITO, F. A.; CÂMARA, J. B. D. Democratização e gestão ambiental: em busca do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Vozes, 1998.

CARDOSO, S. L. C.; SOBRINHO, M. V.; VASCONCELLOS, A. M. A. Gestão ambiental de parques urbanos: o caso do Parque Ecológico do Município de Belém Gunnar Vingren. URBE, Curitiba, v. 7, n. 1, p. 74-90, jan./abr. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/urbe/v7n1/2175-3369-urbe-7-1-0074.pdf. Acesso em: 14 maio 2020. Doi: 10.1590/2175-3369.007.001.AO05.

COSTA, P. C. P. da. Reflexões finais: a real contribuição do ecoturismo para a natureza. In: NEIMAN, Z. (org.). Meio ambiente, educação ambiental e ecoturismo. São Paulo: Manole, 2002. p. 177-181.

CUEVAS, M. et al. Motivación de un grupo de voluntarios afiliados a dos organizaciones sin fines de lucro del área sur de Puerto Rico. Informes Psicológicos, Medellín, v. 15, n. 1, p. 47-61, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18566/infpsicv15n1a03. Acesso em: 6 jul. 2020. Doi: 10.18566/infpsicv15n1a03.

DINIZ, M. B. et al. Região Amazônica: biodiversidade e possibilidades de transformação industrial. Cadernos CEPEC, Belém, v. 6, n. 5, mai. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/cepec/article/view/7037/5487. Acesso em: 6 jul. 2020. Doi: 10.18542/cepec.v6i1-6.7037.

DOMENEGHETTI, A. M. Voluntariado: gestão do trabalho voluntário em organizações sem fins lucrativos. São Paulo: Esfera, 2001.

FONSECA, A. R. et al. Aves em liberdade: solte essa ideia!: relato de ações extensionistas voltadas para a preservação ambiental. Em Extensão, Uberlândia, v. 17, n. 1, p. 225-242, jan./jun. 2018. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/41104/pdf. Acesso em: 6 jul 2020. Doi: 10.14393/REE-v17n12018-rel11.

HERNANDEZ, M. I. M.; HOCH, D. H. Diversidade de insetos do parque ecológico do Córrego Grande: educação ambiental e conservação. Extensio, Florianópolis, v. 13, n. 21, p. 43-55, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/extensio/article/view/1807-0221.2016v13n22p43/0. Acesso em: 6 jul. 2020. Doi: 10.5007/1807-0221.2016v13n22p43.

IBGE. Centro de Documentação e Disseminação de Informações. Fauna ameaçada de extinção. Rio de Janeiro: IBGE, 2001.

MAGNUSSON, W. E. et al. Amazônia: biodiversidade incontável. In: PEIXOTO, A. L.; LUZ, J. R. P.; BRITO, M. A. de. (org.). Conhecendo a biodiversidade. Brasília: CNPq; MCTIC; PPBio, 2016. p. 112-123. Disponível em: https://ppbio.inpa.gov.br/sites/default/files/conhecendo_a_biodiversidade_livro.pdf. Acesso em: 6 jul. 2020.

MORAIS, I. A. L. et al. Circuito de museus: a experiência em Recife, Pernambuco, Brasil (2016). Em Extensão, Uberlândia, v. 17, n. 1, p. 131-152, jan./jun. 2018. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/40216. Acesso em: 6 jul. 2020. Doi: 10.14393/REE-v17n12018-rel04.

NASCIMENTO, A. T. B. da S.; SANTOS, I. F.; NUNES, J. R. V. Oficinas educativas/reflexivas e a interface com saúde e o meio ambiente. Em Extensão, Uberlândia, v. 18, n. 1, p. 134-144, jan./jun. 2019. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/44977. Acesso em: 6 jul. 2020. Doi: 10.14393/REE-v18n12019-44977.

ORIO, M. V. Diversão e classes sociais: o significado do lazer na sociedade capitalista. Despierta, Naviraí, Ano 5, n. 5, p. 113-130, 2018. Disponível em: https://redelp.net/revistas/index.php/rde/article/view/821/735. Acesso em: 14 maio 2020.

QUARESMA, H. D. A. B. O desencanto da princesa: pescadores tradicionais e turismo na área de proteção ambiental de Algodoal/Maiandeua. Belém: NAEA, 2003.

SANJAD, N. et al. Documentos para a história do mais antigo jardim zoológico do Brasil:

o Parque Zoobotânico do Museu Goeldi. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. Hum, Belém, v. 7, n. 1, p. 197-258, jan./abr. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100013. Acesso em: 15 maio 2020. Doi: 10.1590/S1981-81222012000100013.

SCHNEIDER, J. et al. Projeto natureza nossa: um relato de experiência. Extensio, Florianópolis, v. 15, n. 31, p. 94-105, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/extensio/article/view/1807-0221.2018v15n31p94. Acesso em: 7 jul. 2020. Doi: 10.5007/1807-0221.2018v15n31p94.

SCREMIN, J.; JUNQUEIRA, S. Aprendizado diferenciado: turismo pedagógico no âmbito escolar. Caderno de Estudos e Pesquisas do Turismo, Curitiba, v. 1, p. 26-42, jan./dez. 2012.

UFPA. Missão, visão, princípios. Disponível em: https://portal.ufpa.br/index.php/missao-visao-principios. Acesso em: 13 maio 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

MENDES, F. L. de S.; BARBOSA, H. D. de A. Visitas monitoradas ao Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém-PA, Brasil. Revista Em Extensão, [S. l.], v. 19, n. 2, p. 250–265, 2020. DOI: 10.14393/REE-v19n22020-55002. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/55002. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Relatos de Experiência