Sementes crioulas

a independência e resistência dos agricultores familiares e assentados da reforma agrária

Autores

  • Ana Carolina Silva Siquieroli Universidade Federal de Uberlândia - Campus Monte Carmelo
  • Marcos Paulo do Carmo Martins Universidade Federal de Uberlândia - Campus Monte Carmelo
  • Daniel Mundim Porto Pena Universidade Federal de Uberlândia - Campus Monte Carmelo
  • Adriane de Andrade Silva Universidade Federal de Uberlândia - Campus Monte Carmelo

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-2020-54366

Palavras-chave:

Agroecologia, Autonomia produtiva, Espécies nativas, Troca de sementes, Variabilidade genética

Resumo

O Centro de Incubação de Empreendimentos Populares Solidários (Cieps) vem desenvolvendo ações voltadas para a agricultura familiar dentro de uma perspectiva agroecológica. Torna-se importante o debate e a disseminação de saberes a respeito das Sementes Crioulas, as quais podem ser utilizadas para proporcionar maior autonomia aos agricultores familiares e assentados da reforma agrária, frente ao contexto de agricultura tecnificada e empresarial que os circunda. Assim, esse relato apresentou a experiência de uma Roda de Conversa que teve como objetivo principal a socialização de saberes e troca de experiências sobre Sementes Crioulas. A Roda de Conversa ocorreu durante a V Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária em 2019, na Universidade Federal de Uberlândia. Foram apresentados alguns pontos para discussão e relatos dos participantes subdivididos nos seguintes temas: independência produtiva; preservação genética; e iniciando um banco de sementes. Trazer o tema para ser discutido com agricultores familiares e assentados da reforma agrária, em tempos de dominância consolidada dos pacotes tecnológicos recomendados pelo mercado convencional e muitas vezes inacessível ao produtor, contribui para que esses produtores viabilizem suas atividades agrícolas e possibilitem o desenvolvimento econômico social de forma independente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Silva Siquieroli, Universidade Federal de Uberlândia - Campus Monte Carmelo

Doutora em Genética e Bioquímica pela Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil; professora associada do Instituto de Biotecnologia da Universidade Federal de Uberlândia, campus Monte Carmelo; coordenadora do Centro de Incubação de Empreendimentos Populares Solidários (Cieps-Monte Carmelo).

Marcos Paulo do Carmo Martins, Universidade Federal de Uberlândia - Campus Monte Carmelo

Graduando em Agronomia na Universidade Federal de Uberlândia, campus Monte Carmelo, Minas Gerais, Brasil.

Daniel Mundim Porto Pena, Universidade Federal de Uberlândia - Campus Monte Carmelo

Graduando em Agronomia na Universidade Federal de Uberlândia, campus Monte Carmelo, Minas Gerais, Brasil.

Adriane de Andrade Silva, Universidade Federal de Uberlândia - Campus Monte Carmelo

Doutora em Zootecnia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, Brasil; estágio pós-doutoral na Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil; professora do Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Uberlândia, campus Monte Carmelo, Minas Gerais, Brasil; coordenadora do Núcleo de Agroecologia do Cerrado Mineiro (Nacem). 

Referências

BESSA, M. M.; VENTURA, M. V. A.; ALVES, L. da S. Sementes crioulas: construção da autonomia camponesa. Cadernos de Agroecologia, [s.l.], v. 11, n. 2, 2017. Disponível em: http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/20978. Acesso em: 26 jan. 2020.

CORRÊAS, G. C. et al. Caracterização física de frutos de baru (Dipteryx alata Vog.) em três populações nos cerrados do Estado de Goiás. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 30, n. 2, p. 5-11, 2000. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/pat/article/view/2578. Acesso em: 15 jan. 2020.

LEITE, S. et al. Impactos dos assentamentos: um estudo sobre o meio rural brasileiro. São Paulo: Edunesp, 2004.

MEIRELES, L. R; DIEL RUPP, L. C. (coord.). Cartilha agrobiodiversidade. Rio Grande do Sul: Embrapa, 2006.

MOURA, A. F.; LIMA, M. G. A reinvenção da roda: roda de conversa: um instrumento metodológico possível. Revista Temas em Educação, João Pessoa, v. 23, n. 1, p. 98-106, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rteo/article/view/18338. Acesso em: 10 jan. 2020.

NASCIMENTO, J. M.; MOREIRA, E. O papel dos assentamentos rurais e dos bancos de Sementes da Paixão na reconstrução do território: das discussões epistemológicas ao caso de Três Irmãos. In: ENCONTRO ESTADUAL DE GEOGRAFIA, 15., 2008, Natal. Anais [...]. Natal: UFRN, 2008.

RODRIGUES, C. S. P. et al. Criação de banco de sementes crioulas para valorização da biodiversidade e garantia da segurança alimentar das comunidades rurais do Velho Chico Rodrigues, Cadernos Macambira, Serrinha, v. 1, n. 2, p. 57-61, 2016.

SILVA, I. L. et al. Banco de sementes comunitário Chico Mendes: o resgate da biodiversidade em propriedades familiares vinculadas ao Projeto Esperança/Cooesperança. Cadernos de Agroecologia, [s.l.], v. 4, n. 2, 2009. Disponível em: http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/4539. Acesso em: 26 jan. 2020.

Downloads

Publicado

2020-05-01

Como Citar

SIQUIEROLI, A. C. S. .; MARTINS, M. P. do C.; PENA, D. M. P. .; SILVA, A. de A. Sementes crioulas: a independência e resistência dos agricultores familiares e assentados da reforma agrária. Revista Em Extensão, [S. l.], p. 12–22, 2020. DOI: 10.14393/REE-2020-54366. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/54366. Acesso em: 29 maio. 2022.