A comunicação da sustentabilidade da marca Natura no Guia Exame de Sustentabilidade

Autores

  • Adriana Landim Quinaud Universidade Federal de Santa Catarina
  • Neusa de Oliveira Carneiro Universidade Federal de Santa Catarina
  • Maria José Baldessar Universidade Federal de Santa Catarina
  • Richard Perassi Luiz de Sousa Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Acreditação, Imagem, Valor Socioambiental, Jornalismo Especializado

Resumo

Este artigo apresenta um estudo sobre o valor da sustentabilidade na imagem da marca Natura no Guia Exame de Sustentabilidade. Presente em todas as edições entre 2007 e 2016, em um total de dez edições foram analisadas suas reportagens. Através da análise de conteúdo buscou-se por elementos de credibilidade da Natura, considerada por vários autores como líder em inserção do modelo de gestão sustentável no país. Constatou-se que a marca representa o respeito ético pelo ambiente e pelas pessoas, gerando sentimentos de confiança e reconhecimento. Informa também que a sustentabilidade é vista como ativo intangível em crescente valorização. O que pode explicar os investimentos na atuação e na comunicação, confirmando a percepção pública de valor pela sua associação à sustentabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Landim Quinaud, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Membro do Grupo de Pesquisa MidiaCon - Mídia e Convergência CNPQ/UFSC.

Neusa de Oliveira Carneiro, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Membro do Grupo de Pesquisa MidiaCon - Mídia e Convergência CNPQ/UFSC. UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina.

Maria José Baldessar, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Ciências da Comunicação (USP), Mestre em Sociologia Política (UFSC) e professora no Programa de Pós-Graduação de Engenharia Gestão do Conhecimento e nos cursos de graduação em Jornalismo e Design (UFSC).

Richard Perassi Luiz de Sousa, Universidade Federal de Santa Catarina

Pós-doutorado em Design (IADE-U/Lisboa, 2015), Doutor em Comunicação e Semiótica (PUC-SP), Mestre em Educação (UFMS) e professor nos cursos de graduação e pós-graduação em Design (Pós Design/UFSC) e no programa de Pós graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPEGC/UFSC).

Referências

ABRIL, Editora. Parceria com comunidades. Guia Exame de Sustentabilidade. São Paulo: Autor. pp. 154-155, nov. 2010.

ABRIL, Editora. A obsessão de fazer mais. Guia Exame de Sustentabilidade. São Paulo: Autor. pp. 168-169, nov. 2011.

ALMEIDA, Fernando. Experiências empresariais em sustentabilidade: avanços, dificuldades e motivações de gestores e empresas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BUENO, Wilson. Comunicação empresarial: políticas e estratégias. São Paulo: Saraiva, 2009.

BOURROUL, Marcela. A árvore que foi de cabo de vassoura a hidratante. Guia Exame de Sustentabilidade. São Paulo: Abril, pp. 110-111, nov. 2016.

BRUNDTLAND, G.H. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: FGV, 1987.

COLOMBO, Juliana. Construindo uma base sólida para o futuro. Guia de Sustentabilidade, São Paulo: Abril, p. 124, nov. 2015.

CORRADO, Frank. M.“A força da comunicação: quem não se comunica...”. São Paulo: Makron Books, 1994.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CUNHA, Lílian. Um teste de resistência. Guia Exame de Sustentabilidade. São Paulo: Abril, pp. 56-57, nov. 2007.

ELKINGTON, John. A teoria dos três pilares. São Paulo: MARKRON Books, 2001.

FILHO, G. G. Ecopropaganda. São Paulo: SENAC, 2004.

HERZOG, Ana Luiza. Uma questão de estratégia. Guia Exame de Sustentabilidade, São Paulo: Abril, pp. 28-33, nov. 2008.

JAPIASSU, H. & Marcondes, D. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing: conceitos, exercícios, casos. 8. ed. – São Paulo: Atlas, 2009.

MARTINS, C. O desafio de comunicar a sustentabilidade. Revista Exame: São Paulo, jul. 2011. Acessado em: 10 de jul. 2016. Disponível em: http://exame.abril.com.br/marketing/o-desafio-de-comunicar-a-sustentabilidade/.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, pp. 7-32, 1999.

RENEKER, Maxine H. A qualitative study of information seeking among members of an academic community: methodological issues and problems. Library Quarterly, v. 63, n. 4, pp. 487-507, out. 1993.

RIZZINI, I., CASTRO, M. R., & SARTOR, C. D. Pesquisando: guia de metodologias de pesquisa para programas sociais. Rio de Janeiro: Ed. USU, 1999.

ROSA, Cynthia. Dois pés na Amazônia. Guia Exame de Sustentabilidade, São Paulo: Abril, pp. 150-151, nov. 2012.

SIMÕES, Raphael. A fantástica fábrica na floresta. Guia Exame de Sustentabilidade. São Paulo: Abril, pp. 64-65, nov. 2013.

SÔNEGO, Dubes. Fazer o básico não é mais o bastante. Guia Exame de Sustentabilidade. São Paulo: Abril, p. 76, nov. 2014.

VALENTIM, M. L. P. (org.) Métodos qualitativos de pesquisa em Ciência da Informação. São Paulo: Polis, 2005.

VASSALO, Cláudia. Mais um grande passo adiante. Carta ao leitor. Guia Exame de Sustentabilidade, São Paulo: Abril, p. 6, nov. 2007.

VITURINO, Robson. Com o radar ligado. Guia Exame de Sustentabilidade, São Paulo: Abril, pp. 76-77, nov. 2009.

Downloads

Publicado

2018-10-13

Como Citar

Quinaud, A. L., Carneiro, N. de O., Baldessar, M. J., & Sousa, R. P. L. de. (2018). A comunicação da sustentabilidade da marca Natura no Guia Exame de Sustentabilidade. Paradoxos, 2(2), 66–76. Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/paradoxos/article/view/45479