Cantoras Pop e Super-Heroínas: debatendo ciência e gênero por meio de videoclipes

Autores

  • Emerson Ferreira Gomes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)
  • Luís Paulo de Carvalho Piassi Universidade de São Paulo (USP)
  • Stella Cêntola Pupo Universidade de São Paulo (USP)
  • Livia Delgado Leandro da Cruz Universidade de São Paulo (USP)
  • Thaís Saboya Teixeira Universidade de São Paulo (USP)

Palavras-chave:

Gênero, Estudos culturais, Educação, Ficção Científica, Videoclipes, Difusão Científica

Resumo

O crescente consumo de produtos midiáticos tem tornado a mídia um importante agente socializador e educativo, assim como a escola e a família. Filmes, livros, etc., altamente consumidos pelo público jovem, contribuem para a formação de um senso de classe, raça e sexualidade, bem como das relações de poder na sociedade. Entretanto, acreditamos que os produtos midiáticos também oferecem recursos para contestação do discurso dominante. Pensando nisso, este trabalho pretende analisar como atividades de difusão científica a partir de videoclipes podem estimular debates acerca de questões de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emerson Ferreira Gomes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)

Docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP). Professor do Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática (IFSP). Doutor em Ensino de Ciências pela Universidade de São Paulo (USP).

Luís Paulo de Carvalho Piassi, Universidade de São Paulo (USP)

Docente na Universidade de São Paulo (USP). Professor do programa de pós-graduação em Estudos Culturais da Universidade de São Paulo (USP). Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP).

Stella Cêntola Pupo, Universidade de São Paulo (USP)

Mestranda do programa de Estudos Culturais da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP).

Livia Delgado Leandro da Cruz, Universidade de São Paulo (USP)

Graduanda do curso de Bacharelado em Gestão de Políticas Públicas da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP).

Thaís Saboya Teixeira, Universidade de São Paulo (USP)

Graduanda do curso de Bacharelado em Lazer e Turismo da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP).

Referências

ARROYO, Margarete. (org.); NASCIMENTO, Thais Vieira.; JANZEN, Thenille Braun. (colabs.). Jovens e músicas - um guia bibliográfico. São Paulo: UNESP, 2013.

BELL, Philip. et al. Learning Science in Informal Environments: People, Places, and Pursuits. Washington: The National Academies, 2009.

BYNUM, William. Uma breve história da ciência. Rio de Janeiro: L&PM, 2014.

COSTA, Renata Tavares. Como evitar ‘mortes anunciadas’? In: DOSSIÊ Feminicídio. Agência Patrícia Galvão, 2016.

COSTA, Thiago Ramires. A construção do popstar: a figura estratégica do ídolo das massas na Indústria Cultural. Anagrama. v. 3, n. 2, 2010.

DOSSIÊ Feminicídio. Agência Patrícia Galvão, 2016. Disponível em: <http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/dossies/feminicidio/>. Acesso em: agosto de 2017.

ELENA, Alberto. Skirts in the lab: Madame Curie and the image of the woman scientist in the feature film. Public Understanding of Science. v. 6, n. 3, jul., 1997.

FLICKER, Eva. Between brains and breasts - women scientists in fiction film: on the marginalization and sexualization of scientific competence. Public Understanding of Science. 12 (2003), 307-318.

FEDERICI, Silvia. Calibán y la bruja: Mujéres, cuerpo y acumulación originaria. Madrid: Traficantes de Sueños, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

HALL, Stuart. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

KELLNER, Douglas. A Cultura da mídia – estudos culturais: Identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. São Paulo: EDUSC, 2001.

LEAL, Luiz Antonio Batista. d’ÁVILA, Cristina Maria. A ludicidade como princípio formativo. Interfaces Científicas - Educação, Aracaju, v. 1, n. 2, p. 41-52, 2013.

LIMA, Betina Stefanello. BRAGA, Maria Lúcia de Santana. TAVARES, Isabel. Participação das mulheres nas ciências e tecnologias: entre espaços ocupados e lacunas. Gênero, Niterói, v. 16, n. 1, p. 11-31, 2015.

MORIN, Edgar. Cultura de Massas no século XX - O Espírito do Tempo I: Neurose. 9ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

OLIVEIRA, Rosiska Darcy. Elogio da Diferença: o feminino emergente. São Paulo: Brasiliense, 1999.

ONU Brasil. Organização das Nações Unidas. Igualdade de gênero. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/ods5/>. Acesso em: outubro de 2017.

ONU Mulheres. Organização das Nações Unidas. Princípios de empoderamento das mulheres. Disponível em: . Acesso em: outubro de 2017;

SAFFIOTI, Heleieth. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SCHIENBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência?. Bauru: EDUSC, 2001.

SETTON, Maria da Graça J. Mídia e Educação. São Paulo: Contexto, 2015.

STEINKE, Jocelyn. Women Scientist Role Models on Screen: a Case Study of Contact. Science Communication. Vol. 21, n° 2, Dezembro, 1999, p. 111-136.

TREVISAN, Michele. Kapp. A era MTV: análise da estética de videoclipe (1984-2009). Tese (Doutorado) - Departamento de Comunicação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2011.

WAJSKOP, Gisela. O brincar na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 92, p. 62-69, 1995.

Downloads

Publicado

2018-10-13

Como Citar

Gomes, E. F., Piassi, L. P. de C., Pupo, S. C., Cruz, L. D. L. da, & Teixeira, T. S. (2018). Cantoras Pop e Super-Heroínas: debatendo ciência e gênero por meio de videoclipes. Paradoxos, 2(2), 08–19. Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/paradoxos/article/view/45473