O uso de recursos comunicativos no desenvolvimento narrativo de crianças surdas, filhas de pais ouvintes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v37n2-2021-04

Palavras-chave:

Aquisição de linguagem, Crianças surdas, Narrativa de histórias

Resumo

Este artigo pretende mostrar alguns recursos comunicativos utilizados por crianças surdas, filhas de pais ouvintes, com contato tardio com a Libras em episódios narrativos. Alinhadas à área da Linguística Aplicada, que concebem as práticas de linguagem sempre de forma situada, tomaremos como base os registros gerados a partir de atividades realizadas em um programa bilíngue para surdos ligado a uma universidade pública do estado de São Paulo. Trata-se, portanto, de resultados alcançados a partir de pesquisa qualitativa e pesquisa-ação, sendo os registros gerados a partir de filmagens de quatro crianças surdas, entre cinco e seis anos, narrando histórias. Os resultados demonstraram a importância da expressão corporal e predominância do uso de incorporações no discurso narrativo das crianças surdas. Para além da sinalização manual convencional, o uso de outros recursos foi significativo para o desenvolvimento das narrativas dessas crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Messias Mota, Faculdade de Ciências Médias - UNICAMP

Possui graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, conclusão em 2016;  especialização em Desenvolvimento Infantil: linguagem e surdez pela Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, conclusão 2019. Atualmente é aluna de mestrado pela Faculdade de Ciências Médicas, FCM - Unicamp. Tem experiencia em desenvolvimento infantil, ensino de português como segunda língua para surdos e psicoterapia individual para pessoas surdas. 

Ivani Rodrigues Silva, Faculdade de Ciências Médias - UNICAMP

Possui graduação em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (1980), mestrado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (1998), doutorado em Lingüística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (2005) e pós-doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (2010). É docente do Curso de Graduação em Fonoaudiologia da Universidade Estadual de Campinas e do Curso de Pós-Graduação Saúde, Interdisciplinaridade e reabilitação da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP. Orienta trabalho nos seguintes níveis: Iniciação Científica (desde 2005), Aprimoramento Profissional/pós-graduação latu-sensu (desde 1995) e Mestrado (desde 2010). Tem experiência na área de Educação de Surdos (formação de professores, Educação Bilíngue, Letramento(s) na diversidade, Construção de materiais para o ensino de português como L2) e na área de dificuldades de leitura/escrita, atuando principalmente nos seguintes temas: letramento(s) e alfabetização, formação de professores, dificuldades de leitura/escrita.

Referências

ALBRES, N. A; COSTA, M. P.P; ROSSI, T. W.T. Gesto-visualidade no processo de tradução de literatura infanto-juvenil: marcas do discurso narrativo. Translatio, n. 9, p. 03-20, jun. 2015.

ANATER, G; PASSOS, G. Mecanismos de coesão textual visual em uma narrativa sinalizada: língua de sinais brasileira em foco. In: QUADROS, R. M; STUMPF, M. R (Org.). Estudos Surdos IV. Petrópolis: Arara Azul LTDA, 2009. p. 50-77.

ANDRIGHETTI, G. H; SCHOFFEN, J. R. Vivenciando língua e cultura: sugestões para práticas pedagógicas em Português como Língua Adicional. In: SCHOFFEN, J. R. et al. (Org.). Português como língua adicional: reflexões para a prática docente. Porto Alegre: Bem Brasil, 2012. p. 17-44.

ARAÚJO, M. N. O. A alternância no uso dos espaços token e sub-rogado na narrativa do surdo. Revista Intercâmbio dos Congressos Internacionais de Humanidades, Brasília, n. 6, p. 1163-1184. 2016.

BASTOS, L. C. Narrativa e vida cotidiana. Scripta, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 118-127. 2004.

BRASIL, Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 2005, Seção 1, p. 28.

CESAR, A. L; CAVALCANTI, M. C. Do singular para o multifacetado: o conceito de língua como caleidoscópio. In: CAVALCANTI, M. C, BORTONI-RICARDO, S. M. (Org.). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas: Mercado das Letras, 2007. p. 45-66.

CAVALCANTI, M. C. Educação linguística na formação dos professores de línguas: intercompreensão e práticas translíngues. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) Linguística Aplicada na modernidade recente. São Paulo: Parábola, 2013. p. 211-226.

CASTRO, N. P. A tradução de fábulas seguindo aspectos imagéticos da linguagem cinematográfica e da língua de sinais. 2012. 165 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

ERICKSON, F. Métodos cualitativos de investigación sobre la enseñanza. In: WITTROK, M. (Ed). La investigación de la enseñanza II. Métodos cualitativos de observación. Barcelona: Paidós MEC, 1989. p. 195-299.

FELÍCIO, M. D. O surdo e a contação de histórias – Análise da interpretação simultânea do conto “Sinais no Metrô”. 2013. 137 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

FRANCISCHINI, R. Linguagem oral – linguagem escrita: elementos conjuntivos na produção de narrativas por crianças em processo formal de aquisição da escrita. 1990. 159 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

GALAN, F. A história de um ovo. São Paulo: FTD, 1996.

GARCÍA, O. Bilingual education in the 21st Century: a global perspective. Malden: Wiley-Blackwell, 2009.

GOLDIN-MEADOW, S; OZÇALISKAN, S. Gesture is at the cutting edge of early language development. Cognition, Chicago, n. 96, p. 101-113, jan. 2005. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cognition.2005.01.001

HAMEL, R. E; SIERRA, M. T. Diglosia y conflicto intercultural: la lucha por un concepto o la danza de los significantes. Boletim de antropologia americana, n. 8, p. 89-109, 1983.

HAMEL, R. E. Determinantes sociolinguísticas de la educatión indígena bilingüe. Trabalhos em Lingüística Aplicada, n.14, p. 15-66, 1989.

HANKS, W. F. Language and Communicative Practices. Boulder: Westview, 1996.

HONORA, M; LOPES. M. Os três porquinhos. Jandira: Ciranda Cultural, 2010.

KUMADA, K. M. O. 156 f. “No começo ele não tem língua nenhuma, ele não fala, ele não tem LIBRAS, né?”: representações sobre línguas de sinais caseiras. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

LABOV, W; ALETSKY, W. J. Narrative analysis: oral versions of personal experience. In: JELM, J. et al. (Org.). Essays on the verbal and visual arts. Seattle: Washington University Press, 1967. p. 12-44.

LEBEDEFF, T. B; GUEDES, S. A. M. Não preciso de permissão para me apropriar do mundo: criança surda na pré-escola apropriando-se da língua portuguesa. In: LEBEDEFF, T. B; PEREIRA, I.L.S. (Org.). Educação especial: olhares interdisciplinares. Passo Fundo: Editora Universitária, 2005, p. 72-87.

LEITE, T. A; MCCLEARY, L. A identificação de unidades gramaticais na Libras: uma proposta de abordagem baseada-no-uso. Revista Todas as Letras, São Paulo, v. 15, n. 1, p, 62-87, 2013.

LODI, A. C. B. Uma leitura da Língua Brasileira de Sinais: o gênero conto de fadas. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 20, n. 2, p. 281-310, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-44502004000200005

MAHER, T. M. Do casulo ao movimento: a suspensão das certezas na educação bilíngüe e intercultural. In: CAVALCANTI, M. C.; BORTONI-RICARDO, S. M. (Org.). Transculturalidade, Linguagem e Educação. São Paulo: Mercado das Letras, 2007. p. 67-94.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros Textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, A. P; MACHADO, A. R; BEZERRA, M. A. (Org.). Gêneros Textuais e Ensino. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003. p. 19-36.

MARTIN-JONES, M; ROMAINE, S. Semilingualism: a half baked theory of communicative competence. Applied Ling, v. 7, p.27-38, 1986. DOI: https://doi.org/10.1093/applin/7.1.26

MCCLEARY, L; VIOTTI, E; LEITE, T. A. Descrição das línguas sinalizadas: a questão da transcrição de dados. Alfa, v. 1, n. 54, p. 265-289, 2010.

MCCLEARY, L; VIOTTI, E. Espaços integrados e corpos partidos: vozes e perspectivas narrativas em línguas sinalizadas. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 18, n 34, p. 121-134, 2014. DOI: https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2014v18n34p121

MILANEZ, N. Materialidades da paixão: sentidos para uma semiologia do corpo. In: CURCINO, L; PIOVEZANE, C; SARGENTINI, V (Org.). Discurso, Semiologia e História. São Carlos: Claraluz, 2011. p. 177-220.

MOITA LOPES, L. (Org.). Por uma linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

PEREIRA, M. C. Interação e construção de sistema gestual em crianças deficientes auditivas. 1989. 253 f. Tese de Doutorado (Doutorado em Ciências) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1989.

PEREIRA, M. C. C; NAKASATO, R. Aquisição de narrativas em língua de sinais brasileira. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 355-363, 2001.

PERRONI, M. C. Desenvolvimento do Discurso Narrativo. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

QUADROS, R. M. Aquisição das Línguas de Sinais. In: QUADROS, R. M; STUMPF, M. R (Org.). Estudos Surdos IV. Petrópolis: Arara Azul, 2009. p. 142-169. DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v10i2.984

QUADROS, R. M; CRUZ, C. R. Língua de Sinais: instrumentos de avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2011.

RYMES, B. Classroom Discourse Analysis: A Focus on Communicative Repertoires. In: HORNBERGER, N. H.; MCKAY, S. L. Sociolinguistics and Language Education. Bristol, UK: Multilingual Matters, 2010. p. 528-545. DOI: https://doi.org/10.21832/9781847692849-021

SACKS, O. W. Vendo Vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SCHLATTER, M.; GARCEZ, P. M. Línguas adicionais (Espanhol e Inglês). In: RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Educação. Departamento Pedagógico. Referenciais curriculares do estado do Rio Grande do Sul: linguagens, códigos e suas tecnologias. Porto Alegre: SE/DP, 2009. p. 125-172.

SILVA, I. R. As representações do surdo na escola e na família: entre a (in)visibilização da diferença e da “deficiência”. 2005. 274 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005. DOI: https://doi.org/10.5935/1981-4755.20180030

SILVA, I. R.; KUMADA, K. M. O. Representações sobre o contexto multilíngue da surdez. Interdisciplinar: Revista de Estudos em Língua e Literatura, v. 19, n. 1, p. 99-114, jul/dez 2013.

SILVA, I. R; PIRES-SANTOS, M. E. Línguas negadas: repertórios linguísticos e práticas translíngues de alunos surdos. In: ROCHA, C. H; EL KADRI, M. S., WINDLE, J. A. (Org.). Diálogos sobre Tecnologia Educacional: Educação linguística, mobilidade e práticas translíngues. Campinas: Pontes, 2017. p. 269-302.

SILVA, I. R; FAVORITO, W. Reflexões Sobre o Estatuto das línguas nos Contextos Bi-multilíngues de Educação para Surdos no Brasil. Línguas & Letras, v. 19, n. 44, p. 149-167. 2018.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

TANNEN, D. The Myth of Orality and Literacy. In: FRAWLEY, W. (org.). Linguistics and literacy. New York, 1982. p. 37-50. DOI: https://doi.org/10.1007/978-1-4615-9302-7_3

TERVOORT, B. T. Esoteric symbolism in the communication behavior of young deaf children. Washington, D.C: American Annals of the Deaf, v. 106, p. 436-480, 1961.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

MESSIAS MOTA, A. .; RODRIGUES SILVA, I. O uso de recursos comunicativos no desenvolvimento narrativo de crianças surdas, filhas de pais ouvintes. Letras & Letras, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 64–84, 2021. DOI: 10.14393/LL63-v37n2-2021-04. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/54982. Acesso em: 9 ago. 2022.