ANÁLISE DA QUALIDADE DE MOLHOS CONSUMIDOS COMO ACOMPANHAMENTOS EM LANCHES

UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

  • Leonardo Augusto da Silva Faculdade de Enfermagem Nova Esperança de Mossoró
  • Samantha Jamilly Silva Rebouças Faculdade de Enfermagem Nova Esperança de Mossoró https://orcid.org/0000-0001-9836-9380
  • Lidiane Pinto de Mendonça Faculdade de Enfermagem Nova Esperança de Mossoró https://orcid.org/0000-0001-5597-2446

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia1859745

Palavras-chave:

Salmonella, Lanches, Contaminação de Alimentos

Resumo

Objetivo: analisar a qualidade de molhos utilizados como acompanhamento em lanches. Métodos: Foi realizada uma revisão integrativa de artigos encontrados em bases de dados PubMed, SciElo, Google Acadêmico e Science Direct, utilizando os descritores “maionese caseira”, “molhos caseiros”, “contaminação de molhos” em bases nacionais e “Homemade mayonnaise”, “contamination of homemade suaces” e “homemade sauces”. Foram encontrados cerca de dois mil estudos relacionados, dos quais, após a aplicação dos critérios estabelecidos de inclusão/exclusão 8 foram selecionados para compor a pesquisa. Resultados: os microrganismos mais frequentes encontrados nas amostras dos molhos dos estudos analisados foram as bactérias: Salmonella spp. Escherichia coli e Staphylococcus aureus. Além desses, outros gêneros foram encontrados, como também outros contaminantes perigosos à saúde humana como fungos, parasitas e chumbo. Conclusão: os molhos comumente consumidos como acompanhamento em lanches, se apresentam como uma importante fonte de contaminação microbiológica, como também podem apresentar metais pesados em sua composição caracterizando sérios riscos à saúde dos consumidores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-05-23

Como Citar

DA SILVA, L. A.; REBOUÇAS, S. J. S.; DE MENDONÇA, L. P. ANÁLISE DA QUALIDADE DE MOLHOS CONSUMIDOS COMO ACOMPANHAMENTOS EM LANCHES: UMA REVISÃO INTEGRATIVA. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [S. l.], v. 18, p. 89–101, 2022. DOI: 10.14393/Hygeia1859745. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/59745. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos