RELAÇÕES ENTRE REDE URBANA E COVID-19 EM MINAS GERAIS

Autores

  • Wagner Batella Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Vitor Koiti Miyazaki Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia0054622

Palavras-chave:

COVID-19, Difusão espacial, Rede urbana, Geografia da Saúde

Resumo

O ano de 2020 marcou a primeira pandemia do século XXI causada pela COVID-19, doença transmitida pelo vírus SARS-CoV-2. Tendo surgido na cidade chinesa de Wuhan, o vírus se espalhou rapidamente para outras partes do mundo, chegando ao Brasil no final de fevereiro. Desde então, a população brasileira acompanha atônita a difusão espacial do vírus no território nacional. A entrada no país deu-se por São Paulo, maior e mais importante centro urbano do Brasil, e hoje está presente em todos os estados. Neste texto trataremos especificamente do estado de Minas Gerais, com o objetivo de analisar as relações entre a dinâmica espacial da COVID-19 e a configuração da rede urbana mineira. Para tanto, tomamos como base os dados disponibilizados pelo IBGE, bem como da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (SES-MG). Os resultados permitem uma série de reflexões sobre a dinâmica espacial da doença, particularmente sobre seu processo de difusão, bem como sua forte relação com as interações e as concentrações espaciais de pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-06-18

Como Citar

BATELLA, W.; KOITI MIYAZAKI, V. RELAÇÕES ENTRE REDE URBANA E COVID-19 EM MINAS GERAIS . Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [S. l.], p. 102–110, 2020. DOI: 10.14393/Hygeia0054622. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/54622. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Edição Especial: Dossiê COVID-19