“Isto aqui não é escola, é zoológico. Lá estão os animais”: Morte em tenra idade de Jonathan Kozol e as injustiças e violências promovidas pelo sistema escolar americano na década de 1960

Conteúdo do artigo principal

Juliana de Souza Silva
https://orcid.org/0000-0002-2790-8479

Resumo

O artigo trata das relações entre professores e alunos e das opressões, violências e desigualdades presentes no sistema escolar norte-americano. Para tanto, examina as memórias de Jonathan Kozol, que no livro Morte em tenra idade, escrito em 1960, narra sua breve experiência como docente de uma escola segregada de Boston, nos Estados Unidos. Na ocasião da publicação de sua autobiografia docente, o autor ofereceu ao público uma obra importante para o questionamento da escola pública de seu país. Além disso, seu relato desvela o cotidiano escolar evidenciando os conteúdos escolares, as formas de ensinar e as condutas abusivas de seus colegas de profissão em relação aos alunos, que não correspondendo às suas representações de excelência, acabavam sofrendo violências físicas e simbólicas, como as que apresentavam a percepção da escola como sendo um “zoológico” e a dos estudantes como sendo “animais”. Seu livro lança luz àquilo que automatizamos e naturalizamos e mostra-nos a literatura como possibilidade de formação e de conhecimento da realidade social, histórica e psicológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Silva, J. de S. . (2022). “Isto aqui não é escola, é zoológico. Lá estão os animais”: Morte em tenra idade de Jonathan Kozol e as injustiças e violências promovidas pelo sistema escolar americano na década de 1960. Cadernos De História Da Educação, 21(Contínua), e075. https://doi.org/10.14393/che-v21-2022-75
Seção
Dossiê 1 - Contribuições da literatura para a História da Educação
Biografia do Autor

Juliana de Souza Silva, Universidade Cruzeiro do Sul (Brasil)

https://orcid.org/0000-0002-2790-8479 
http://lattes.cnpq.br/4587435154983848 
juped@usp.br 

Referências

AMARAL, Daniele K. Histórias de (re) provação escolar: vinte e cinco anos depois. Dissertação de Mestrado, FEUSP, 2010.

BOURDIEU, Pierre. La noblesse d’État: grandes écoles et sprit de corps. Paris: Editions de Minuit, 1989.

BOURDIEU, Pierre. O racismo da inteligência. In: _____. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Vozes, 2019, p. 248-251.

BOURDIEU, Pierre.; SAINT-MARTIN, Monique.. As categorias do juízo professoral. In: BOURDIEU, P. Escritos de Educação. 15° edição: Petrópolis, 2014.

CATANI, Denice Barbara.; GALLEGO, Rita de Cássia. Avaliação. São Paulo: Unesp, 2009.

ELIAS, Norbert. La civilisation des parents. In: ____. Au-delà de Freud: sociologie, psychologie, psychanalyse. Paris: Éditions la Découvert, 2010.

KOZOL, Jonathan. Morte em tenra idade. São Paulo: Loyola, 1983.

MORALES, Pedro. A relação professor-aluno: o que é, como se faz. 4ª Ed., São Paulo: Loyola, 2003.

PATTO, Maria Helena Souza. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. 4ª Ed. São Paulo: Intermeios, 2015.

PERRENOUD, Philippe. O currículo real e o trabalho escolar. In: _____. O Ofício de aluno e o sentido do trabalho escolar. Porto: Porto Editora, 1995, p. 39-71.

ROSENTHAL, Robert.; JACOBSON, Lenore. Profecias auto-realizadoras na sala de aula: as expectativas dos professores como determinantes não intencionais da capacidade intelectual dos alunos. In: PATTO, M. H. S. (Org.). Introdução à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1981.

TRENTO, Denise Rebello de S.; AMARAL, Daniele K. Quatro histórias de (re) provação escolar – Notas sobre os rumos das vidas de Ângela, Nailton, Augusto e Humberto. In: PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. 4ª Ed. São Paulo: Intermeios, 2015.