As recomendações internacionais (BIE e Unesco), a Lei Orgânica do Ensino Normal e formação de professores no Paraná (1946-1961)

Conteúdo do artigo principal

Maria Elisabeth Blanck Miguel
https://orcid.org/0000-0003-2307-7791

Resumo

Este artigo trata da formação dos professores no Paraná, suas relações com a Lei Orgânica do Ensino Normal (1946), as recomendações do Bureau internacional da Educação (BIE) de 1934 a 1947 e UNESCO, no período de 1946 a 1961. Esta formação no Paraná adequou-se à Lei Orgânica do Ensino Normal de 02/01/1946, que se orientava pelas recomendações do BIE, ratificadas pela UNESCO a partir de sua constituição. Busca-se perceber como essas políticas para formação de professores (PR), articularam-se às políticas nacionais atendendo às recomendações do BIE. Os resultados apontam para as relações entre a Lei Orgânica do Ensino Normal (1946), as Recomendações do BIE e posteriores recomendações da UNESCO. O artigo mostra como as medidas tomadas pelo Secretário de Educação e Cultura do Paraná (1949-1951), procuraram atender às Leis Orgânicas, quanto à formação de professores para o ensino primário, nas zonas rurais e centros urbanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Miguel, M. E. B. . (2021). As recomendações internacionais (BIE e Unesco), a Lei Orgânica do Ensino Normal e formação de professores no Paraná (1946-1961). Cadernos De História Da Educação, 20(Contínua), e027. https://doi.org/10.14393/che-v20-2021-27
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Maria Elisabeth Blanck Miguel, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (Brasil)

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq
https://orcid.org/0000-0003-2307-7791
http://lattes.cnpq.br/8090273140545543
maria.elisabeth@pucpr.br

Referências

AKSENEN, E. Z.; MIGUEL, M.E. B. A UNESCO e a educação rural brasileira no Paraná, o caso de Prudentópolis. Curitiba: Appris Editora, 2019.

ALVES, Gilberto. Luiz. Nacional e Regional na História Educacional Brasileira: uma Análise sob a Ótica dos Estados Mato-grossenses. In: Soc. Bras. de História da Educação. (Org.). Educação no Brasil: história e historiografia. 1ed.Campinas: Autores Associados, 2001.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BRASIL. Decreto-Lei nº 580, de 30 de julho de 1938. Dispõe sobre a organização do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/ 1930-1939/decreto-lei-580-30-julho-1938-350924-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 22 jan. 2020.

BRASIL. Decreto-Lei nº 8.530, de 20 de agosto de 1946. Aprova a Lei Orgânica do Ensino Normal. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-8530-2-janeiro-1946-458443-norma-pe.html. Acesso em 13 maio 2020.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. Conferências Internacionais de Instrução Pública. Recomendações 1934-1963. 1965.

EVANGELISTA, Ely G. dos Santos. A UNESCO e o mundo da cultura. Goiânia: UFG, 2003.

GOMIDE, Ângela G. Vieira. A UNESCO e as políticas para a formação de professores no Brasil: um estudo histórico 1945-1990. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2012.

IANNI, Octávio. Estado e capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1990.

LEMME, Paschoal. MEMÓRIAS DE UM EDUCADOR/Paschoal Lemme. 2.ed. v. 4; Estudos de Educação, Participação em Conferências e Congressos. Documentos. Brasília: INEP, 2004. Disponível em: http://www.publicacoes.inep.gov.br/portal/download/401. Acesso em: 7 nov. 2019.

MIGUEL, M. E. B. A formação de professores e sua função social. In: Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, VI, 2006, Uberlândia – MG. Disponível em: http://www2.faced.ufu.br/colubhe06/anais/arquivos/192MariaElisabethBlanckMiguel.pdf. Acesso em: 02 mar. 2020.

MIGUEL, M. E. B. A formação do professor e a organização social do trabalho. Curitiba: Ed. da UFPR, 1997.

MIGUEL, M. E. B. A formação do professor para as escolas rurais e as políticas de educação do homem do campo. In: WERLE, Flávia Obino Corrêa (org.) Educação Rural: práticas civilizatórias e institucionalização da formação de professores. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Liber Livro, 2010

MIGUEL, M. E. B.; VIEIRA, Alboni M. D. Pianovski. A Escola Nova no Paraná: avanços e contradições. Revista Diálogo Educacional. Curitiba: Editora Champagnat, v. 5, n. 14. jan/abril 2005. DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v5i14.7355.

PARANÁ. Lei nº 312, de 03 de dezembro de 1949. Torna gratuito o ensino secundário e normal. Diário Oficial de 06 de dezembro de 1948. Departamento Estadual de Arquivo Público do Paraná.

PILOTTO. E. A educação é direito de todos. Curitiba, PR. s/ edit. 1952.

ROMANELLI. O. História da educação no Brasil. Petrópolis, RJ, Editora Vozes, Ltda. 1978.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Brasília, v.14, n.40, jan./abr. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782009000100012.

TANURI, L. M. História da formação de professores. In: Revista Brasileira de Educação. Brasília, nº.14, maio-ago. 2000.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria: ou um planetário de erros (uma crítica ao pensamento de Althusser) Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

UNESCO. A UNESCO no Brasil: consolidando compromissos. Brasília, 2004. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000137491. Acesso em 24 abr. 2019.

UNESCO. Constituição da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.2002. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001472/147273por.pdf. Acesso em 15 ago 2019.

UNESCO. International Conference on Education: recommendations, 1934-1977. Disponível em: https//: www.unesco/org/education/pdf/34_77_F.PDF. Acesso em 15/08/2018.

UNESCO. Recomendação nº. 32. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, INEP. Brasília, nº. 47, p. 102-114, julho-setembro 1952.

UNESCO. Recomendação nº. 36. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, INEP. Brasília, nº. 55, p. 75-86, julho-setembro 1954.

UNESCO. Recomendação nº. 37. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, INEP. Brasília, nº. 55, p. 86-94, julho-setembro 1954.

UNESCO. Recomendação nº. 45. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, INEP Brasília. nº. 68, p. 124-129, outubro-dezembro 1957.

UNESCO. Recomendação nº. 47.In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, INEP Brasília, nº. 72, p. 65-72, outubro-dezembro 1958.

UNESCO. Recomendação nº. 51.In:Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, nº. 82, p. 75-82, abril-junho 1961.

UNESCO. Recomendação nº. 55. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, INEP Brasília, nº. 89, p. 104-110, janeiro-março 1963.

UNESCO. Recomendação nº. 57. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, INEP Brasília, nº. 93, p. 67-73, janeiro-março 1964.

WACHOWICZ, L. A. Relação professor-estado no Paraná tradicional. Curitiba: Zahar Editora, 1984.

WACHOWICZ, Ruy C. História do Paraná. 10 ed. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2010.

WERLE, F. O. C. Escola Normal Rural: espaço de formação de grupos dirigentes. Olhar de professor (UEPG Impresso), v.15, p.33-39, 2012. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/4226/3011. Acesso em: 23 jul. 2019. DOI: https://doi.org/10.5212/OlharProfr.v.15i1.0002.