O Canto Orfeônico na escola republicana brasileira e suas influências europeias (1890 – 1931)

Conteúdo do artigo principal

Wilson Lemos Junior
http://orcid.org/0000-0002-3566-9113

Resumo

Este artigo tem por objetivo discorrer sobre o ensino do Canto Orfeônico na legislação brasileira entre 1890 e 1931 e sua relação com o ensino de Canto Orfeônico surgido na Europa ainda no século XVIII. Utiliza-se como fontes, as legislações escolares como as reformas de ensino de Benjamin Constant (1890) e de Francisco Campos (1931), assim como alguns artigos publicados por educadores como Veríssimo de Souza (1907; 1910) e Chasteau (1899). Somam-se às fontes, pesquisas de autores como Contier (1998), Souza (2000), Jardim (2003; 2006; 2009) e Gilioli (2008). O artigo está dividido em duas partes. A primeira parte investiga as relações entre a prática orfeônica brasileira e a europeia. A segunda aborda as características do Canto Orfeônico. A influência do orfeonismo praticado na Europa tornou-se definitiva para a realidade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Lemos Junior, W. . (2020). O Canto Orfeônico na escola republicana brasileira e suas influências europeias (1890 – 1931). Cadernos De História Da Educação, 19(3), 1069–1079. https://doi.org/10.14393/che-v19n3-2020-24
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Referências

BRASIL. Decreto-lei n.º 9.494, de 22 de julho de 1946. A Lei Orgânica do Ensino de Canto Orfeônico. Diário Oficial da União. 27. jul. 1946

BRASIL. Decreto-lei n.º 4.993, de 26 de novembro de 1942. Diário Oficial da União. Seção 1, Página 17.353. 28. Nov. 1942.

BRASIL. Decreto-lei n.º 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Leis de Diretrizes e Bases. Diário Oficial da União. 20. dez. 1961.

BRASIL. Decreto-lei n.º 5.692, de 11 de agosto de 1971. Leis de Diretrizes e Bases. Diário Oficial da União. 11. ago. 1971.

BRASIL, Decreto n.º 19890, de 18 de abril de 1931. In: Diário Oficial da União. Página 6.945. 01. mai. 1931.

BRASIL. Decreto n.º 981 de 8 de novembro de 1890. Disponível em: < http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/fontes_escritas/4_1a_Republica/decreto%20981-1890%20reforma%20benjamin%20constant.htm>. Acesso: 01. mai. 2015.

CHASTEAU. Lições de pedagogia. Porto: Ária Figueirinhas, 1899.

CONTIER, A. D. Passarinhada do Brasil: canto orfeônico, educação e getulismo. Bauru: EDUSC, 1998.

GILIOLI, R. S. P. Educação musical antes e depois de Villa-Lobos e os registros sonoros de uma época. Programa nacional de apoio à pesquisa. Fundação Biblioteca Nacional. Ministério da Cultura, 2008.

HOBSBAWN, E. Nações e Nacionalismo desde 1780. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

HOBSBAWN, E. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

JARDIM, V. L. G. Educação musical: a concepção escolar para o ensino de música. In: OLIVEIRA, M. A. T. Educação do corpo na escola brasileira. Campinas: Autores Associados, 2006.

JARDIM, V. L. G. Institucionalização da profissão docente: o professor de música e a escola pública. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 21, p. 15-24, mar. 2009.

JARDIM, V. L. G. Os sons da República. 2003. 140 f. Dissertação de mestrado (Programa de Pós Graduação em Educação) - Pontifícia Universidade Católica, 2003.

KAMENS, D. e CHA, Y. K. La legitimación de nuevas asignaturas em la escolarización de masas: orígenes (siglo XIX) y difusión (siglo XX) de la enseñanza del arte y de la educación física. Revista de estudios del currículo. Barcelona, v. 2, n.º 1, jan. 1999.

SOUZA, R. F. de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo: (1890 – 1910). São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

SOUZA, V. O ensino de Musica. A Escola: Revista do Grêmio dos Professores Públicos do Estado do Paraná, Coritiba, ano II, jun./jul. 1907.

SOUZA, V. Educação Esthetica. A Escola: Revista do Grêmio dos Professores Públicos do Estado do Paraná, ano V, Coritiba, abr./jun. 1910.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.