Camadas continentais vermelhas, verdes e brancas do Cretáceo Superior do Grupo Bauru (região do Triângulo Mineiro, estado de Minas Gerais, Brasil) e sua fauna de vertebrados

Autores

  • Carlos Roberto dos Anjos Candeiro UFU
  • Camila Tavares Pereira UFU
  • Emerson Ferreira de Oliveira UFU
  • Diego de Jesus Alves UFU
  • Filipi da Silva Limonta UFU
  • Caio Cesar Rangel UFU

Resumo

Desde 1940 os restos de vertebrados fósseis têm sido encontrados nos sedimentos do Cretáceo Superior do Grupo Bauru na região do Triângulo Mineiro (oeste do estado de Minas Gerais, Brasil). Excelentes afloramentos continentais de cor vermelha, verde e branca se encontram expostos na porção norte da Bacia Bauru. A unidade mais antiga é a Formação Adamantina (Turoniano-Santoniano), seguida pelas formações Uberaba (Coniaciano-Santoniano) e Marília (Maastrichtiano). Observações geologícas indicam que os sedimentos do Grupo Bauru no Triângulo Mineiro foram depositados em um ambiente terrestre árido e semi-árido com a presença de rios anostomosados na Formación Adamantina. Os vertebrados reportados neste grupo viveram em um ambiente árido a semi-árido. A fauna de vertebrados do Triângulo Mineiro é proximamente relacionada com as assembléias Neuqueniana, Coloradiana e Alleniana reportadas na Patagonia Argentina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Roberto dos Anjos Candeiro, UFU

Graduado em Geografia e Ciências Biológicas. Mestre e doutor em Geologia (Paleontologia e estratigrafia). Docente do Curso de Geografia do Campus do Pontal da Universidade Federal de Uberlândia

Downloads

Publicado

2010-12-26

Como Citar

ROBERTO DOS ANJOS CANDEIRO, C.; PEREIRA, C. T.; OLIVEIRA, E. F. de; ALVES, D. de J.; LIMONTA, F. da S.; RANGEL, C. C. Camadas continentais vermelhas, verdes e brancas do Cretáceo Superior do Grupo Bauru (região do Triângulo Mineiro, estado de Minas Gerais, Brasil) e sua fauna de vertebrados. Brazilian Geographical Journal, Ituiutaba, v. 1, n. 2, 2010. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/braziliangeojournal/article/view/8165. Acesso em: 19 jul. 2024.