A PALEONTOLOGIA NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL: FÓSSEIS E AFLORAMENTOS CONHECIDOS

Autores

  • Sandro Marcelo Scheffler

Resumo

O conhecimento sobre o registro fossilífero no estado do Mato Grosso do Sul ainda é muito incipiente, apesar das primeiras citações de fósseis terem ocorrido na segunda metade do século XIX. A área que concentra o maior número de trabalhos paleontológicos é a região das Morrarias do Urucum, Município de Corumbá, devido ao interesse comercial nos depósitos de ferro, manganês e calcário dos grupos Jacadigo e Corumbá. Outras unidades geológicas ricamente fossilíferas em outros estados, quase não apresentam fósseis no Mato Grosso do Sul. Esta ausência de fósseis, no entanto, não reflete a realidade do registro e provavelmente é fruto do pequeno número de pesquisadores que trabalharam ou estão trabalhando no estado e da escassez de cursos de Geologia e Paleontologia nas instituições de ensino superior. Com intuito de facilitar e incentivar as pesquisas envolvendo material fóssil no estado foi realizado este levantamento paleontológico que apresenta os fósseis e as localidades fossíliferas conhecidas no Mato Grosso do Sul, envolvendo um registro estratigráfico do Neo-Proterozóico até quase o presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-12-25

Como Citar

SCHEFFLER, S. M. A PALEONTOLOGIA NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL: FÓSSEIS E AFLORAMENTOS CONHECIDOS. Brazilian Geographical Journal, Ituiutaba, v. 1, n. 1, 2010. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/braziliangeojournal/article/view/8059. Acesso em: 20 jul. 2024.