PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/BGJ-v13n1-a2022-68575

Resumo

Conhecer o território e a realidade das populações que estão em condições de vulnerabilidade social pode ajudar no estabelecimento de políticas públicas e programas de promoção da saúde. O objetivo deste artigo é apresentar o território como instrumento fundamental para estratégias de tal promoção. A metodologia consistiu em pesquisa bibliográfica em artigos, livros, dissertações, teses, textos disponíveis em bases digitais de livre acesso na internet, entre outros. Como resultado, constata-se que, se por um lado, para a construção de territórios saudáveis, exige-se políticas públicas saudáveis, o que não é tarefa exclusiva do setor da saúde, mas de todos os setores da governança, por outro, além de ações intersetoriais, exige-se a participação da sociedade civil, de sujeitos individuais, de grupos sociais e instituições. É preciso incluir como tarefa diária o pensar e o fazer promoção da saúde, redesenhando permanentemente um projeto de saúde no território, no qual não prevaleça o modelo higienista/sanitarista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia de Oliveira Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá (IFAP)

Possui Graduação em Geografia (Licenciatura) e Especialização em Gestão Ambiental pela Universidade Estadual de Goiás, Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás e Doutorado em Geografia pelo Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia. É professora do Ensino, Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amapá, Campus Santana e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT).

Downloads

Publicado

2022-06-10

Como Citar

SANTOS, F. de O. PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO. Brazilian Geographical Journal, Ituiutaba, v. 13, n. 1, p. 54–65, 2022. DOI: 10.14393/BGJ-v13n1-a2022-68575. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/braziliangeojournal/article/view/68575. Acesso em: 17 jul. 2024.