IMPLICAÇÕES PARA O BIOMA PANTANAL DO CULTIVO DA CANA DE AÇÚCAR NA BACIA DO ALTO PARAGUAI

Autores

  • Junior Miranda Scheuer Universidad de la República, Uruguay
  • Sandra Mara Alves da Silva Neves Professora adjunta do Curso de Geografia e do Mestrado em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)
  • Ronaldo José Neves In memoriam.

Resumo

As primeiras atividades econômicas no bioma Pantanal foram a pecuária, a extração de minérios e a agricultura, com destaque ao sistema canavieiro. Objetivou-se identificar os municípios produtores de cana de açúcar na porção brasileira da Bacia do Alto Paraguai, Mato Grosso, e os possíveis impactos ambientais para o bioma Pantanal. A investigação foi realizada a partir de revisão bibliográfica e com dados secundários. O cultivo da cana está presente em 21 municípios nos quais em seis há unidades agroindustriais que produzem etanol e/ou açúcar. As práticas agropecuárias e agroindustriais podem gerar impactos ambientais e comprometer com a biodiversidade do bioma. Salvo isso, os avanços tecnológicos e as orientações técnicas-legislativas constituem ferramentas que guiam a sustentabilidade desse setor. A premissa do plantio da cana deve partir de uma visão holística sobre as questões ambientais, sociais e econômicas no contexto do bioma Pantanal, nada mais, nada menos do postulado de desenvolvimento sustentável. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Junior Miranda Scheuer, Universidad de la República, Uruguay

Doctorando en Ciencias Agrarias (Udelar/URY-UY);Mestre em Ambiente e Sistemasde Produção Agrícola (Unemat/MT-BR); Especialista em Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável (Uninter/PR-BR); Especialista em Educação Profissional (Senac/RS-BR); Tecnólogo em Produção Sucroalcooleira (Uri/RS-BR). Professor na Facultad de Agronomía da Universidad de la República.

Sandra Mara Alves da Silva Neves, Professora adjunta do Curso de Geografia e do Mestrado em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

Licenciada e bacharel em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) - Campus de Três Lagoas, Mestre em Geografia pela Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Campus de Presidente Prudente e Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Ronaldo José Neves, In memoriam.

Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Downloads

Publicado

2019-10-03