Modelagem matemática da secagem de cascas de mulungu

Authors

  • Jorge Jacó Alves Martins Universidade Federal de Campina Grande
  • Jordânio Inácio Marques Universidade Federal de Campina Grande
  • Dyego da Costa Santos Universidade Federal de Campina Grande
  • Ana Paula Trindade Rocha Universidade Federal de Campina Grande

Abstract

O Erythrina velutina, conhecido popularmente como mulungu, vem sendo utilizado no Nordeste brasileiro devido suas propriedades medicinais. Suas cascas, após extração da árvore, apresentam elevado teor de água necessitando de secagem para atender às necessidades da indústria farmacêutica de fitoterápicos. Objetivou-se com este trabalho secar cascas de mulungu nas temperaturas de 40, 50, 60 e 70 °C e ajustar diferentes modelos matemáticos aos dados da cinética de secagem. Constatou-se que as cascas de mulungu apresentaram elevados tempos de secagem, com tempos variando de aproximadamente 35 h para a temperatura de 40 °C e 14 h para a temperatura de 70 °C. O aumento da temperatura de desidratação promoveu elevação das taxas de secagem, atingindo valor superior a 9 × 10-3 kg kg.min-1 à 70 °C no início da secagem, decrescendo posteriormente com o decorrer do processo. Dentre os modelos matemáticos avaliados, o de Midilli foi o que melhor se ajustou aos dados experimentais da secagem de cascas de molungu, apresentando os maiores valores de coeficientes de determinação (R2), baixos desvios quadráticos médios (DQM) e tendência aleatória de distribuição dos resíduos.

Downloads

Download data is not yet available.

Published

2014-11-11

How to Cite

MARTINS, J.J.A., MARQUES, J.I., SANTOS, D. da C. and ROCHA, A.P.T., 2014. Modelagem matemática da secagem de cascas de mulungu . Bioscience Journal [online], vol. 30, no. 6, pp. 1652–1660. [Accessed22 May 2022]. Available from: https://seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/21956.

Issue

Section

Agricultural Sciences