Influência do manejo pré-abate de bovinos na indústria sobre os parâmetros de bem-estar animal e impactos no ph 24 horas post mortem

Authors

  • Claudesina Rodrigues Leite Universidade Federal de Uberlândia
  • Mara Regina Bueno de Mattos Nascimento Universidade Federal de Uberlândia
  • Daniela de Oliveira Santana Universidade Federal de Uberlândia
  • Ednaldo Carvalho Guimarães Universidade Federal de Uberlândia
  • Hugo Ribeiro Morais Prefeitura Municipal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.14393/BJ-v31n1a2015-21879

Abstract

Avaliou-se o manejo pré-abate de 320 fêmeas bovinas, divididas em oito lotes de 40 animais, de acordo com a procedência, hígidas e azebuadas com idade entre 2 a 4 anos, provenientes de oito propriedades do Triângulo Mineiro-MG, as quais foram abatidas em um matadouro frigorífico localizado nessa mesma região. Relacionaram-se nesse manejo, parâmetros de bem-estar animal e seus efeitos no atordoamento, sangria e pH 24 horas. Analisou-se a condução dos animais no matadouro frigorífico, desde os currais até o boxe de atordoamento, insensibilização dos bovinos e monitoramento do tempo até a sangria, a eficiência do atordoamento e a mensuração do pH das carcaças após 24 horas do abate. Ao considerar cada lote de 40 animais, os escorregões e as quedas variaram de 0 (0%) a 2 (5%), e vocalizações de 0 (0%) a 10 (25%), contabilizadas durante a condução dos bovinos. O menor valor do uso do bastão elétrico por lote de 40 animais foi de 23 (57,5%) e o maior de 40 (100%), o que reflete a falta de um manejo adequado nesta fase. Os bovinos avaliados após o atordoamento e adequadamente insensibilizados estiveram entre 31 a 40 animais (77,5% a 100%) por lote. A insensibilização com um disparo oscilou de 29 a 36 animais (72,5% a 90%), com exceção de um lote, cujo atordoamento não foi eficiente por defeito no equipamento no dia de avaliação e todos os animais receberam mais de um disparo. O intervalo entre o atordoamento e a sangria não variou (P> 0,05), mantendo-se dentro de um minuto. O tempo de sangria variou entre lotes (P<0,05), porém dentro do tempo mínimo preconizado (3 minutos), exceto um lote que obteve menor tempo (2,54 minutos). Os valores médios de pH 24 horas post mortem em um lote ficou dentro do ideal que é de até 5,8; seis lotes ficaram entre 5,81 a 5,99, considerados intermediários em relação ao pH ideal. Em um lote, os valores médios para as carcaças dos bovinos estiveram acima de 6,0; avaliada como parâmetro indesejável. O manejo pré-abate no matadouro frigorífico influencia nos parâmetros de bem-estar animal, pois irregularidade de manutenção de equipamentos e instalações, mão de obra não qualificada e supervisão ineficiente provocam falhas nos processos de atordoamento, sangria e pH 24 horas, com perda da qualidade da carne.

Downloads

Download data is not yet available.

Published

2015-01-06

How to Cite

LEITE, C.R., NASCIMENTO, M.R.B. de M., SANTANA, D. de O., GUIMARÃES, E.C. and MORAIS, H.R., 2015. Influência do manejo pré-abate de bovinos na indústria sobre os parâmetros de bem-estar animal e impactos no ph 24 horas post mortem . Bioscience Journal [online], vol. 31, no. 1, pp. 194–203. [Accessed28 November 2022]. DOI 10.14393/BJ-v31n1a2015-21879. Available from: https://seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/21879.

Issue

Section

Agricultural Sciences