Isolamento, cultivo e caracterização de células derivadas de cardioesferas de camundongos CD1

Authors

  • Poliana Rodrigues Alves Universidade Federal de Uberlândia
  • Susana Kelly de Abreu Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho
  • Débora Bastos Mello Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho
  • Tais Hanae Kasai Brunswick Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho
  • Lucas Vogt Cota Universidade Federal de Uberlândia
  • Débora Ribeiro Chagas Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho
  • Adriana Bastos Carvalho
  • Elmiro Santos Resende Universidade Federal do Rio de Janeiro

Abstract

No Brasil, como em todo o mundo, as doenças cardiovasculares têm sido uma das principais causas de morte. A alta mortalidade e as poucas alternativas terapêuticas para esta doença têm estimulado a investigação no campo das células estaminais. Recentemente, alguns grupos têm mostrado a presença de células-tronco/progenitoras residentes no coração. Estas poderiam ser cultivadas diretamente a partir de tecidos cardíacos produzindo aglomerados esféricos denominados Cardioesferas estas, contém células proliferativas que dão origem, após o plaqueamento, a uma população heterogênea denominada: células derivadas de cardioesferas (CDCs). O objetivo deste estudo foi isolar, cultivar e caracterizar as CDCs de camundongos da linhagem CD1. Para isto, as células primárias foram isoladas a partir de corações de camundongos adultos da linhagem CD1 após a digestão de pequenos fragmentos do órgão em 420U/ml utilizando colagenase tipo II por 20 minutos 37°C. Nas análises por Citometria de Fluxo (FACS) foram observadas baixa expressão das moléculas de CD19 (0,4%), CD45 (0,5%) e CD90 (4,77%), e alta expressão das moléculas CD73 (71,47%), CD105 (25,1%), CD14 (25,17%). Nos ensaios de imunofluorescência foi possível observar a expressão das proteínas no citoplasma dos cardiomiócitos: vimentina, desmina e alfa actina de músculo liso, além da expressão do filamento intermediário nestina. Ao analisar a expansão celular por population doubling time foi observado que as CDCs duplicaram sua população original em cerca de 1,8 dias. Estes resultados sugerem que as CDCs isoladas a partir de camundongos da linhagem CD1, são células que apresentam características de células mesenquimais, constituindo uma população celular a ser testada nos estudos em terapias celulares. Estes resultados, motiva a estabelecer protocolos mais efetivos a fim de investigar possíveis efeitos parácrinos benéficos, bem como o potencial angiogênico e cardiogênico destas células.

Downloads

Download data is not yet available.

Published

2013-09-20

How to Cite

ALVES, P.R., ABREU, S.K. de, MELLO, D.B., KASAI BRUNSWICK, T.H., COTA, L.V., CHAGAS, D.R., CARVALHO, A.B. and RESENDE, E.S., 2013. Isolamento, cultivo e caracterização de células derivadas de cardioesferas de camundongos CD1 . Bioscience Journal [online], vol. 29, no. 5, pp. 1403–1414. [Accessed12 July 2024]. Available from: https://seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/21639.

Issue

Section

Health Sciences