Caracterização morfológica, genética e patogenicidade de isolados de Rhizoctonia solani provenientes de algodoeiros no Brasil

Authors

  • Amanda Cabral corrêa Oliveira Universidade Federal de Lavras
  • Paulo Estevão de Souza Universidade Federal de Lavras
  • Edson Ampélio Pozza Universidade Federal de Lavras
  • Antônia dos Reis Figueira Universidade Federal de Lavras
  • Gabriel Dornelas Avelar Universidade Federal de Lavras
  • Eliane Aparecida Gomes Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Milho e Sorgo
  • Fernando Pereira Monteiro Universidade Federal de Lavras

Abstract

A espécie Rhizoctonia solani é um patógeno importante na cultura do algodão associada a doenças conhecidas como tombamento e mela. A variabilidade entre os isolados são extremamente importantes, porque existem diferenças entre os grupos de anastomose, tomadas como aqueles isolados capazes de trocar informações genéticas entre si. A caracterização morfológica, quando confirmada pela a caracterização genética fornece informações concretas sobre a distribuição do isolados quando agem como um agente patogênico. O objetivo foi identificar e caracterizar os grupos de anastomose no Brasil e confirmá-los pela caracterização genética. Foram consideradas 51 isolados de Rhizoctonia solani com o objetivo de caracterizar os grupos de anastomose e determinar a patogenicidade. A caracterização morfológica foi realizada observando-se o número de núcleos, morfologia da colônia e identificação de grupos de anastomose (AG). Na caracterização genética foram sequenciados e analisados os fragmentos genômicos contendo as regiões 5.8 S, ITS1 e ITS2, comparando-se os isolados listados no GenBank. A patogenicidade foi avaliada utilizando a escala de infecção com graus que variam de 1 a 4. Considerando-se o AG foram identificados 36 de 51 isolados como AG-4 e dois isolados como AG-7, 13 isolados não tiveram classificação. Em análises moleculares foram confirmados os 36 isolados identificados pela caracterização morfológica e mais 10 isolados como AG-4. Todos os isolados AG-7 foram confirmados e encontrado mais um nas análises moleculares. Para a patogenicidade verificou-se que cinco isolados não diferem do controle. A virulência intermediária e alta virulência foram observadas em 16 e 24 isolados, respectivamente, com médias 2,52-3,3 e 3,4-3,9.

Downloads

Download data is not yet available.

Published

2014-09-30

How to Cite

OLIVEIRA, A.C. corrêa, SOUZA, P.E. de, POZZA, E.A., FIGUEIRA, A. dos R., AVELAR, G.D., GOMES, E.A. and MONTEIRO, F.P., 2014. Caracterização morfológica, genética e patogenicidade de isolados de Rhizoctonia solani provenientes de algodoeiros no Brasil . Bioscience Journal [online], vol. 30, pp. 512–524. [Accessed19 May 2022]. Available from: https://seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/18172.

Issue

Section

Agricultural Sciences