Formação dos acadêmicos de medicina veterinária no processo de morte e morrer

Authors

  • Giuliano Gustavo Lesnau Universidade Federal de Alagoas
  • Franklin Santana Santos Universidade de São Paulo

Abstract

A expansão do ensino superior de medicina veterinária no Brasil foi muito rápida, exigindo maior acompanhamento e fiscalização. Entretanto, isso não ocorreu na mesma velocidade. Muitos cursos trocaram os nomes e as cargas horárias das disciplinas de medicina veterinária em seu currículo, mas na realidade, não houve inovação nem mudança. Carências herdadas de um ensino tecnicista perpetuam na maioria dos cursos registrados no Brasil. Os veterinários se formam sem preparo psicológico ou emocional para enfrentarem uma situação de luto de seus clientes. Este treinamento é necessário, pois os animais fazem parte da família, dividindo intensamente as emoções de onde estiverem inseridos. Outras profissões da saúde também enfrentam esse problema e com isso, o tema passa a ser mais discutido em ambiente multidisciplinar. Infelizmente neste trabalho, verificamos a fuga do assunto: morte. A tendência é a de se criarem diretrizes extremamente técnicas, refletindo situações de distanásia até involuntária. Propomos aqui a inclusão de disciplinas preparatórias para o veterinário, com ênfase na comunicação e na empatia.

Downloads

Download data is not yet available.

Published

2013-04-30

How to Cite

LESNAU, G.G. and SANTOS, F.S., 2013. Formação dos acadêmicos de medicina veterinária no processo de morte e morrer . Bioscience Journal [online], vol. 29, no. 2, pp. 429–433. [Accessed7 December 2022]. Available from: https://seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/17170.

Issue

Section

Agricultural Sciences